Arquivo

Posts com Tag ‘Reguffe’

Reguffe critica fim de meta de superávit fiscal

22 de novembro, 2014

 

Reguffe disse que tem um lado, que não é do partido e nem do governo, é do povo

Reguffe disse que tem um lado, que não é do partido e nem do governo, é do povo

Num discurso duro no plenário da Câmara dos Deputados, o deputado federal José Antonio Reguffe (PDT) criticou fortemente a decisão do governo de acabar com a meta de superávit fiscal. Contrariando a orientação do seu partido, o PDT, Reguffe anunciou seu voto contrário ao projeto do governo.

Deputado federal pelo Distrito Federal e que vai assumir em 2015 uma cadeira no Senado, Reguffe disse que a medida era similar a uma pessoa em sua casa chegar no fim do mês gastando mais que recebe e não ver aquilo como problema.

“Um governo não pode gastar mais do que arrecada. A Lei de Responsabilidade Fiscal é uma conquista do contribuinte desse país e ninguém deveria irresponsavelmente brincar com isso”, afirmou Reguffe.

O deputado aproveitou e anunciou também sua assinatura à prorrogação da CPI da Petrobras e elogiou a Polícia Federal por estar agindo, nesse caso, como órgão de Estado e não de governo. No primeiro semestre, Reguffe, também contrariando a orientação do PDT, foi um dos primeiros parlamentares a assinar o pedido de instalação de uma CPI para investigar a Petrobras.

“Eu tenho lado, meu lado não é partido, não é governo, meu lado é o lado da população e do contribuinte. Eu sei quem eu represento com meu voto aqui”, declarou Reguffe.

Política

Programa de governo é o patrimônio do PSB

14 de outubro, 2014

Rollemberg reguffe

A Executiva do PSDB decidiu, por unanimidade, apoiar a candidatura de Rodrigo Rollemberg ao governo do Distrito Federal. O anúncio foi feito na manhã de hoje na sede do partido. Rollemberg destacou que “é preciso inaugurar um novo tempo nas relações políticas, acabando com o loteamento do governo em troca de apoios”. O PSDB se juntou ao PPS e ao PRP, que também já tinham decidido caminhar com o candidato, apoiando suas propostas para Brasília. “Nosso maior patrimônio é o programa de governo, que pretende garantir maior qualidade de vida para a população. Por isso, não precisamos negociar cargos com os aliados”, afirmou Rollemberg.

O candidato ressaltou que o processo de construção do programa teve ampla participação popular. “Nós passamos mais de um ano e meio nos preparando para governar Brasília. Criamos 12 núcleos temáticos em fevereiro do ano passado. Depois ouvimos mais de 2 mil pessoas para elaborar esse programa de governo. Fomos a Pernambuco conhecer o modelo de gestão de Eduardo Campos, até então avaliado o melhor governador do Brasil. Entrevistamos mais de 50 especialistas de cada área e ainda contamos com consultores vinculados ao Movimento Brasil Competitivo”, explicou Rollemberg.

Como faz uma campanha baseada no programa de governo, Rodrigo Rollemberg tem aproveitado os debates na televisão para apresentar propostas, sem ataques ao adversário. Foi isso que ele fez novamente na noite passada no debate promovido pelo SBT/Folha/UOL.

Uma das propostas apresentadas no debate foi a eleição direta para administradores regionais. Para fortalecer as administrações, Rollemberg disse que também vai substituir os comissionados por servidores de carreira. O objetivo é profissionalizar as administrações com equipes qualificadas, que tenham autonomia para realizar pequenas obras e diminuam a burocracia na liberação de alvarás e licenças, a partir de critérios técnicos e eliminando a corrupção.

