Posts Tagged ‘Sebrae’

Antes de abrir um negócio, empresárias de Palmas estudaram o mercado e se capacitaram para oferecer um serviço inovador e diferente

Preparação e planejamento. Essas foram as palavras-chave para o sucesso do empreendimento de Candice Colombo dos Santos e Juliana Matos Buzolin Ferrão, que decidiram que abrir um pet shop era o segmento certo para investir. Afinal, ambas são profissionais em veterinária e apaixonadas pelos animais.

“Eu já tinha a ideia de montar um negócio. Então, procurei o Sebrae para entender quais passos deveria dar”, contou Juliana Matos. Segundo ela, o início se deu com a produção do plano de negócio e depois com a pesquisa de mercado. “Conseguimos saber o que o consumidor de Palmas (TO) queria de um pet shop e quanto ele gasta em média com esse tipo de serviço. Isso nos deu um direcionamento do negócio”, explicou Juliana.

As sócias, conforme explica Candice Colombo, ainda buscaram o que poderiam oferecer de diferencial em seu negócio. “Então, além dos serviços tradicionais, oferecemos também spa e creche”, elencou Candice, acrescentando que o estabelecimento também possui hotel monitorado, onde o dono pode ver seu animal de estimação pela internet. “Algumas pessoas diziam que éramos doidas e nos questionavam se Palmas comportaria esses serviços”, lembrou Juliana.

Segundo as empresárias, o resultado do sucesso do negócio, a Pet House – resort e hotel para cães e gatos, está sendo evidenciado pela fidelização dos clientes. “Muitos vêm e depois voltam com amigos, familiares. Pesquisas que fizemos mostraram que quase 100% dos clientes indicariam outras pessoas para a empresa”, afirmou Juliana.

O analista do Sebrae no Tocantins, Rogério Maracaípe, indicou inicialmente para que elas participassem do Programa de Orientação para Candidatos a Empresários (Próprio), onde foram capacitadas para elaborar o seu plano de negócio. “Após isso, elas receberam a consultoria de viabilidade e começaram a colocar em prática tudo que haviam planejado”, contou.

O analista explica que, logo depois, as empresárias foram direcionadas para o projeto de Pet Shops, onde atualmente recebem consultorias de gestão específicas para esse segmento. “Elas são a prova de que as chances de sucesso aumentam se o empreendedor investir um tempo para colocar suas ideias no papel. Isso está comprovado nas instalações inovadoras da empresa, no atendimento e nos resultados financeiros que já estão aparecendo”, analisou Maracaípe.

Novo mandato se inicia em janeiro de 2015 e tem duração de quatro anos

O Conselho Deliberativo do Sebrae Nacional elegeu nesta quinta-feira (11) o seu novo presidente e também a nova Diretoria Executiva da instituição. O atual presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, será o presidente do Conselho Deliberativo Nacional (CDN) do Sebrae, em substituição a Roberto Simões, da Confederação Nacional da Agricultura (CNA).

Para a Diretoria Executiva do Sebrae Nacional foram reeleitos o presidente Luiz Barretto e o diretor de Administração e Finanças, José Claudio dos Santos. Já para a Diretoria Técnica da instituição foi eleita a atual secretária de Desenvolvimento da Produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), Heloisa Menezes, em substituição a Carlos Alberto dos Santos. Os mandatos têm início em janeiro de 2015 e irão até dezembro de 2018.

Os dirigentes são eleitos pelos conselheiros que representam 13 entidades públicas e privadas: Confederação Nacional da Indústria (CNI); Confederação Nacional da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA); Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC); Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB); Secretaria da Micro e Pequena Empresa (SMPE); Banco do Brasil (BB); Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES); Caixa Econômica Federal (CEF); Financiadora de Estudos e Projetos (Finep); Associação Nacional de Pesquisa, Desenvolvimento e Engenharia das Empresas Inovadoras (Anpei); Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec); Associação Brasileira de Instituições Financeiras de Desenvolvimento (ABDE) e Associação Brasileira dos Sebrae/Estaduais (Abase).

O novo presidente do Conselho Deliberativo Nacional, Robson Braga, é engenheiro mecânico formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Presidente da CNI, foi reeleito em outubro para o segundo mandato de quatro anos à frente da confederação. Anteriormente, ocupou por dois mandatos (de 2002 a 2010) na presidência da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). É membro titular do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República (CDES) e vice-presidente da Confederação Empresarial da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). Há 30 anos, preside a Orteng Equipamentos e Sistemas Ltda., empresa que produz equipamentos para os segmentos de energia, petróleo, gás, mineração, siderurgia, saneamento, telecomunicações e transportes.

O presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barretto, reeleito agora para o seu segundo mandato, é formado em Sociologia pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de São Paulo e ocupava o cargo de ministro do Turismo antes de presidir o Sebrae, em 2011. Ele já havia trabalhado na instituição como gerente nacional de Marketing e Comunicação, de 2005 a 2007. Sua vida pública teve início na década de 80, no Sistema Estadual de Análise de Dados (Fundação Seade) e no Centro de Estudos de Cultura Contemporânea (Cedec), ambos de São Paulo. Exerceu funções de direção nas prefeituras de São Paulo, São Vicente e Osasco, onde foi secretário de Indústria, Comércio e Abastecimento.

O diretor de Administração e Finanças, José Claudio dos Santos, reconduzido para mais um mandato, é graduado em Direito, com especializações nas áreas de qualidade, inovação e gestão. Atualmente, também preside o Conselho Deliberativo do Sebrae Previdência, o Conselho Fiscal na Apex-Brasil, e é conselheiro da Associação Brasileira de Recursos Humanos e da Junior Achievement Brasil. Já ocupou a posição de diretor-técnico e de gestão do Sebrae no Rio Grande do Sul (2003 a 2008), foi diretor na Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs) e diretor de Desenvolvimento de Pessoal e Qualidade da Springer Carrier S/A, no Rio Grande do Sul.

A nova diretora-técnica do Sebrae Nacional, Heloisa Menezes, é graduada em Economia com mestrado em Desenvolvimento Agrícola. Além de secretária de Desenvolvimento da Produção do MDIC, Heloisa foi diretora de Relações Institucionais da CNI, superintendente do Instituto Euvaldo Lodi de Minas Gerais, diretora-técnica do Instituto Metas e professora de economia da PUC-MG. Ela conta com mais de 15 anos de experiência em projetos de política industrial e tecnológica.

Brasilia, 09/12/14 - Fotos: Vinicius Loures /BG Press - 7º Prê

Lançamento do Prêmio Sebrae de Jornalismo reuniu profissionais da imprensa e empresários da capital

Foi lançada ontem (9), na Ilha das Tribos, a sétima edição do Prêmio Sebrae de Jornalismo, etapa distrital. O prêmio é uma iniciativa do Sebrae Nacional, com realização da Revista Imprensa, criado com o objetivo de premiar as melhores reportagens veiculadas sobre microempreendedores individuais e micro e pequenas empresas.

Para o diretor superintendente do Sebrae no DF, Antonio Valdir Oliveira Filho, esse prêmio é uma oportunidade de valorizar reportagens que mostram um Distrito Federal que as pessoas ainda não conhecem. “Temos, aqui, um mercado pujante, com uma população empreendedora, que precisa ser reconhecida. O trabalho dos jornalistas é fundamental para que haja esse reconhecimento da sociedade”, afirmou Valdir.

A novidade desta edição é a premiação da categoria Imagem Jornalística, que premiará a melhor foto, sequencia de fotos ou reportagem cinematográfica. Também serão premiados trabalhos inscritos nas categorias Jornalismo Impresso, Radiojornalismo, Telejornalismo e Webjornalismo. As matérias e reportagens que forem premiadas na etapa distrital seguem para etapa regional e, em seguida, para a etapa nacional, que acontece aqui na capital, em meados de 2015.

As inscrições para o Prêmio Sebrae de Jornalismo vão até o dia 9 de janeiro de 2015 e poderão ser inscritas as reportagens veiculadas de 1º de janeiro a 31 de dezembro de 2014. Os interessados podem consultar o regulamento do prêmio por meio do site www.premiosebraedejornalismo.com.br ou tirar suas dúvidas no contato@premiosebraedejornalismo.com.br.

A cerimônia de lançamento terminou com uma homenagem a Brasília ao som de Oswaldo Montenegro e banda.

Evento tem formato moderno e foco na troca de experiências e na network

O Sebrae no DF realiza no dia 9 de dezembro, às 18 horas, no auditório de sua sede, no SIA, a 5ª edição do Workshop de Sustentabilidade Lucrativa. Baseado em experiências trazidas pelas missões nacionais e internacionais que a instituição realiza, o evento, em formato moderno e dinâmico, tem o propósito de incentivar ações de inovação e criatividade. Trata-se de um workshop em que dez empresários contam, em palestras rápidas e interessantes, suas trajetórias, seus erros, seus acertos e seus aprendizados – indo desde as boas práticas até a gestão do conhecimento.

Para isso, são escolhidos empreendedores de diversos segmentos, que se inscrevem pela internet (www.sustentabilidadelucrativa.com.br). É formado, então, o grupo de palestrantes, em um mix de experiências interessantes e assuntos variados.

O empresário Dimitri Lociks, da Contraponto Design, especializada em design e arquitetura, será um dos palestrantes do workshop. Como o tema “Desenvolvimento de produtos sustentáveis”, ele vai mostrar um trabalho italiano que propõe quatro formas de desenvolver produtos sustentáveis, dependendo da maturidade e da missão da empresa. “Espero conscientizar os empresários presentes das diversas formas de trabalhar a sustentabilidade em seus pequenos negócios”, diz o designer industrial e microempresário.

Outro palestrante do workshop, André Leal, da Brasília FabLab – Laboratório Criativo, um espaço de criação de protótipos físicos e de multiplicação de conhecimento sobre impressão 3D, corte a lazer e outras possibilidades criativas, falará sobre o tema “Fabricação digital e as mudanças no conceito de fabricação de protótipos”. “Mostraremos como novas tecnologias, hoje de fácil acesso, tendem a mudar os negócios, dando vida a ideias que pareciam inatingíveis, e sobre como o acesso democrático às novas tecnologias tem impulsionado novos negócios”, explica o desenhista industrial André Leal.