Política ,

Reguffe, Cristovam e Taques fecham apoio a Aécio

9 de outubro, 2014

Reguffe cristovam taques

Apesar da orientação do diretório nacional do PDT em favor do apoio ao PT e à candidatura da presidente Dilma Rousseff à reeleição, os três pedetistas de peso seguiram outra direção e declararam apoio ao PSDB na disputa presidencial; juntos Reguffe, eleito senador no Distrito Federal, e Taques, eleito governador do Mato Grosso no primeiro turno, somaram mais de 1,6 milhão de votos nestas eleições

(Brasília 247) – Apesar da orientação do diretório nacional do PDT em favor do apoio ao PT e à candidatura da presidente Dilma Rousseff à reeleição, pedetistas de peso seguiram outra direção e declararam apoio a Aécio Neves (PSDB) na disputa presidencial.

Este é o caso do deputado federal Reguffe, eleito senador no último domingo com 57,6% dos votos válidos, o equivalente a 826,5 mil eleitores. O senador e ex-ministro da Educação do governo Lula, Cristovam Buarque, e o senador Pedro Taques, eleito governador do Mato Grosso no primeiro turno com 57,25% dos votos válidos, equivalente a 833,7 mil eleitores, também fecharam apoio à candidatura de Aécio. Juntos, Reguffe e Taques tiveram mais de 1,6 milhão de votos.

Reguffe disse que seria muito mais cômodo adotar postura de neutralidade, mas optou por tomar uma posição. “Se eu pensasse apenas em mim, ficaria neutro, mas o país precisa de mudanças. Não dá para ficar em cima do muro. É preciso ter posição e assumi-la, qualquer que seja”, disse.

Política , , ,

Reguffe segue Marina e sinaliza apoio a Aécio

7 de outubro, 2014

reguffe marina

Depois da vitória nas urnas, ele analisa o cenário, conversa com aliados e deve anunciar apoio a Aécio Neves no segundo turno da campanha presidencial

Por Almiro Marcos, Kelly Almeida e Matheus Teixeira – Candidato mais votado no primeiro turno do Distrito Federal, o senador eleito José Antônio Reguffe (PDT) defende mudanças nos planos local e federal. Em entrevista ao Correio, apesar de não declarar apoio a nenhum dos presidenciáveis, ele deu a entender várias vezes que tem preferência por Aécio Neves (PSDB), seguindo a tendência de Marina Silva. Antes de anunciar apoio na disputa presidencial, o parlamentar vai se reunir com o próximo governador de Mato Grosso, Pedro Taques, e com o senador Cristovam Buarque para uma decisão conjunta até o fim da semana.

Com discurso da ética e do corte de gastos públicos na atividade parlamentar, Reguffe conquistou o maior número de votos no primeiro turno desta eleição no Distrito Federal. Em sua primeira entrevista após a vitória, ele agradeceu a cada um dos 826.576 eleitores e prometeu orgulhá-los ao longo dos próximos oito anos. Principal alvo dos adversários na campanha, o parlamentar disse que ainda se sente machucado, mas que “busca a ajuda de Deus” para perdoar os rivais. “Não vou me esquecer disso amanhã ou depois. Mas espero, do fundo do coração, que eles sejam felizes.”

Recordista de votos para o Congresso Nacional na última eleição, ele voltou a afirmar que pretende reduzir o número de assessores e abrirá mão de passagens e da verba indenizatória a que terá à disposição no Senado. “Um senador tem direito a plano de saúde vitalício para ele e para toda a família. Não usarei esse benefício ou nenhum outro, como o carro oficial e a cota de passagens aéreas”, afirmou.

No segundo turno presidencial, o senhor votará em Dilma Rousseff (PT) ou em Aécio Neves (PSDB)?

Hoje (ontem), é um dia de comemoração, de festa. O que posso dizer, por enquanto, é que, como cidadão, quero que as coisas mudem nesta cidade e neste país. Vou conversar com o governador eleito de Mato Grosso, Pedro Taques, e com o senador Cristovam Buarque, pois sempre tivemos uma postura independente dentro do partido, e a tendência é tomarmos uma decisão conjunta. Só o que posso expressar é o meu desejo que as coisas mudem.

Como se deu a aliança com Rodrigo Rollemberg (PSB)?

Quando apoiei Rollemberg, fiz questão que fosse baseado em um programa de governo. Solicitei a ele a inclusão de algumas questões que considero extremamente inovadoras e importantes. Exigi, e ele topou, que a redução em 60% dos cargos comissionados e a devolução ao contribuinte de parte dos impostos pagos em medicamentos estivessem previstas no plano de governo.