“A ideia é explorarmos rapidamente assuntos de interesse do público, sem tomar muito tempo nem dos palestrantes nem da plateia. Queremos que todos saiam com um gostinho de ‘quero mais’ e que ser formem, assim, redes de interesse mútuo, para contato e troca de experiências, entre as pessoas que se encontram nesse evento”, explica Ana Maria Araújo, gestora de Sustentabilidade do Sebrae no DF. Para facilitar essa aproximação, o evento conta com um intervalo para que se troquem cartões e informações, e com uma rodada de perguntas da plateia aos expositores.

“O evento tem sido um grande sucesso entre os empresários, porque, ao final de cada evento, a network que se forma é muito grande”, acrescenta a gestora. “As quatro edições do evento realizadas até agora superaram nossas expectativas. Temos a certeza de que a 5ª Edição do Workshop de Sustentabilidade Lucrativa fechará esse ciclo 2014 com ainda mais sucesso e conhecimentos para todos participantes”, completa Ana Maria.

SERVIÇO

5ª Edição do Workshop de Sustentabilidade Lucrativa

Data: 9/12

Horário: 18h

Local: Auditório do Sebrae no DF – SIA Trecho 3, Lote 1.580

A vitrine, independente do formato do negócio, precisa convidar o cliente para entrar ou navegar, no caso da homepage do site

O Sebrae preparou uma lista com uma série de dicas para auxiliar os lojistas a incrementarem as vendas no Natal. A data, considerada pelo comércio varejista nacional como a mais importante do calendário, é responsável por cerca de 15% do movimento médio anual do varejo, segundo a Associação Comercial de São Paulo.

Por isso, é muito importante que o lojista exponha os produtos da melhor forma, determinando o cronograma de recebimentos de produtos, o que comprar para o período e como vender por faixa etária e sexo. É preciso aguçar os sentidos do consumidor: visão, tato, cheiro e paladar.  A vitrine, independente do formato do negócio (rua, shopping ou e-commerce), precisa saltar aos olhos e convidar o cliente para entrar ou navegar, no caso da homepage do site.

“As datas comemorativas são fundamentais para que o comércio seja aquecido, ajudam a impulsionar os negócios e consequentemente a economia do país. Dependendo da atividade, o faturamento do empresário pode até mesmo dobrar na época de Natal”, afirma o diretor-superintendente do Sebrae em São Paulo, Bruno Caetano.

A palavra-chave para aproveitar o período é planejamento. Resgate o histórico de vendas e relembre o desempenho dos anos anteriores: quais foram os produtos mais procurados; o que encalhou; quais foram os horários de pico; como foi o preparo da loja; atendimento; quantos funcionários temporários contratou e se teve problema com troca de mercadorias.

“Quem quer vender mais precisa correr. A primeira parcela do 13º salário já saiu e o comerciante precisa atrair o consumidor para antecipar as compras de fim de ano. Bole atrativos para as pessoas comprarem agora”, observa o diretor do Sebrae.

DICAS PARA VENDER MAIS NO PERÍODO: 

1 – Clareza: não esconda nem manipule o preço do produto e do frete para iludir os consumidores. Destaque todos os valores que fazem parte da compra

2 – Acessibilidade: deixe o produto com fácil acesso, principalmente em lojas de autosserviço

3 – Dê atenção: seja exclusivo ao seu cliente; ouça-o com cuidado e identifique suas necessidades

4 – Sinalização: mercadorias bem sinalizadas vendem mais rápido

5 – Soluções: para o cliente não existe uma só saída; procure dar o máximo de opções

6 – Criatividade: monte kits por faixa etária e sexo, combinando vários produtos

7 – Acompanhe seu estoque: isso permite ajustes de curto prazo para aumentar as vendas

8 – Recebimento de produtos: faça um cronograma para não receber tudo em um só lote

LOJA DE RUA

•  Invista no visual. Decore o estabelecimento com enfeites natalinos

• Deixe os produtos expostos nos locais com maior tráfego de clientes

• Os artigos devem ficar na altura do olhar. O ideal é 1,60m, o que corresponde à média da estatura do brasileiro

•  Invista na iluminação para o dia e para a noite. A luz certa favorece a mercadoria. A vitrine precisa ser bem iluminada e o reflexo do sol deve ser controlado

LOJA DE SHOPPING

• A concorrência está ao lado. O cliente sai da loja e a poucos passos encontra outra loja

• Busque um diferencial. Traga mercadorias de outros estados e misture com as peças que já costuma ter

• Inove na vitrine. Mescle as peças tradicionais com as novas

• Crie pontos focais. As lojas são pequenas, no geral têm 60m2, então é preciso saber usar o pouco espaço que tem

•  Aposte na venda cruzada. Ofereça mix de produtos. Por exemplo: calça, blusa, sapato e bolsa ou, caso o ramo seja alimentação, bacalhau, azeite, azeitonas e vinho.  O freguês é induzido a comprar os quatro. Traga essa estratégia para o seu modelo de negócio

E-COMMERCE

•  A homepage precisa estar no clima festivo. Um design atrativo e especial para a data é fundamental

•  A navegação precisa ajudar o cliente a ter detalhes do produto. Utilize o sistema de lupa (zoom) para o consumidor visualizar a peça. Ele substitui a necessidade do cliente tocar o produto

•  Transmita confiança.  Contrate o serviço de segurança e coloque testemunhais de quem já comprou

•  Respeite o prazo de entrega. Não se comprometa com uma data que não poderá cumprir

PARA OS TRÊS MODELOS

•  Bom atendimento.  No caso da loja de rua e shopping não escolha o cliente pela aparência. Todos, independente do tipo físico ou da roupa que está vestindo, precisam receber um atendimento impecável. No caso do site é preciso ter um espaço para o cliente conversar com alguém, seja por e-mail, chat ou telefone

•  Prepare o seu estabelecimento para o grande movimento. Agilidade e paciência serão fundamentais

Mais de 100 estudantes de todos os estados participam, em Brasília, da etapa final da competição

Por Débora Cronemberger – - A equipe vencedora do Desafio Universitário Empreendedor será anunciada nesta terça-feira (2), às 19h, no Sebrae Nacional. A premiação vai encerrar cinco dias da etapa final dessa competição nacional, que busca desenvolver habilidades empreendedoras no público universitário entre os 108 estudantes finalistas de todas as regiões do país.

Os estudantes da etapa final são aqueles que acumularam mais pontos em seus estados devido à participação em atividades oferecidas na plataforma do Desafio Universitário Empreendedor, como jogos, conversas com especialistas em empreendedorismo e atividades de capacitação, como cursos online e presencial.

Participam desta etapa 27 equipes, cada uma representando um estado e o Distrito Federal, que são formadas, cada uma, por quatro estudantes. Os universitários melhores colocados nessa competição nacional vão receber prêmios como tablets e viagens no Brasil e ao exterior para conhecer centros que são referência em empreendedorismo.

“As equipes chegam a Brasília com uma ideia de negócio que precisa ser desenvolvida. Oferecemos aqui uma série de insumos para apoiá-los nesse processo, incluindo oficinas, palestras e mentoria”, afirma Olívia Castro, gerente-adjunta de Capacitação Empresarial (UCE) do Sebrae Nacional e gestora nacional do Desafio Universitário Empreendedor.

Na terça-feira de manhã, uma banca de jurados de especialistas em empreendedorismo vai selecionar a ideia vencedora, entre as dez melhores, que serão apresentadas nesta segunda (1ª).

O Sebrae criou um canal no YouTube, com boletins diários sobre as atividades que vêm acontecendo em Brasília. A cobertura nos vídeos é realizada por Cazé Pecini, ex-apresentador da MTV Brasil.

Carla Vecchi, gestora do projeto Educação Empreendedora do Sebrae em Mato Grosso, avalia que o envolvimento dos estudantes em uma competição sobre empreendedorismo não tem impacto somente entre eles, mas entre suas redes de contato. “A educação empreendedora tem um grande poder de transformação e contribui para o desenvolvimento das pessoas.”

Nova Diretoria do Sebrae-DF. Foto: Fernando Bizerra

Nova Diretoria do Sebrae-DF. Foto: Fernando Bizerra

Os membros do Conselho Deliberativo do Sebrae no Distrito Federal elegeram, na terça-feira, dia 25 de novembro, o novo presidente do Conselho, o Conselho Fiscal e a Diretoria Executiva da instituição para o quadriênio 2015-2018.

Luís Afonso Bermúdez assume o cargo de presidente do Conselho Deliberativo do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal a partir de janeiro. A expectativa dos conselheiros é dar continuidade aos ótimos resultados do Sebrae no DF.

Por sua condição de órgão máximo do Sebrae no DF, o Conselho Deliberativo Estadual desempenha atribuições relevantes nos aspectos político e de governança corporativa. Por isso, é fundamental que o cargo de presidente da instituição seja ocupado por alguém com o histórico de Afonso Bermúdez, que abraçou a causa das micro e pequenas empresas por reconhecer que o fortalecimento desses empresários ultrapassa a área econômica e alcança o universo político-institucional.

De acordo com Jamal Jorge Bittar, presidente da Federação das Indústrias do Distrito Federal (FIBRA), é muito importante a eleição de Bermúdez para o Sebrae no DF. “A Fibra considera muito positiva a escolha do professor Bermúdez para presidir o Conselho Deliberativo do Sebrae no DF. A integração entre a academia, o setor produtivo e o governo é fundamental para o fomento do empreendedorismo no Distrito Federal”, destacou Jamal.

Professor Bermúdez, como é conhecido, é Decano de Administração e Finanças da Universidade de Brasília e representa a UnB no Conselho Deliberativo do Sebrae no DF desde a sua criação, em 1991. A representação da UnB, conforme prevê a lei de criação do Sistema Sebrae, se dá de forma voluntária e gratuita. É a primeira vez que a Universidade de Brasília assume a presidência do Conselho Deliberativo do Sebrae.

Para Álvaro Silveira Júnior, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do DF (CDL-DF), a eleição de Bermúdez é muito importante para os empresários da capital. “Parabenizo o professor Afonso Bermúdez por essa conquista, também de todo o empresariado do Distrito Federal. Pela primeira vez, temos na presidência do Sebrae um representante com carreira universitária, e boa parte dela construída aqui mesmo, na nossa UnB. Bermúdez tem a minha admiração e o meu respeito pela importante contribuição que já deu e que vem dando a Brasília. Como é de sua personalidade, tenho certeza que ele fará uma gestão traçada pela inovação, superando metas e desafios”, completa Silveira.