As propostas são viáveis?

Em relação aos cargos, não sei como ele vai fazer. Mas a minha posição é que parte desses cargos, principalmente em posições técnicas, sejam repostos por meio de concursos públicos. E que, para as demais funções, seja enviado um projeto de lei à Câmara Legislativa que extíngua definitivamente aqueles postos. Isso para que não se reduza aqui e depois se aumente ali adiante. Sobre os medicamentos, defendo que os 17% em impostos que correspondem ao ICMS, que é recolhido pelo DF, sejam devolvidos no ano seguinte ao cidadão por meio da Nota Legal.

Como vê os ataques sofridos durante a campanha? Depois de vitorioso, perdoa os adversários?

Fui à missa no último domingo para agradecer a Deus por tudo que fez. Aproveitei e pedi, também, que Ele ajude meu coração a perdoar todos os ataques. Sofri muito. Teve um dia que cheguei em casa e vi minha mãe chorando pelo que estavam falando sobre a minha pessoa. Foi uma cena que nunca vou esquecer na vida. Claro que ainda estou machucado e que não vou me esquecer disso amanhã ou depois. Mas espero, do fundo do coração, que eles sejam felizes.

A que se deve os mais de 800 mil votos que recebeu?

Acredito que a expressiva votação seja um reconhecimento aos mandatos que fiz como deputado distrital e federal, quando honrei e cumpri absolutamente todos os pontos do meu panfleto de campanha, que saía distribuindo de mão em mão. E acho que também foi um entendimento por parte da população das minhas propostas. Eu me orgulho muito da confiança que recebi. Fiz uma campanha que não teve um carro de som na rua, uma placa, uma pessoa remunerada entregando panfleto. Uma campanha simples, mas uma batalha de coração e compromisso com as pessoas. Agora, se me perguntar se me supreendi, sim, fiquei surpreso com tantos votos que recebi.

Continuará cortando gastos no próximo mandato?

Reduzirei o custo do mandato pela metade. Assumi esse compromisso na campanha e vou fazê-lo a partir do dia primeiro de janeiro. Dos 55 assessores que um senador tem direito, só terei 14. Um senador tem direito, para ele e toda a família, a um plano de saúde vitalício. Também não ficarei com esse benefício. Além disso, não usarei carro oficial e não vou usar a cota de passagem aérea, assim como fiz no Congresso Nacional. Por fim, abrirei mão de toda a verba indenizatória.

Seus adversários o criticavam dizendo que o senhor teria dificuldades no trabalho no Senado. Como a população saberá que fez a melhor escolha?

O meu mandato economizou aos cofres públicos R$ 2.380 milhões. Se todos os outros 512 fizessem o mesmo, daria uma economia de R$ 1,221 bilhão. Apresentei 34 projetos. Enquanto outros deputados colocam emenda para festas, coloquei para compra de remédios a hospitais, construção de escolas de tempo integral, aparelhar melhor a polícia, comprar viaturas de salvamento e resgate. Tem muito parlamentar que vota pensando em agradar ao governo. Um parlamentar tem que votar pensando se vai beneficiar ou prejudicar a população. Foi assim que agi como deputado distrital, federal e assim vou fazer como senador. Tenho total consciência da minha responsabilidade, sei o que essa votação quer dizer e vocês podem ter certeza: o que eu mais quero na minha vida não é ter um futuro político depois deste mandato. O que eu mais quero é orgulhar cada uma das pessoas que depositou um voto de confiança em mim.

Na sua avaliação, por que Marina Silva perdeu?

Marina é uma pessoa com o coração muito bom, uma pessoa íntegra, correta, e acho que foi uma perda para este país. Ela tinha pouco tempo de televisão. Enquanto uma (candidata) tinha 11 minutos, ela tinha dois. Uma dessas desigualdades do nosso processo eleitoral e da nossa democracia. Falei para ela radicalizar na mudança das práticas políticas e responsabilidade e equilíbrio total na gestão econômica, porque é isso que precisa acontecer no Brasil. A inflação é o pior dos impostos, e isso não pode ter coloração partidária. Ela não conseguiu transmitir isso. Ficou presa discutindo o que os adversários queriam discutir. O que me impressiona é que os adversários dela não lançaram um programa de governo e caíram matando no programa que ela apresentou. Ela é uma pessoa que tem o meu respeito, o meu carinho e vai continuar tendo. Acho que é uma das coisas boas que existem na política deste país, a qual não possui muitas coisas boas, infelizmente.

O senhor pensa que ela vai insistir com a Rede Sustentabilidade e, eventualmente, se filiar ao novo partido?

Não sei, não falei com ela desde ontem (domingo). Ela está descansando. Amanhã (hoje), devo ter uma conversa com ela, mas não sei dizer. Com relação a mim, pretendo continuar onde estou. Fui eleito pelo PDT e quero seguir aqui. Não tenho como falar sobre o dia de amanhã ou o futuro, mas é essa a minha intenção.

Qual o peso que o seu nome terá no segundo turno a favor de Rodrigo Rollemberg (PSB)?

Acho que vai depender muito. Já estou apoiando Rodrigo desde o primeiro turno. Não é nenhuma novidade. Vejo como a melhor opção para a cidade. Agora, se ele ganhar a eleição, não é por minha causa, é por méritos dele. Ele tem muitos méritos. Não acho que os apoios de um ou outro candidato vão decidir uma eleição: os méritos e as propostas dos dois candidatos é que vão. Apoio ajuda, mas não é o que decide eleição. (Fonte: Correio Braziliense)

Política , ,

Datafolha: Reguffe tem 41%, Magela, 19%, e Gim, 14%

3 de outubro, 2014
Reguffe

Reguffe

Instituto ouviu 1.199 eleitores em todo o DF nos dias 1º e 2 de outubro. Margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos

Do G1 DF – O deputado federal Reguffe (PDT) lidera a disputa pelo Senado com 41% das intenções de voto, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (2). Magela (PT) aparece com 19%. Em seguida, vem o senador Gim Argello (PTB), que tenta continuar no cargo, com 14%. Brancos e nulos somam 7%, e 15% não sabem ou não responderam. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Em comparação com o levantamento anterior do Datafolha, divulgado em 26 de setembro, Reguffe e Magela oscilaram 1 ponto para baixo cada um e Gim Argello oscilou quatro pontos para cima.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado:

- Reguffe (PDT): 41%

- Magela (PT): 19%

- Gim Argello (PTB): 14%

- Sandra Quezado (PSDB): 3%

- Robson (PSTU): 0%

- Aldemário (PSOL): 0%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Expedito Mendonça (PCO): -

- Branco/nulo: 7%

- Não sabe/não respondeu: 15%

Dados da pesquisa

Realizada nos dias 1º e 2 de outubro, a pesquisa entrevistou 1.199 eleitores em todo o Distrito Federal. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de quatro pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo número DF-00063/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob protocolo número BR-000933/2014.

Política , , , ,

Ibope: Reguffe tem 37%; Magela e Gim têm 17%

1 de outubro, 2014

REGUFFE-MAGELA E GIM

Brancos e nulos somam 10%; 13% não sabem ou não responderam. Instituto ouviu 1.806 eleitores em todo o DF entre 27 e 30 de setembro

Do G1 DF – Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (30) aponta o deputado federal Reguffe (PDT) na liderança da disputa no Distrito Federal pelo Senado, com 37% dos votos. Os candidatos Magella (PT) e o senador Gim Argello (PTB), que tenta reeleição, aparecem com 17%. Sandra Quezado (PSDB) aparece com 3%. Brancos e nulos somaram 10%, e 13% dos entrevistados não sabem ou não responderam.

Este é o quinto levantamento encomendado pela TV Globo desde o início da disputa eleitoral. Na pesquisa anterior, divulgada em 25 de setembro, Reguffe tinha 37%. Magela aparecia com 16%, e Gim, com 13% das intenções de voto.