Clayton Machado, presidente do Sindicato de Hotéis, Restaurantes e Similares de Brasília (SINDHOBAR), também ficou satisfeito com a eleição. “O resultado consagra a tendência de integração das entidades de pesquisa que estão se aproximando do setor produtivo. A união da academia com o setor produtivo eleva o padrão de qualidade do segmento. O SINDHOBAR parabeniza todos e deseja uma gestão proativa”, finaliza Clayton.

Além de Luís Afonso Bermúdez, foi reeleito ao cargo de diretor superintendente do Sebrae no DF o administrador Antônio Valdir Oliveira Filho; para diretora de Gestão e Produção, a funcionária da instituição Cassiana Abritta Garcia Brandão; e para diretor de Atendimento, o economista Júlio Flávio Gameiro Miragaya.

Para o Conselho Fiscal da instituição foram eleitos os titulares Floriano Henrique Morais, José Maria de Araújo e Welington Corrêa de Oliveira e para suplentes, Arnaldo Rocha Mundim Junior, Fragmar Diniz Leite e Guilherme Nery da Fonseca Coelho.

Com decoração e presentes diferenciados, Maria Carolina Calaça, da Lina Origamis, conquista mercado dentro e fora de Goiás

Por Lídia Borges – Artesã Maria Carolina Ferreira CalaçaGoiânia – Papel, tempo e muita habilidade são os elementos que a artesã Maria Carolina Ferreira Calaça, de 34 anos, usa para dar vida ao seu negócio. Da mistura dos três, ela fabrica uma gama de produtos diferenciados, que já conquistaram o mercado de decoração de eventos e de vitrines, além das opções de presentes e lembrancinhas. Para isso, ela usa a técnica japonesa que domina como ninguém: o origami.

A atividade foi levada durante muito tempo como renda extra ao emprego formal. Lina (apelido de infância que agora dá nome ao negócio) é formada em História e já atuou como professora. Ficou por muito tempo em cargos da área administrativa em diversas empresas, mas, desde adolescente, aproveitava sua habilidade manual para, paralelamente, vender crochê, bijuterias, bombons, dentre outras fabricações próprias.

Autodidata, aperfeiçoou-se no origami sozinha durante anos até conquistar o nível avançado. Ao adotar a técnica, passou a vender móbiles, mandalas, cartões,  lembrancinhas de maternidade e outros artesanatos, mas para um público restrito, de amigos e parentes. Seu primeiro portfólio foi o aniversário do filho mais velho, todo decorado em origami.

O trabalho tornou-se oficial há cerca de um ano e meio com a marca Lina Origamis. Foi então que a artesã pegou seu primeiro grande trabalho: a decoração de um casamento todo feito de origamis.

“Esse foi o maior trabalho que eu tinha conquistado até então. Foram usados mil tsurus no altar. A noiva me pedia várias coisas que eu não sabia fazer, mas dizia à ela que sabia. Depois, corri atrás de tudo e deu certo. Foi meu grande portfólio”, lembra Lina, aos risos. Nessa época, ainda trabalhava das 8h às 18h em uma empresa. “Meu tempo de produção era basicamente à noite”, completa.

Lina é hoje uma Microempreendedora Individual (MEI) e vive, oficialmente, da renda das vendas de origamis. A escolha deu tão certo que seu ganho já é superior ao salário que ganhava como funcionária de carteira assinada. Desde o início, tem a mãe como seu braço direito, a qual também foi aprendendo a técnica aos poucos. Quando o trabalho é volumoso, conta com equipe já conhecida que a ajuda na montagem da decoração e nas primeiras dobras do origami. “Mas o acabamento faço questão de que seja todo nosso.”

A artesã também passou a divulgar com mais afinco o trabalho na internet – além do blog, tem o Facebook. Mas a maior propaganda quem faz são os próprios clientes. Atualmente, seus produtos já ultrapassaram as barreiras do Estado – além de Goiânia, já vendeu para clientes de São Paulo e Mato Grosso. O custo de produção é baixo, já que Lina trabalha com papel. O que dá valor aos origamis é o acabamento.

Para se ter uma ideia, cada tsuru custa R$ 2. O buquê de origami, que substitui o tradicional de flores, é vendido por R$ 220, dentro de um kit contendo também o buquê da dama de honra e um jarro para suporte do buquê oficial, para que a noiva possa guardá-lo de recordação. “Buquê de flores naturais tem seu charme, mas elas vão murchar e morrer. O vaso de origami vai ser uma lembrança para o resto da vida.”

SERVIÇO:

Lina Origamis – (62) 8114-9667 / 8619-5012

Blog: http://linaorigamis.blogspot.com.br/

Facebook: www.facebook.com/LinaOrigamis

Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800

Comunidade se desenvolveu a partir de atividades produtivas ligadas ao turismo sustentável

Por: Luciana Barbo – Localizada no Brejo Paraibano, a cidade de Areia tem uma comunidade formada por cerca de duzentas famílias denominada Chã de Jardim. Marcada por um baixo Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e com quase a totalidade dos moradores dependentes do programa Bolsa Família, a localidade mudou sua realidade a partir de atividades produtivas ligadas ao turismo sustentável.

Com ideias inovadoras, os jovens da Associação para o Desenvolvimento Sustentável da Comunidade da Chã de Jardim (Adesco), liderada por Luciana Balbino, conseguiram  engajar a população para ter uma vida melhor. Em menos de dez anos de atuação, por exemplo, o Parque Estadual Mata do Pau Ferro virou cenário para um passeio com direito a piquenique ao final da caminhada.

O cardápio que alimenta os visitantes é composto por frutas, bolos, sucos e tapiocas produzidos pela própria comunidade. Já as folhas de bananeira passaram a ser aproveitadas na produção de tapetes, bolsas e cestas e vendidas aos turistas no final do passeio. As frutas cultivadas por produtores rurais viraram polpas para sucos e doces, também colocados à venda para os visitantes. E as tradições gastronômicas do lugar podem ser conhecidas e apreciadas no restaurante Vó Maria, de onde se tem uma vista privilegiada para o pôr do sol.

“Chamavam a gente de loucos; as mulheres carregavam as folhas de bananeira nas costas. Agora, elas têm a sua própria renda e quem antes não acreditava na gente, hoje nos apoia”, conta Balbino, que começou o trabalho como coordenadora de desenvolvimento da comunidade em 2006.

Ela contou com muita criatividade e também a orientação do Sebrae para vencer o preconceito e todos os entraves apresentados durante a trajetória da comunidade, como a falta de recursos financeiros e burocracias. “Desenvolvimento que vale a pena é aquele que gera qualidade de vida para as pessoas”, disse.

A história de engajamento de Luciana Balbino e da comunidade foi contada por ela aos participantes do 3º Encontro Nacional dos Agentes de Desenvolvimento realizado, em Pernambuco, na última semana.

O ENAD

A programação do Encontro Nacional dos Agentes de Desenvolvimento foi encerrada com a premiação da Maratona de Negócios Públicos, que avaliou projetos para o desenvolvimento local em diversas comunidades. O agente Aildo Bezerra, de Arco Verde (PE), venceu a disputa com o projeto de reestruturação do centro comercial do município. De Cantagalo (RJ), Jorge Braz Ferreira levou o segundo lugar com uma proposta para fomentar a participação de micro e pequenas empresas do polo cimenteiro da cidade nas compras públicas. E Joel Santana, de Linhares (ES), levou o terceiro lugar, com projeto que consiste em uma rede de integração para facilitar o dia a dia dos pequenos negócios do município.

As microfinanças são ferramentas que ajudam no fortalecimento e na estruturação de pequenos negócios. Confira as dicas do Sebrae

Por Vinícius Tavares – Segundo pesquisa divulgada pelo Sebrae no IV Fórum de Inclusão Financeira, oito em cada dez micro e pequenas empresas brasileiras utilizam algum tipo de financiamento, cinco recorreram a empréstimos nos últimos cinco anos e duas o fizeram somente em 2014.  Em torno desse tema, vem aí mais uma edição do Papo de Negócios, bate-papo virtual voltado a empresários com a participação de especialistas no assunto. O tema desta edição é Microfinanças: Opção para Pequenos no Acesso a Microcrédito, Microsseguros, Transferência de Valores e outros Serviços Financeiros. A iniciativa foi realizada nessa terça-feira (25). Confira a exibição, com duração de 30 minutos, em www.sebraemercados.com.br e www.youtube.com/user/papomercadoefinancas.

As microfinanças são ferramentas que ajudam no fortalecimento e na estruturação de pequenas atividades produtivas, mas que não se limitam apenas a empréstimo financeiro. O segmento inclui diversos tipos de serviços, como poupança, seguro, crédito, entre outros produtos.

O microcrédito é a prática de microfinanças mais adotada pelos empreendedores de pequeno porte. Ele  se diferencia da forma tradicional de empréstimo por ser desburocratizado e possuir taxa de juros mais baixa do que a cobrada nas instituições financeiras.

No mês passado, o tema do Papo de Negócios foi E-commerce – Oportunidades em Nichos do Varejo Online no Brasil. Desde 2013, já ocorreram 11 edições do Papo de Negócios em diferentes formatos e com mais de 35 mil visualizações. Neste ano, ocorreram quatro edições voltadas às oportunidades durante a Copa do Mundo.

Gerente de Serviços do Sebrae, Juarez de Paula, durante a abertura do encontro - Foto Charles Damasceno

Gerente de Serviços do Sebrae, Juarez de Paula, durante a abertura do encontro – Foto Charles Damasceno

Gestores dos espaços estão reunidos no Sebrae para formatar a rede de atendimento aos empreendedores criativos

Empreendedores da área de artes visuais, design, moda, audiovisual, música, artesanato, comunicação e tecnologia, entre outras, vão poder contar, até o começo do ano que vem, com apoio para formalizar seus negócios, profissionalizar a gestão, aproximar-se de investidores e entrar para o mercado. Em parceria com o Sebrae, o Ministério da Cultura, por meio do Programa Incubadoras Brasil Criativo, colocou oito incubadoras em funcionamento neste ano e outras cinco devem ser inauguradas nos próximos meses.

Até esta sexta-feira (21), os gestores das incubadoras Brasil Criativo estarão reunidos na sede do Sebrae Nacional para trocar experiências, compartilhar informações e discutir a formação de uma rede de incubadoras, na qual eles possam se comunicar e criar um modelo transversal de atuação junto aos empreendedores criativos. No encontro também será discutido a formatação de modelo de atendimento nas incubadoras.

“As incubadoras são um apoio importante para o fortalecimento da atividade criativa do ponto de vista do empreendedorismo, da formalização e da profissionalização dos negócios. O Brasil é muito rico culturalmente e o segmento é uma grande oportunidade econômica”, afirmou o gerente de Serviços do Sebrae, Juarez de Paula, durante a abertura do encontro.

Espaço de convergência e integração dos empreendimentos criativos, as incubadoras ofertam aos agentes culturais cursos e consultorias, planejamento estratégico, assessoria contábil, jurídica e de comunicação, marketing, elaboração de projetos e captação de recursos, além de acompanhamento contínuo. O modelo oferece ainda balcões de crédito, formação técnica e realização de cursos.

Durante o encontro, os gestores das incubadoras discutirão, por exemplo, a forma de recrutamento dos empreendimentos e o tempo de incubação das empresas selecionadas. Eles também vão participar de um curso da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec) sobre como planejar a gestão eficaz de incubadoras e como atrair e selecionar os empreendimentos.

Já estão em funcionamento espaços dedicados para a Economia Criativa no Rio de Janeiro, Pará, Bahia, Rio Grande do Norte, Goiás, Acre, Ceará e em Mato Grosso. Estão previstas para funcionar em 2015 outras cinco incubadoras no Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Distrito Federal.

O secretário de Economia Criativa do MinC, Marcos André Carvalho, afirmou que o ministério está preocupado em qualificar a ocupação das incubadoras e que vai colocar no orçamento de 2015 recursos que garantam o funcionamento das incubadoras até fevereiro de 2016. “Nosso objetivo é fazer uma incubadora por estado e o programa só vai ter sucesso se realmente trabalharmos em rede”, disse. (Por Gizella Rodrigues, da Agência Sebrae)

Espaço de geração e disseminação de conhecimentos e práticas empreendedoras funcionará a partir de 2015

Por: Simone Guedes – O presidente do Conselho Deliberativo do Sebrae Nacional, Roberto Simões, e o presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barretto, estarão em Belo Horizonte nesta quinta-feira (13) para o lançamento do Centro de Referência em Educação Empreendedora, que entrará em funcionamento no início de 2015, em prédio anexo à sede do Sebrae Minas. O Centro de Referência pretende gerar e disseminar conhecimentos (pesquisas, estudos, ferramentas e tecnologias) e práticas, para estimular e desenvolver a educação empreendedora.

O lançamento abre a Conferência Regional Educação Empreendedora no Hotel Mercure Lourdes, às 18h. Em seguida, serão anunciados os educadores que se destacaram na 2ª edição do Prêmio Cultura Empreendedora, nas categorias ensino fundamental, médio e superior.

artesanato

Evento traz novidades e obras de artesanato de todo o País

Quem gosta e valoriza o artesanato produzido no Distrito Federal não pode deixar de visitar o estande do Sebrae no DF no 7º Salão do Artesanato, no Pavilhão Expobrasília, do Parque da Cidade, de 5 a 9 de novembro, com entrada franca.

Durante a exposição, o espaço do Sebrae no DF oferecerá aos visitantes a oportunidade de conhecer produtos nascidos nas mãos de Dirce Maria da Silva e Miraci Marques, duas artesãs locais que venceram o Prêmio Top 100 de Artesanato – premiação que visa a identificar e selecionar as 100 unidades produtivas mais competitivas do País, avaliando seus processos produtivos com foco no mercado. Toalhas, almofadas e peças com bordado são a especialidade de Dirce Maria – do grupo Bordadeiras de Taguatinga–, enquanto Miraci Marques – do grupo Artesanato Candango – se destaca na produção de panos de prato enriquecidos com a aplicação de crochê.

Além disso, o espaço do Sebrae no DF apresentará artesanato com aplicação de iconografia. São produtos desenvolvidos a partir de símbolos de Brasília, resultado de uma pesquisa que incentivou os empresários a utilizarem os símbolos da cidade em suas peças, agregando valor ao produto e criando, assim, uma oportunidade de negócios.

É importante lembrar aos visitantes do espaço Sebrae no DF que os produtos expostos durante o 7º Salão do Artesanato são obras que vão além da pura manualidade do artesão. Trata-se de peças diferenciadas, desenvolvidas após um longo percurso realizado pelos artesãos que investiram na própria capacitação por meio de oficinas de gestão de negócio, design e inovação e formação de preço de produto. Definição da marca e identidade visual também são temas importantíssimos para que as peças sejam absolvidas pelo mercado. Tudo isso para que os empresários tenham maior consciência da riqueza que, literalmente, possuem em suas mãos e possam oferecer ao mercado um produto verdadeiramente genuíno e artesanal.

O 7º Salão do Artesanato tem o patrocínio da Petrobras e do Sebrae, e conta, ainda, com programação de shows, oficinas, homenagens e estandes de vendas, prometendo apresentar o que se tem produzido de mais expressivo em arte popular no Brasil. O salão terá a participação de 20 estados brasileiros– Acre, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins e Mato Grosso – e do Distrito Federal. Mato Grosso é o estado homenageado nesta edição. Cada estande apresentará o trabalho de artesãos e/ou cooperativas, compondo um amplo painel da diversidade, da qualidade e da sofisticação do artesanato brasileiro.

Com organização do Comitê Regional do Distrito Federal, liderado pelo 4Legal Coworking e apoiado pelas entidades representativas do setor produtivo no DF, como ACDF, Sistema Fecomércio-DF, CDL-DF e SEBRAE-DF, movimento promove eventos e ações fundamentadas na “inspiração para o empreendedorismo”, “capacitação de quem já é ou deseja empreender” e “relacionamento e networking”

Um dos maiores eventos mundiais de fomento ao empreendedorismo acontece neste mês, entre os dias 17 e 23, nas principais cidades do mundo, como Londres, Amsterdã, Paris, São Paulo, Nova York, entre outras. Brasília não só poderia ficar de fora, como está se destacando na programação nacional da Semana Global do Empreendedorismo (SGE), que, em solo candango, reunirá mais de 100 atividades de inspiração, capacitação e relacionamento, com foco no empreendedorismo.

Com este tripé (inspiração, capacitação e relacionamento), a SGE deve atrair a atenção de estudantes, jovens interessados em montar o seu próprio negócio e empresários que não abrem mão de estar por dentro do que acontece no mercado.

Apontado como um dos país mais empreendedores do mundo, o Brasil ainda sofre com a mortalidade precoce no setor privado, seja comércio, serviço ou indústria. As pesquisas do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) apontam que uma em quatro empresas fecha até dois anos, depois de criada.

Divulgado no segundo semestre de 2014, o levantamento do SEBRAE-SP, “Causa Mortis: o sucesso e o fracasso das empresas nos primeiros cinco anos de vida”, mostra que falhas de planejamento e administração contribuem para o fim das empresas. Entre os entrevistados, 46% não conheciam os hábitos e quem seria o público alvo; 55% não elaboraram um plano de negócios; e 71% enfrentaram problemas no primeiro ano.

Dentro deste cenário, a SGE surge como uma oportunidade para a capacitação dos gestores e, consequentemente, para o fortalecimento da economia local. Entre os eventos com este objetivo está a palestra de Flávio Resende, diretor executivo da Proativa Comunicação, que integra o comitê gestor local. O tema do evento, que será promovido pelo 4 Legal,  será a “Imagem das Organizações”. O jornalista apresentará, na oportunidade, dicas das melhores ferramentas de Comunicação para que os empreendedores alcancem as metas desejadas.

A Proativa Comunicação também promove, com apoio do Sebrae-DF, a 5ª edição do Papo Proativo no dia 21. Realizada no formato de talk show, a iniciativa busca estabelecer uma relação pedagógica com o mercado, inspirando, sobretudo, os jovens a empreenderem. Para esta edição, foram convidados os empresários: Janine Brito, da Pinheiro Ferragens, que falará sobre empresas familiares; Thirza Reis, da Homero Reis & Consultores, que discorrerá sobre empreendedorismo feminino; e Monclair Cammarota, da Ekoá Jogos Empresariais, que abordará o caminho para o empreendedorismo.

A inscrição para o Papo Proativo deve ser feita previamente pelo telefone (61) 3242-9058 ou pelo e-mail proativa@proativacomunicacao.com.br, condicionada à doação de dois quilos de alimento não-perecível, que deverão ser entregues no evento. Os alimentos arrecadados serão doados, posteriormente, ao Centro Educativo Santo Aníbal Maria, no Guará II, que atende mais de 200 crianças carentes.

Para Juliana Guimarães, diretora de Marketing do 4Legal, empresa de Coworking em Brasília, que lidera o comitê local, “a SGE vai além do incentivo para o surgimento novos empresários ou do fomento para novos modelos de negócio. O movimento acredita no empreendedorismo com uma ferramenta de transformação social”, disse.

O 4Legal preparou uma agenda especial para a SGE, que pode ser consultada no site www.semanaglobal.org. Ainda durante o mês, a empresa promove o Responsive Day e o Hult Prize. As inciativas trazem o empreendedorismo como um caminho possível para viabilizar a transformação econômica e social.

A abertura para a Semana Global do Empreendedorismo está marcada para o dia 17, no auditório da Livraria Cultura, no Shopping Iguatemi, a partir das 19h. Renato Santos, do Sebrae-DF, e Giovanni Romano, da Kopenhagen, já confirmaram presença. Programação completa e inscrições disponíveis no: www.semanaglobal.org.

Novas atividades beneficiadas com a revisão da Lei Geral poderão fazer a opção em janeiro

A partir desta segunda-feira (3), as micro e pequenas empresas – aquelas que faturam até R$ 3,6 milhões por ano – já podem fazer o agendamento do Supersimples aqui pelo site da Receita Federal. As novas 140 atividades beneficiadas com a revisão da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa poderão solicitar a adesão ao sistema de tributação, que unifica oito impostos em um único boleto e reduz, em média, a carga tributária em 40%, apenas no mês de janeiro.

Entre os beneficiados pela universalização do Supersimples, e que poderão pedir a adesão ao sistema entre os dias 2 e 31 de janeiro, estão médicos, advogados, corretores, engenheiros, consultores e arquitetos. A expectativa é que mais de 450 mil empresas das novas atividades aceitas no Supersimples optem por esse sistema a partir do próximo ano.