Os candidatos Aldemário (PSOL) e Robson (PSTU) aparecem com os mesmos percentuais registrados na pesquisa anterior (1%). Expedito Mendonça (PCO) e Jamil Magari (PCB) não atingiram 1%.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da Federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado no DF:

- Reguffe (PDT): 37%

- Magela (PT): 17%

- Gim Argello (PTB): 17%

- Sandra Quezado (PSDB): 3%

- Aldemário (PSOL): 1%

- Robson (PSTU): 1%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Branco/nulo: 10%

- Não sabe/não respondeu: 13%

Dados da pesquisa

O Ibope ouviu 1.806 eleitores em todo o Distrito Federal entre os dias 27 e 30 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número DF-00061/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00904/2014.

Política , ,

Ibope: Reguffe, 37% ao Senado; Magela, 16%; Gim, 13%

25 de setembro, 2014

REGUFFE

Brancos e nulos somam 10%; 19% não sabem ou não responderam. Instituto ouviu 1.610 eleitores em todo o DF nos dias 21 e 23 de setembro.

Do G1 DF – Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (24) aponta o deputado federal Reguffe (PDT) na liderança da disputa no Distrito Federal pelo Senado, com 37% dos votos. Magella (PT) aparece em segundo, com 16%, e o senador Gim Argello (PTB), que tenta reeleição, com 13%. Sandra Quezado (PSDB) aparece com 3%. Brancos e nulos somaram 10%, e 19% dos entrevistados não sabem ou não responderam.

Este é o quarto levantamento encomendado pela TV Globo desde o início da disputa eleitoral. Na pesquisa anterior, divulgada em 19 de setembro, Reguffe tinha 35%. Magela aparecia com 18%, e Gim, com 14% das intenções de voto.

Os candidatos Aldemário (PSOL) e Robson (PSTU) aparecem com os mesmos percentuais registrados na pesquisa anterior (1%). Expedito Mendonça (PCO), que tinha 1% no fim de agosto, não atingiu percentual significativo no levantamento atual. Jamil Magari, que tinha 1%, aparece com 0% na pesquisa divulgada nesta quarta.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da Federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado no DF:

- Reguffe (PDT): 37%

- Magela (PT): 16%

- Gim Argello (PTB): 13%

- Sandra Quezado (PSDB): 3%

- Aldemário (PSOL): 1%

- Robson (PSTU): 1%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Branco/nulo: 10%

- Não sabe/não respondeu: 19%

Dados da pesquisa

O Ibope ouviu 1.610 eleitores em todo o Distrito Federalx entre os dias 21 e 23 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número DF-00057/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00767/2014.

Política , , , ,

Ibope: Reguffe tem 35%; Magela, 18%; Gim, 14%

19 de setembro, 2014
Reguffe

Reguffe

Brancos e nulos somam 15%; 14% não sabem ou não responderam. Instituto ouviu 1.204 eleitores em todo o DF nos dias 16 e 17 de setembro.

Do G1 DF – Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (19) aponta o deputado federal Reguffe (PDT) na liderança da disputa no Distrito Federal pelo Senado, com 35% dos votos. Magella (PT) aparece em segundo, com 18%, e o senador Gim Argello (PTB), que tenta reeleição, com 14%. Brancos e nulos somaram 15%, e 14% dos entrevistados não sabem ou não responderam.

É o terceiro levantamento encomendado pela TV Globo desde o início da disputa eleitoral. Na pesquisa anterior, divulgada em 26 de agosto, Reguffe tinha 29%, seis pontos percentuais a menos do que o registrado no novo levantamento. Magela aparecia com 16%, e Gim, com 13% das intenções de voto.

Os candidatos Aldemário (PSOL), Robson (PSTU) e Sandra Quezado (PSDB) aparecem com os mesmos percentuais registrados na pesquisa anterior. Expedito Mendonça (PCO), que tinha 1% no fim de agosto, não atingiu percentual significativo no levantamento atual. Jamil Magari, que tinha 0%, aparece com 1% na pesquisa divulgada nesta sexta.