As novas 140 atividades beneficiadas com a revisão da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa poderão solicitar a adesão ao sistema de tributação apenas no mês de janeiro.

O processo de agendamento tem como objetivo facilitar o ingresso no sistema de tributação diferenciado, pois permite a verificação prévia de pendências jurídicas e fiscais que podem interferir na concessão do imposto. Para fazer o agendamento, basta que o empresário acesse o link “Agendamento” da Opção “Pelo Simples Nacional” no site do Simples Nacional. Não existindo pendências, a solicitação da opção para 2015 estará confirmada e o registro será gerado no dia 1º de janeiro.

Os donos dos pequenos negócios que ainda não fazem parte deste sistema simplificado, e que por ventura perderem o prazo de agendamento, poderão pedir a adesão ao Supersimples a partir de janeiro, juntamente com as novas categorias. Os prazos de agendamento e de pedido de adesão não são válidos para empresas recém-criadas, que têm até 30 dias depois da liberação do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) para aderir ao programa. Quem quiser desistir do regime de tributação simplificado pode fazê-lo a qualquer momento, no entanto, se for para o mesmo ano é necessário que o desenquadramento seja solicitado em janeiro, caso contrário, a desvinculação só valerá para o ano seguinte.

O Simples Nacional abrange os seguintes tributos: IRPJ, CSLL, PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS, ISS e a Contribuição Patronal Previdenciária para a Seguridade Social (CPP). O recolhimento é feito por um documento único de arrecadação que deve ser pago até o dia 20 do mês seguinte àquele em que houver sido auferida a receita bruta.

 sebrae

Ambiente de coworking do Escritório Express Goiânia – Ter um escritório tornou-se objetivo caro nos dias de hoje. A busca por local para trabalhar envolve custos que empresas iniciantes ou profissionais autônomos não estão dispostos a pagar. Tendência em outros países do mundo e em outras capitais brasileiras, o escritório compartilhado chega a Goiânia com força total, aliando boa localização ao serviço qualificado de locação por preços camaradas.

Localizado na Av. 136, em Goiânia (GO), o Escritório Express é um escritório compartilhado com estrutura diferenciada, a começar pelo design – assinado pela designer de interiores Juliana Durando. No Escritório Express, são oferecidos ambientes de coworking, sala privativa e sala de reunião.

Por Coworking entende-se várias pessoas dividindo o mesmo espaço físico, em mesas individuais. Por trás da economia, há uma filosofia de cocriação, que ganha cada vez mais adeptos. Isso porque os coworkers, vindos de diferentes áreas, encontram-se no espaço compartilhado e têm a oportunidade de trocar ideias e experiências para tirar projetos e sonhos do papel.

“Uma colaboração que inspira e impulsiona o aumento da produtividade, ajudando a conquistar objetivos que possivelmente não seriam alcançadas no ambiente isolado do home office. Mais uma prova de que o tal networking faz toda a diferença nos dias de hoje”, explica Roberto Morgado Filho, sócio-proprietário.

Nas salas privativas, o Escritório Express oferece privacidade. São mobiliadas para até três pessoas, climatizadas e com armários individuais para quem precisa de estruturas mais reservadas. A opção atende, principalmente, aos autônomos, que enfrentam o barulho dos cafés para reuniões com clientes.

A sala de reunião é a opção de locação mais procurada no Escritório Express. Mobiliada para seis pessoas, com TV e ar-condicionado, ela aparece como excelente opção para profissionais na hora de apresentar projetos – é confortável, silenciosa e adequada ao formato empresarial.

Tanto no coworking, sala privativa ou sala de reunião do Escritório Express, para começar a trabalhar, basta um telefonema. Tudo bem simples e desburocratizado.

Roberto Morgado Filho enxerga esse tipo de negócio como um modelo para o futuro. “É uma ideia que está se expandindo e que casa com os objetivos das pessoas – ter o seu próprio negócio, mas sem custos excessivos”.

No Escritório Express, o serviço de locação inclui mais vantagens, como internet, café à vontade e secretária para anotar recados e receber clientes e correspondências – tudo que um escritório individual teria, mas com a conveniência de otimizar custos e utilizar somente na hora que precisar. O preço cobrado é fixo e por hora.

Os selecionados terão seus nomes divulgados no dia 10 de novembro e passarão por um programa intenso entre 27 e 30 de novembro, com módulos de capacitação, consultoria de especialistas e mentoria

Foram prorrogadas até 2 de novembro as inscrições para segunda edição da Maratona Sebrae de Negócios Sociais. Promovido pelo Sebrae no Rio de Janeiro, o concurso tem por objetivo selecionar ideias ou projetos voltados à geração de impacto e à transformação da realidade de populações menos favorecidas e capacitar os empreendedores para que tirem essas propostas do papel. Os interessados podem se inscrever pela internet.

Os selecionados, que terão seus nomes divulgados no dia 10 de novembro, passarão por um programa intenso entre 27 e 30 de novembro, com módulos de capacitação, consultoria de especialistas e mentoria. O programa culmina em uma apresentação (pitch) de seus modelos de negócio para uma banca composta por investidores, aceleradoras, incubadoras e provedores de serviços.

Pode se inscrever qualquer pessoa ou grupo que tenha um negócio social em operação no Rio de Janeiro ou uma ideia que se encaixe nesse conceito. A seleção dos candidatos e a avaliação dos aprovados ao longo do evento serão baseadas em quatro critérios: Perfil Empreendedor; Impacto Social; Viabilidade Comercial e Inovação. Os finalistas concorrerão a prêmios, como acesso a programas de incubação e aceleração, coaching, formações em negócios sociais e empreendedorismo e acesso a espaço de coworking.

Em 2013, a maratona teve 317 inscritos, 52 negócios selecionados e seis vencedores. Um deles, o “Dentista na Favela” está em operação na Vila Cruzeiro (Penha), zona norte do Rio de Janeiro. O projeto tem estuda possibilidades de expansão para outras comunidades e está negociando a internacionalização do produto. O empreendedor inovou ao desenvolver um atendimento com um kit odontológico que pode ser transportado por motoboy. É focado em atendimentos de urgência em áreas de difícil acesso.

Esse ano, a maratona também será realizada em Santa Catarina com negócios sociais desenvolvidos naquele estado. As inscrições estarão abertas pela internet até 12 de novembro e os nomes dos selecionados serão divulgados no dia 19 desse mesmo mês. Já o evento ocorrerá entre 5 e 7 de dezembro.

Negócios Sociais são empreendimentos onde o foco principal do seu negócio é a solução ou minimização de um problema social ou ambiental. Esse objetivo precisa fazer parte do plano de negócios e trazer lucro para a empresa. Esses empreendimentos também buscam incentivar o consumo responsável e sustentável, sem endividamentos excessivos.

Sebrae e IEL firmam nova parceria nesta terça-feira (28) para oferecer cursos em gestão empresarial em todo o País

O Sebrae e o Instituto Euvaldo Lodi (IEL) assinam nesta terça-feira (28), às 11h30, na sede do IEL, em Brasília, um convênio de cooperação técnica e financeira para a capacitação de pequenos negócios em todo o Brasil. Com validade de 36 meses, o convênio tem o objetivo de capacitar, por meio de cursos presenciais e à distância, 2.500 pequenos negócios em gestão empresarial.

“Esse convênio surge a partir dos bons resultados de parcerias anteriores entre as duas instituições e traz para o Sebrae uma expertise quanto à capacitação de média e de longa duração”, afirma Mirela Malvestiti, gerente da Unidade de Capacitação Empresarial (UCE) do Sebrae Nacional. “Acreditamos que essa parceria vai contribuir não só para a atração de novos clientes, mas também como um excelente acesso destas empresas às soluções do Sebrae, como o Programa Sebrae Mais, que possui um caráter prático, de rápida implementação e alto impacto”, acrescenta.

Com a assinatura do convênio, será formado um comitê nacional entre representantes das duas instituições para validar os conteúdos que estarão disponíveis em todos os Estados. A ideia é oferecer cursos entre 40h e 360h de duração a partir de quatro eixos temáticos: Mercado, Gestão de Pessoas, Gestão de Processos e Gestão de Projetos.

Programa Pequenas Empresas & Grandes Negócios deste domingo apresenta o caso da empresária que revolucionou o negócio com o serviço de manobrista

A empresária Rogéria de Alencar criou em Salvador, na Bahia, uma empresa que lucra com o serviço de manobristas. Ela percebeu que o Valet, como é conhecido o motorista que estaciona veículos em estabelecimentos comerciais, era uma tendência nas grandes cidades. Ela começou o empreendimento em 2005, só com locação de veículos, e depois apostou no serviço de manobristas. Desde 2009, a empresária tem apoio do Sebrae, por meio do Programa Sebrae Mais, voltado para empresas já consolidadas no mercado, com no mínimo dois anos de atividades e com mais de nove funcionários.

Após o programa do Sebrae, a empresária Rogéria de Alencar melhorou a rentabilidade do negócio e o faturamento dobrou: de R$ 200 mil por mês, passou para quase R$ 400 mil. Os preços foram reajustados e os funcionários treinados. Hoje, o trabalho com o Valet corresponde a 80% do faturamento da empresa. Pelo menos 20 clientes da região, como hotéis e casas de shows usam o serviço.

A empresária Cátia Oliveira, por exemplo, dona de um restaurante em Salvador, contratou o serviço de manobristas por R$ 12 mil por mês e não repassa o valor para o cliente. O restaurante é famoso por oferecer moquecas na panela de barro e recebe até 2.300 veículos por mês. Na Bahia, o Programa já atendeu mais de 5.500 empresas.

Estes casos serão apresentados no Programa Pequenas Empresas & Grandes Negócios deste domingo (26), às 7h30, na TV Globo, com reapresentações na Globo News, às 8h30, e no Canal Futura, segunda-feira (27), às 16h30, terça-feira (28), às 5h, e sábado (31), às 15h.

Startup Repplica gerência mais de sete mil anúncios de carros por mês na internet

Goiânia – Cerca de 90% dos compradores de carros consultam sites automotivos antes de realizar a compra do veículo. Segundo dados do Google Think Auto, durante o processo de compra, 61% do tempo de pesquisa é gasto na internet. Por isso que as concessionárias vêm investindo cada vez mais na publicação de anúncios em classificados online, como os sites Webmotors, Icarros, MeuCarroNovo e Mercado Livre.

No entanto, é um grande desafio para as concessionárias publicar e manter anúncios atualizados em tantas plataformas simultaneamente. Para ajudar nessa missão, o publicitário Rafael Nascente, de 24 anos, e o programador Ramon Carvalho, 22, tiveram a ideia de criar o integrador Repplica, para gerenciar e integrar os anúncios de automóveis em mais de 20 classificados do segmento, de maneira rápida e eficiente.

Em vez de a concessionária criar inúmeros anúncios para um mesmo veículo, o cliente cadastra o carro uma única vez e o Repplica faz todo o trabalho sozinho. “É uma solução inédita para o setor automobilístico, com o objetivo de expandir e consolidar a venda online de veículos”, diz Nascente. A startup, fundada por ele, Ramon Carvalho e outros cinco sócios em outubro de 2013, acaba de lançar a versão móvel do programa, disponível desde abril deste ano.

Até então, o sistema funcionava no portal da empresa. Agora, com o aplicativo em smartphones e tablets, a tarefa será ainda mais simples: o cliente fotografa o carro, faz upload da imagem, preenche as características do veículo e publica o anúncio de imediato. Em poucos minutos, a ferramenta faz a sincronização com todos os sites configurados e replica o conteúdo automaticamente. “Desenvolvemos o Repplica para atender uma demanda real desse mercado”, afirma Nascente. “Com o lançamento do aplicativo móvel, a nossa ferramenta será ainda mais eficiente.”

Segundo um dos sócio-fundadores, o engenheiro mecânico Igor Mascarenhas, 28, a plataforma garante controle de estoque preciso e simplificado, com cadastro único do anúncio para todos os sites. “O Repplica otimiza o tempo do cliente e eleva a produtividade da concessionária”, afirma. O gerenciador ainda fornece relatórios semanais de performance, para o controle dos resultados em cada site de classificados. “O nosso sistema é inteligente, o aplicativo compreende a linguagem específica de cada site e faz a publicação sem erros”, explica Mascarenhas. “Existem cerca de 80 mil versões distintas de automóveis. Essas versões identificam as especificações técnicas completas para cada carro, mas não são padronizadas entre os portais. A plataforma faz essa correlação automaticamente”.

O sistema é comercializado na forma de uma assinatura mensal, a partir de R$ 149. Funciona em tempo integral e pode ser acessado por mais de um funcionário da concessionária simultaneamente. Mascarenhas conta que, atualmente, a empresa possui cerca de 150 clientes e gerencia mais de 18 mil anúncios de veículos por mês. Somente no Brasil, existem cerca de 16 mil concessionárias e revendas de veículos.

Por ser uma ferramenta inédita e útil, os empresários projetam crescimento expressivo. “Até o final deste ano, esperamos chegar a 300 clientes”, afirma Mascarenhas. E, segundo ele, há a possibilidade de adaptar a tecnologia para outros setores. “Já fomos procurados por uma grande loja online de vestuário, para gerenciar anúncios de roupas em sites como o Mercado Livre e OLX.”

Sediada em Goiânia (MG), a Repplica também está presente em Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande, Salvador e São Paulo. Em 2015, a startup deverá expandir as suas operações para o Sudeste e Sul, com representantes comerciais em São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre e Santa Catarina. A Repplica foi acelerada pelo Seed, um projeto do Governo Estadual de Minas Gerais para incentivar o desenvolvimento de startups, e recebeu recursos de R$ 80 mil. Além disso, a Repplica foi uma das quarenta empresas que expôs o projeto no Demo Day, um evento para investidores, que ocorreu em Belo Horizonte no dia 29 de maio.

Características do produto, setor e segmento de atuação influenciam na avaliação estratégica. Nem sempre o maior mercado é o melhor caminho

A avaliação de mercados potenciais e seleção do mercado-alvo é um dos aspectos mais importantes no comércio exterior das empresas e uma das mais frequentes dúvidas em consultorias de comércio internacional. Para avaliar corretamente os mercados externos, o empresário deve desenvolver e seguir uma sistemática considerando as características e peculiaridades de seu produto, seu setor e seu segmento de atuação.

Para micro e pequenas empresas é importante salientar que o maior mercado ou o com mais potencial nem sempre é o melhor mercado a ser conquistado. Isso porque elas possuem capacidade produtiva limitada e correm o risco de não poder atender a um médio ou grande cliente em mercados de grande potencial. Pode ser mais vantajoso explorar mercados menores ou nichos específicos de grandes mercados.

Um caminho natural é o comércio exterior através de países limítrofes, razão pela qual muitas empresas do sul do Brasil iniciam seu processo de comércio exterior pelos países do Mercosul. Facilidade e proximidade logística são outros fatores que influenciam na escolha do mercado e levam empresas do nordeste do Brasil, localizadas principalmente no Ceará, a iniciar negócios com Portugal. A cultura similar ou o mesmo idioma são razões que levam empresas chilenas a expandirem seus negócios para Peru e Argentina e empresas brasileiras a buscarem mercados em Portugal, Angola e Moçambique, por exemplo.Independente desses fatores facilitadores, analisar e selecionar mercados exige pesquisa, palavra que muitas vezes assusta exportadores iniciantes, seja pela sua complexidade, seja pelo seu custo. Entretanto, mesmo tendo que administrar um orçamento pequeno para pesquisa, há formas acessíveis de estudar potenciais mercados, a começar pela utilização de dados secundários, fartamente disponibilizados na Internet por órgãos nacionais e internacionais de apoio ao Comércio Internacional.

Os órgãos e entidades nacionais de apoio ao Comércio Internacional disponibilizam informações em português. Para acessar a informações específicas sobre seus produtos, será necessário conhecer a classificação fiscal desses artigos, ou seja, qual o código dele na Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM).

Para uma pesquisa mais avançada, os órgãos e entidades internacionais de apoio ao intercâmbio internacional de bens e serviços geralmente disponibilizam informações em inglês, francês e espanhol. Também utilizam como classificação fiscal o Harmonized System (HS) ou Sistema Harmonizado (SH), em português. A classificação SH de seu produto geralmente corresponde aos seis primeiros dígitos da NCM dele.

Juliana Noronha (Unifei), Marcos Hashimoto (Faccamp) e Vanessa Russano (Unicamp) concorrem em relação ao projeto educacional mais inovador sobre empreendedorismo nas instituições de ensino superior

Três professores de Itajubá (MG), Itu (SP) e Campinas (SP) são os finalistas do Prêmio Educação Empreendedora 2014, que será entregue, nesta terça-feira (14), ao projeto educacional mais inovador sobre empreendedorismo nas instituições de ensino superior. Os finalistas são os professores Juliana Noronha, da Universidade Federal de Itajubá (Unifei), Marcos Hashimoto, da Faculdade Campo Limpo Paulista (Faccamp), e Vanessa Russano, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Uma iniciativa do Sebrae e da Endeavor, o prêmio será anunciado durante a Rodada de Educação Empreendedora Brasil 2014, em Angra dos Reis (RJ). Os três projetos finalistas se destacaram entre mais de 50 inscritos. “O objetivo do prêmio é valorizar projetos educacionais sobre empreendedorismo que possam ser implementados em outras instituições de ensino superior”, afirma o presidente do Sebrae Nacional, Luiz Barretto.

O projeto de Juliana Noronha, Smart Hacklab, é uma competição de empreendedorismo que promove a modelagem de negócios e a promoção de tecnologia de conectividade, colocando em funcionamento ideias de negócios e aplicações de Internet. Marcos Hashimoto desenvolveu o Programa de Mentoria, que coloca alunos de graduação em contato com a realidade do dia a dia do empreendedor.

Vanessa Russano concorre com o projeto Desafio Unicamp de Inovação Tecnológica, uma competição de modelos de negócios de base tecnológica/patente/programa de computador, onde os alunos montam um modelo de negócios para cada tema.

Os trabalhos inscritos foram avaliados pelas categorias ‘inovação’, ‘impacto’, ‘replicabilidade’ e ‘escabilidade’. O vencedor ganhará uma participação no Simpósio de Educação Empreendedora da Babson College, nos Estados Unidos, uma das mais conceituadas escolas com foco em empreendedorismo do mundo. (Por Débora Cronemberger)

De 6 a 10 de outubro, Belo Horizonte e 14 cidades do interior do estado terão uma programação especial voltada para melhoria da gestão dos pequenos negócios

Por Simone Guedes – Minas Gerais tem a maior taxa de sobrevivência de micro e pequenas empresas (MPEs) do país (81,5%), e consequentemente, a menor taxa de mortalidade (18,5%).  São mais de 712 mil MPEs que correspondem a 99% dos empreendimentos no estado e a 37% do Produto Interno Bruno (PIB) de Minas Gerais. Em homenagem ao Dia da Micro e Pequena Empresa, comemorado em 5 de outubro, o Sebrae Minas promove uma semana especial com capacitações gratuitas para a melhoria da gestão dos  pequenos negócios.

De 6 a 10 de outubro, serão oferecidas palestras sobre recursos humanos, gestão, legislação, e-commerce, franchising e compras públicas.  A programação também inclui oficinas gerenciais sobre pesquisa de mercado, controles financeiros, preços de vendas e plano de negócios.  Os empreendedores poderão participar de atendimentos individuais e consultorias sobre marketing e finanças.

As atividades serão realizadas em Belo Horizonte, Sete Lagoas, Montes Claros, Muriaé, Barbacena, Juiz de Fora, Poços de Caldas, São Roque de Minas, Itanhandú, São Sebastião do Paraíso, Pouso Alegre, Mantena, Caratinga, Ipatinga, João Monlevade, Araxá e Uberlândia. A programação completa de cada cidade está disponível no site do Sebrae Minas. As inscrições poderão ser feitas nos locais dos eventos.

Na capital mineira, a abertura da Semana da MPE será com o sociólogo italiano Domenico de Masi, que fará a palestra “Cenários: o futuro chegou”. O evento é gratuito e será realizado no dia 1º de outubro, às 20h, no Teatro Sesiminas (Rua Padre Marinho, 60 – Santa Efigênia ). Inscrições: www.sebrae.com.br/minasgerais .