O percentual de eleitores que declaram voto em branco ou nulo passou de 9% para 15%. Os entrevistados que não sabem ou não responderam eram 28%, e agora, são 14%.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da Federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado no DF:

- Reguffe (PDT): 35%

- Magela (PT): 18%

- Gim Argello (PTB): 14%

- Sandra Quezado (PSDB): 2%

- Aldemário (PSOL): 1%

- Jamil Magari (PCB): 1%

- Robson (PSTU): 1%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Branco/nulo: 15%

- Não sabe/não respondeu: 14%

Dados da pesquisa

O Ibope ouviu 1.204 eleitores em todo o Distrito Federal nos dias 16 e 17 de setembro. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número DF-00043/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00672/2014.

Política , ,

Agenda de Rodrigo Rollemberg (40) de quinta-feira

18 de setembro, 2014

 Rollemberg Marina

14h45 – Caminhada pela comercial de Santa Maria

Ponto de encontro: Quadra 202, perto do Hospital de Santa Maria

17h30 – Embarque na estação do Metrô da Rodoviária do Plano Piloto com destino a Águas Claras

17h50 – Caminhada em Águas Claras até o comitê

18h – Inauguração do comitê da coligação Somos todos Brasilia em Águas Claras

Local: Av. Jequitibá, no. 485, perto do colégio CEAV

21h15 – Visita à 33a Ronda Crioula, em comemoração à Semana Farroupilha

Local: PAD/DF, na BR 251, Km 4

Sem Categoria , , ,

Agenda Rodrigo Rollemberg (40), de quarta-feira

17 de setembro, 2014

Rollemberg

9h30 – Encontro promovido pelo Sindicato dos Delegados da Polícia Civil

Local: Clube da Adepol, SCS Trecho 2, Lote 25

12h30 – Encontro com microempresários

Local: Candangolândia

19h – Entrevista no DF Record, na TV Record

20h30 – Apresentação do plano de governo na Grande Loja Maçônica do DF

Local: SGAN 909, Módulo B

Política , ,

Marina faz comíco ao lado de Rollemberg e Reguffe

15 de setembro, 2014

 Marina rollemberg

A candidata do PSB à Presidência da República, Marina Silva participou domingo de comício em Ceilândia, cidade satélite de Brasília, ao lado do candidato socialista ao governo do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, e do deputado Antonio Reguffe, do PDT, que que concorre ao Senado.

Na ocasião, ela se comprometeu, se eleita, a ampliar o Programa Bolsa Família e o Programa Minha Casa, Minha vida. Marina enfatizou que vai investir 10% do Produto Interno Bruto em educação e que, nos seus quatro anos de governo, implantará o ensino em tempo integral em todo o País.

A candidata tocou, mais uma vez, na polêmica defesa da autonomia do Banco Central dizendo que pretende manter a meta da inflação em 4,5%, diminuir juros e estimular o investimento para “que o país volte a crescer”. Ela disse que pretende dar continuidade à política de responsabilidade fiscal, de controle de inflação com a meta de inflação estabelecida e fazer um grande esforço para evitar que a inflação volte, para que o País possa investir em saúde, educação, segurança publica, no passe livre, na proteção do meio ambiente.

Quanto as diferenças religiosas, a candidata, que é evangélica, declarou que o Brasil é laico e que seu governo lutará para que os brasileiros possam “viver de forma respeitosa na diferença, criando uma cultura de paz e não de ódio”. (José Carlos Werneck)

Política , , , , ,

Reguffe tem 35% ao Senado, Magela, 18%, e Argello, 10%

12 de setembro, 2014

REGUFFE-MAGELA E GIM

Instituto Datafolha ouviu 765 eleitores em todo o DF nos dias 8 e 9 de setembro. Senado vai renovar um terço das 81 vagas, sendo uma para cada estado

Do G1 DF – O deputado federal Reguffe (PDT) lidera a disputa pelo Senado com 35% das intenções de voto, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (11). Magela (PT) aparece com 18% em situação de empate técnico com o senador Gim Argello (PTB), que tenta continuar no cargo, com 10%. Brancos e nulos somam 10%, e 22% não sabem ou não responderam. A margem de erro é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