Semana da MPE

De 6 a 10 de outubro

Programação completa no site www.sebrae.com.br/minasgerais

Palestra Cenários: o futuro chegou – Domenico de Masi

1º de outubro, às 20h

Teatro Sesiminas – Rua Padre Marinho, 60 – Santa Efigênia

Entrada gratuita

Inscrições: www.sebrae.com.br/minasgerais

Serão 54 horas para compartilhar ideias, conhecer pessoas, formar equipes e lanças novas startups, além de promover aprendizado, conhecimento e desafios

Por: Warlem Sabino – De 10 a 12 de outubro, Goiânia (GO) recebe a terceira edição do Startup Weekend, maior evento de empreendedorismo digital do mundo. As inscrições para o evento que será realizado na sede do Sebrae Goiás, no Setor Bueno, estão abertas (www.up.co/communities/brazil/goiania/startup-weekend/3616). Serão 54 horas para compartilhar ideias, conhecer pessoas, formar equipes e lanças novas startups, além de promover aprendizado, conhecimento e desafios.

Os participantes serão divididos em equipes compostas por empreendedores, designers e programadores, que criam protótipos de empresas digitais (startups) sob a mentoria de grandes nomes do cenário digital nacional e internacional. Ao final do evento, as empresas digitais são avaliadas por jurados e investidores que elegem, segundo critérios, a empresa com mais perspectiva de crescimento. Algumas podem receber investimento imediato.

Segundo Francisco Lima Junior, gestor do projeto de Startup do Sebrae Goiás) a transferência de conhecimento é o que buscam as pessoas que irão participar do evento. “Os mentores são pessoas que conhecem muito o mercado e irão orientar os participantes em como fazer o negócio funcionar.”

A terceira edição do Startup Weekend Goiânia tem apoio local do Sebrae Goiás e Associação dos Jovens Empresários (AJE).

Serviço:

3º Startup Weekend Goiânia

Data: 10 a 12 de outubro

Local: Sede do Sebrae Goiás – Avenida T-3, nº 1.000, Setor Bueno

Inscrições: www.up.co/communities/brazil/goiania/startup-weekend/3616

Plataforma goiana que auxilia colégios e vestibulandos de todo o país foi apresentada no Salão Nacional da Inovação

Por Angélica Queiroz – Uma plataforma online, no qual o público são alunos que estão se preparando para entrar nas melhores universidades do país e podem fazer simulados de acordo com a sua área de interesse, saber seus pontos fracos e fortes e ainda terem a chance de ganhar bolsa de estudos em uma escola particular, caso sejam bem classificados. É essa a ideia geral do Software Zeus, criado por três empreendedores da Web Scientia e classificado para o Salão Nacional da Inovação – Rio Info 2014, realizado em setembro.

Os empreendedores são os criadores de três sites específicos para quem está tentando uma vaga em uma universidade: Rumo ao ITA, Futuro Militar e Projeto Medicina. A ideia era atender os alunos que não têm condições de pagar um cursinho preparatório, mas os projetos cresceram e, hoje, atendem também a outros alunos. Os sites contêm material didático, dicas de estudo, artigos relacionados às áreas específicas de interesse, depoimentos de quem foi aprovado, entre outros tópicos.

A plataforma Zeus é nova, foi criada em julho, mas já é sucesso de acessos e conta com o apoio de vários colégios, que elaboram as provas e premiam os melhores alunos. O público-alvo são os próprios alunos que já acessam os outros sites da empresa – cerca de 250 mil por mês. “É um produto pro-público que a gente já tem”, explica Julio Alfredo Moreira Sousa Junior, de 26 anos, um dos sócios da Web Scientia e também um dos criadores da plataforma. Os demais sócios são Rafael Prudente Mamare, 26, e José Adenaldo, 25.

Segundo Julio, a ideia surgiu de pesquisas que eles fizeram com os próprios usuários dos sites da Web Scientia. “Percebemos que o aluno não sabe o que estudar. A plataforma Zeus surgiu para ajudar nesse aspecto. No caminho, vimos também que tínhamos como cliente também, o colégio, que tem interesse em encontrar bons alunos”, detalha.

O projeto faz parte do Programa de Incubação de Empresas (Proine) da Universidade Federal de Goias (UFG), que tem parceria com o Sebrae Goiás. Julio destaca o apoio do Sebrae para a viabilização do projeto. Ele e os sócios fizeram o Empretec – seminário que desenvolve as habilidades empreendedoras. “Na época, estávamos criando a nossa empresa e, por sermos três inovadores da área de computação, não entendíamos muito de gestão. Por isso, o curso foi de extrema importância para nós”, conta Julio.

Salão - O empreendedor acredita que o projeto tenha sido selecionado para a apresentação no Salão Nacional de Inovação pelo grande número de acessos ao site e também pela tecnologia de ponta utilizada. “É um sistema que, no futuro, poderá até gerar um horário de estudos automaticamente para o aluno que acessa. Como se ele tivesse um professor particular ao lado.”

Por enquanto, a plataforma ainda não está disponível o tempo todo, só durante o período dos simulados agendados. Mas o projeto para 2015 é deixar simulados sempre disponíveis e poder disponibilizar uma ferramenta para comparar o desempenho de quem faz os testes com todos os alunos do Brasil que realizarem o mesmo simulado e que estiverem interessados na mesma área que ele. “Queremos que o Zeus tenha um gráfico de desempenho de cada aluno, separado por área e por assunto.”

Serviço:

www.sistemazeus.com.br

Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800

Instituição tem espaço reservado para artesanato como objeto de design

O Sebrae no DF participará da Casa Cor Brasília 2014 com ações antes do evento e durante a realização dele, que se dará no período de 1° de outubro a 18 de novembro. Como acontece há anos, a instituição terá um espaço reservado na Casa Cor Brasília para apresentar a produção local. Nele, estarão, para exposição e venda, produtos de vários segmentos e tipologias – como utensílios em madeira, esculturas em alumínio, artesanato cultural, joias, vestuário, movelaria, brindes, vidros, pinturas em seda, cerâmicas, bordados (em peças de cama, mesa, banho e decoração), crochês, artigos de palha de buriti, luminárias feitas com reaproveitamento de jornal, papel artesanal e acessórios fabricados com garrafas pet, entre outros.

Esses produtos nascem de um estudo iconográfico que o Sebrae vem desenvolvendo em todo o Brasil, para que os artesãos possam lançar mão de ícones em produtos com identidade local. Nessa caminhada, no Distrito Federal, mais de 140 artesãos desenvolveram diagnósticos de sua produção, propuseram a utilização da iconografia e têm sido orientados no desenvolvimento de produtos com aplicabilidade mercadológica. Para a Casa Cor, os artesãos convidados para o espaço do Sebrae no DF apresentarão peças focadas no conceito e no público do evento, mostrando o artesanato como objeto de design.

“A proposta para este ano é a ocupação de um espaço de 186 metros quadrados, ao lado do espaço de café, batizado de Armazém do Artesanato. No ambiente, serão apresentadas peças de forma diferenciada, inovadora, com agregação de valor e identidade cultural. Os produtos selecionados apresentam características de ousadia, inovação, originalidade e dialogam com a emoção do público, em um autêntico mosaico cultural, diversificado e original”, diz Maria Auxiliadora França, gerente da Unidade de Atendimento Coletivo de Comércio do Sebrae no DF. “O objetivo é mostrar um artesanato diferenciado, inovador, com agregação de valor e identidade cultural, com design e foco na comercialização, além da gestão empresarial”, completa Maria Auxiliadora.

Durante o evento, também no espaço montado pelo Sebrae no DF, haverá o Fazer Artesanal, momento de criação dos mestres artesãos, que farão apresentação de suas técnicas ao vivo para o público. Serão 15 artesãos se revezando durante o evento. Eles produzirão luminárias em PVC e em papel jornal, crochê, cerâmica, flores do cerrado, escultura em metal, panos de prato, bordados e pintura em seda. Os participantes são artesãos apoiados pelo projeto Expoart DF do Sebrae.

Sustentabilidade

Como preparação para a Casa Cor, será oferecida, no dia 23 de outubro, às 18h30, a “Clínica de boas práticas no uso da energia elétrica”, que tem como público-alvo arquitetos e empresários do setor de arquitetura. Segundo a gestora de Sustentabilidade do Sebrae no DF, Ana Maria Costa Araújo, o objetivo do trabalho é sensibilizar esses profissionais para a atenção que podem dar, nos ambientes da exposição, às boas práticas no consumo consciente da energia elétrica.

Esse trabalho vem sendo desenvolvido desde o ano passado, quando, durante a Feira do Empreendedor, foi oferecida aos arquitetos do DF uma clínica de eficiência energética, em que um especialista mostrou, por meio de cálculos e experimentos, o quanto os novos materiais destinados à economia de energia garantem, também, economia financeira ao longo do tempo – mesmo que, inicialmente, pareçam mais caros que os equipamentos tradicionais.

“Desta vez, vamos mostrar que é possível criar ambientes esteticamente bonitos tendo em vista a eficiência energética. Isso sem dizer que, hoje, existe um grande valor agregado ao trabalho que promove a sustentabilidade. Por tudo isso, acreditamos que os ambientes que forem projetados para a Casa Cor levando em conta o uso consciente da energia elétrica serão bem recebidos e valorizados pelo público”, explica a gestora.

Por meio do Programa Aventura Segura, empresário de Mato Grosso faz mudanças em seu negócio para atender melhor os clientes

Em Mato Grosso, uma empresa organiza passeios de caiaque e rafting, na região da Chapada dos Guimarães. O negócio participa, desde 2011, do Programa Aventura Segura, um projeto do Sebrae que promove segurança ao turismo de aventura e melhora o atendimento aos visitantes. O empresário Lino Bezerra e a mulher são os donos da agência de turismo que organiza os passeios.

A empresa fica na altura do km 31, da Rodovia Emanuel Pinheiro, que liga Cuiabá à Chapada dos Guimarães. O investimento para começar o negócio foi de R$ 20 mil na compra de equipamentos, como botes, remos, coletes e capacetes. O faturamento atual é de 18 mil reais por mês.

O projeto do Sebrae capacita empresas do ramo para que elas atendam às normas de segurança e controlem os riscos da atividade. A empresa de Lino Bezerra obteve o certificado de segurança da ABNT e do INMETRO. Além disso,  os instrutores fizeram cursos de resgate e primeiros socorros. O Sebrae também ajudou a empresa a implantar um sistema que identifica vulnerabilidades e estabelece condutas em caso de acidentes.

A iniciação à canoagem, por exemplo, é feita em botes maiores. Os caiaques percorrem seis quilômetros e o passeio dura cerca de duas horas. O investimento é de R$ 80 por pessoa e o pacote inclui água, lanche e fotografias.

O caso será apresentado no Programa Pequenas Empresas & Grandes Negócios da TV Globo, deste domingo (28), às 7h30, com reapresentações na Globo News, às 8h30, e no Canal Futura de segunda-feira (29), às 16h30, terça-feira (30), às 5h, e sábado (4), às 15h.

CONTATOS:

SEBRAE

Central de Relacionamento: 0800-570-0800

www.sebrae.com.br

TRIBO DO REMO

Contato: Empresários Expedito Lino Bezerra e Flávia Lopes Bertier

Rodovia Emanuel Pinheiro, Km 31,8 – Zona Rural

Cuiabá/MT – CEP: 78195-000

Telefone: (65) 9988-4010 / (65) 9255-8810/ (65) 81324171

trem do pantanal sebrae

Parceria entre Sebrae e ABOTCC vai beneficiar 20 linhas de trens e fortalecer cerca de 600 pequenos negócios do entorno das operações

O Sebrae, em parceria com a Associação Brasileira das Operadoras de Trens Turísticos e Culturais (ABOTTC), lança nesta sexta-feira (26), um projeto para aumentar o fluxo de turistas e usuários em 20 linhas de trens turísticos e culturais em diferentes partes do país e fortalecer os pequenos negócios nessas regiões.

A meta é atender em dois anos, por meio da melhoria da operação desses trens, cerca de 600 empreendimentos entre lojas, pousadas e hotéis, restaurantes, artesanato local, serviços de táxis e guias de turismo situados nas imediações das linhas, além dos próprios funcionários das concessionárias dos trens.

A expectativa é que os empreendimentos obtenham pelo menos 80% de satisfação dos clientes atendidos e ampliem em 10% o faturamento ao adotar as boas práticas de gestão sugeridas pelas consultorias e oficinas previstas no projeto. “Quando o empresário otimiza recursos e revê seus processos, ele conquista novos clientes e, consequentemente, aumenta o faturamento”, afirma o presidente do Sebrae, Luiz Barretto.

O Sebrae vai investir R$ 4,5 milhões para melhorar o atendimento dos clientes nos trens, fortalecer as lideranças do setor e a cooperação com os pequenos negócios vizinhos. O projeto Trem é Turismo será lançado durante a 42ª ABAV – Expo Internacional de Turismo, que acontece em São Paulo. O projeto prevê que os empreendimentos tenham maior acesso ao mercado e a ações de inovação e sustentabilidade que aumentem o fluxo de turistas e usuários dos trens turísticos e culturais, o que vai fortalecer os pequenos negócios no entorno.

Até o final do ano, a parceria vai realizar um estudo de mercado para identificar as percepções, expectativas e desejos dos clientes em relação a um passeio em um trem turístico e cultural. O estudo irá orientar as estratégias de marketing das operadoras de trens turísticos e culturais que participam do projeto. Além disso, esses empresários receberão consultoria, participarão de encontros, feiras do setor e visitas técnicas que servirão como troca de experiências, que vão permitir que os empreendimentos tenham uma melhor gestão e se tornem mais competitivos.

“Além da troca de experiências, as empresas vão aprender umas com as outras sobre as melhores práticas adotadas por cada um dos trens turísticos e culturais. Esse processo de aprendizagem permite acelerar a implementação de inovações que resultem em melhor atendimento e mais segurança para os turistas e visitantes”, afirma Luiz Barretto.

Entre os trens e localidades que serão trabalhados neste projeto estão o Trem do Corcovado, no Rio de Janeiro; o Trem do Forró, em Pernambuco; o Trem das Montanhas Capixabas, no Espírito Santo; o Trem das Águas, em Minas Gerais; o Trem da Serra da Mantiqueira, também em Minas; o Trem do Pantanal, no Mato Grosso do Sul; o Trem da Moita Bonita, em São Paulo, e o Trem do Vinho, no Rio Grande do Sul. As linhas selecionadas estão em efetiva operação ou iniciando seu funcionamento.

Os trens turísticos e culturais estão sendo beneficiados pelo crescimento do turismo interno, ditado pelo crescimento das classes C e D que passam a gastar parte de sua renda em viagens, lazer e entretenimento. Esse crescimento é comprovado com o aumento do número de desembarques doméstico nos aeroportos do todo o Brasil, que cresceu 107% em oito anos. “O turismo brasileiro, em todos os segmentos, está vivendo uma década de expressivo crescimento e deverá dobrar de tamanho, tanto em número de turistas estrangeiros quanto no turismo interno, realizado pelos próprios brasileiros. O turismo ferroviário, especialmente, está em pleno crescimento, porém é ainda pouco conhecido por parte dos brasileiros. Este projeto vai aumentar sua visibilidade e dar suporte e capacitação aos micro e pequenos empresários do entorno das estações, que estarão melhores qualificados para atender aos visitantes”, afirma Adonai Arruda, presidente da ABOTTC. (Por Gizella Rodrigues)

Trens que já aderiram ao Projeto

1.    Trem do Corcovado – RJ

2.    Trem das Montanhas Capixabas – ES

3.    Trem da Serra da Mantiqueira – MG

4.    Trem das Águas – MG

5.    Trem das Cachoeiras – MG

6.    Trem do Pantanal – MS

7. Trem do Forró – PE

8. Trem da Serra do Mar Paranaense – PR

9. Trem Porto União a União da Vitória – PR/SC

10. Trem do Vinho – RS

11. Trem do Vale do Taquari – RS

12. Trem dos Pampas – RS

13. Trem das Termas – SC

14. Trem da Serra do Mar – SC

15. Trem das Bromélias – SC

16. Trem da Moita Bonita – SP

17. Expresso Turístico CPTM – Luz a Jundiaí

18. Expresso Turístico CPTM – Luz a Mogi das Cruzes

19. Expresso Turístico CPTM – Luz a Paranapiacaba

20. Trem da Estrada Real – RJ

Sebrae Nacional e Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome fazem balanço de parceria e discutem desafios da inclusão produtiva

Há cerca de três anos, a baiana Jurema Ávila decidiu trocar a rotina de viagens que precisava cumprir como vendedora de eletrodomésticos pela máquina de costura. Mesmo já sendo beneficiária do bolsa-família há pouco meses, formalizou-se como Microempreendedora Individual (MEI) e, agora, está feliz com a escolha. “Consegui ficar mais perto do meu filho sem deixar de trabalhar”, ela diz.

Jurema é apenas um dos mais de 400 mil brasileiros que não se acomodou diante do benefício do governo. Essa e outras histórias de gente que está investindo no próprio negócio para melhorar a qualidade de vida poderão ser conferidas no evento Empreendedorismo e a Superação da Pobreza, que será realizado na sede do Sebrae Nacional, em Brasília, nesta quarta-feira (24), a partir das 14 horas.

No encontro, a instituição e o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) farão um balanço da parceria que já dura três anos e que tem contribuído para a redução da pobreza no país, por meio do incentivo ao empreendedorismo. O evento terá início com uma apresentação do trabalho realizado junto a jovens do Bairro Santa Maria, em Aracaju, que participaram da amostra de microfilmagens e que estão sendo estimulados a apostar no empreendedorismo como instrumento de superação do contexto de pobreza nos quais estão inseridos.

Em seguida, o presidente do Sebrae, Luiz Barretto e a ministra do MDS, Tereza Campello, falarão no primeiro painel sobre os avanços alcançados com a parceria e os desafios que precisam ser ultrapassados.

A transformação de comunidades de baixa renda a partir do empreendedorismo é o tema do segundo painel, que contará com a presença de Preto Zezé, presidente nacional da Central Única das Favelas (CUFA), e de Carla Panisset (Sebrae/RJ), coordenadora do Programa de Desenvolvimento do Empreendedorismo em Comunidades Pacificadas.

Também estarão no evento o representante residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) no Brasil, Jorge Chediek, além de outras autoridades e Agentes de Desenvolvimento, responsáveis por fomentar o empreendedorismo nos municípios.

DeBIKE Courier

DeBIKE Courier

Faturamento chega a R$ 8 mil por mês. Caso será apresentado no Programa Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Uma empresa goiana investe em um moderno nicho de mercado: a entrega de documentos, caixas e pacotes feita por bicicleta – um meio de transporte rápido, eficiente e ecológico. O jovem empresário Ruy Carvalho é o dono do negócio, há dois anos, e investiu R$ 30 mil reais nestes meios de transporte, computadores e publicidade para começar o negócio.

As entregas são comandadas de um pequeno escritório, no setor sul da cidade. Um funcionário anota os pedidos pelo telefone e repassa para um dos quatro entregadores, que chegam a percorrer 50 km por dia.

Ruy Carvalho teve ajuda do Sebrae para formalizar a empresa e gerenciar melhor o negócio. Ele também recebeu consultorias, fez cursos de gestão financeira e elaborou um plano de negócios. O Sebrae também apoiou Ruy na divulgação do negócio.

Hoje, a empresa tem 15 clientes fixos e faz cerca de duas mil entregas por mês em cartórios, que inclui entregas de revistas, documentos e pagamentos em bancos. Os clientes pagam de R$ 5 a R$ 28 reais de acordo com a distância que o ciclista percorre e o tempo necessário pra fazer a entrega.

O serviço também é procurado por empresas preocupadas com sustentabilidade. O faturamento chega a mais de R$ 8 mil reais por mês. Além das entregas de bicicletas, em Goiânia, a empresa tem, também, loja em Palmas, em Tocantins, e outra em Marabá, no Pará. Até 2017 o empresário pretende abrir 40 lojas, em todo o Brasil.

O caso será apresentado no Programa Pequenas Empresas & Grandes Negócios na TV Globo no Canal Futura na segunda-feira (22), às 16h30, terça (23), às 5h, e no sábado (27), às 15h.

CONTATOS:

SEBRAE

Central de Relacionamento: 0800-570-0800

www.sebrae.com.br

DE BIKE COURIER

Contato: Empresário Ruy Carvalho

Rua 115E, 63, Casa 2 – Setor Sul

Goiânia/GO – CEP: 74085-290

Telefone: (62) 3921-1569

www.debikecourier.com

CITY INCORPORADORA

Contato: Empresário Antônio Sérgio (cliente)

Alameda Ricardo Parainhos, 799 – Sala 207/208 – Setor Marista

Goiânia/GO – CEP: 74175-020

Telefone: (62) 3281-1320