Em comparação com o levantamento anterior do Datafolha, divulgado em 4 de setembro, Reguffe oscilou 1 ponto para cima.  Magela oscilou 5 pontos para cima e Gim Argello manteve os mesmo 10% da pesquisa anterior.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado:

- Reguffe (PDT): 35%

- Magela (PT): 18%

- Gim Argello (PTB): 10%

- Sandra Quezado (PSDB): 2%

- Robson (PSTU): 1%

- Aldemário (PSOL): 1%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Branco/nulo: 10%

- Não sabe/não respondeu: 22%

Dados da pesquisa

O Datafolha fez a pesquisa entre os dias 8 e 9 de setembro. O instituto ouviu 765 eleitores em todo o Distrito Federal. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de quatro pontos prevista.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com os números DF-00040/2014 e BR-00584/2014.

Política , , , , ,

Adversários apelam para baixaria contra Reguffe

10 de setembro, 2014
Reguffe

Reguffe

O deputado federal Reguffe (PDT), candidato ao Senado que lidera com folga as pesquisas, foi alvo de uma das maiores baixarias registradas nesta campanha. Panfletos apócrifos distribuídos em várias igrejas do Distrito Federal chamam Reguffe de “anticristo”, porque ele votou contra um projeto para regularizar lotes de templos.

O deputado ficou em choque com os ataques e acionou os advogados. “Sou católico praticante, devoto de Nossa Senhora de Fátima. Votei contra esse projeto porque ele tinha uma série de irregularidades e incluía lotes que não eram de igrejas”, desabafou o pedetista. (Ana Maria Campos e Helena Mader/Coluna Eixo Capital)

Política ,

Reguffe tem 34% ao Senado; Magela, 13%, e Argello, 10%

4 de setembro, 2014

REGUFFE-MAGELA E GIM

Instituto ouviu 736 eleitores em todo o DF nos dias 2 e 3 de setembro. Senado vai renovar um terço das 81 vagas, sendo uma para cada estado.

Do G1 DF – O deputado federal Reguffe (PDT) lidera a disputa pelo Senado com 34% das intenções de voto, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (4). Magela, do PT, aparece com 13% e o senador Gim Argello (PTB), que tenta continuar no cargo, com 10%. Brancos e nulos somam 14% e 25% não sabem ou não responderam.

Em comparação com o levantamento anterior do Datafolha, divulgado em 13 de agosto, Reguffe oscilou 5 pontos para cima.  Magela oscilou 9 pontos para baixo. Gim Argello apareceu com 3 pontos a menos

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado:

- Reguffe (PDT): 34%

- Magela (PT): 13%

- Gim Argello (PTB): 10%

- Sandra Quezado (PSDB): 1%

- Robson (PSTU): 1%

- Aldemário (PSOL): 0%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Branco/nulo: 14%

- Não sabe/não respondeu: 25%

Dados da pesquisa

O Datafolha fez a pesquisa entre os dias 2 e 3 de setembro. O instituto ouviu 722 eleitores em todo o Distrito Federal. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de quatro pontos prevista.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com os números DF-00037/2014 e BR-00517/2014.

Política , , , , ,

Coligação Unidos Pelo Brasil inaugura comitê em Brasília

1 de setembro, 2014

 rodrigo reguffe

A Coligação Unidos Pelo Brasil inaugura, nesta terça-feira (2), o Comitê Eduardo Campos. A escolha do nome mantém viva a esperança de realização do desejo de mudança, expresso na trajetória exemplar do líder do Partido Socialista Brasileiro .

O evento, que acontece às 18h, na QI 16 do Lago Sul conjunto 2 casa 11, contará com a presença dos candidatos a governador do DF pelo PSB, Rodrigo Rollemberg, do candidato ao Senado pelo PDT, Reguffe, e do candidato à vice-presidente da República, deputado Beto Albuquerque, do PSB gaúcho.

O espaço ficará a disposição dos eleitores que estiverem interessados em conhecer as propostas de mudanças da nova política, bem como obter materiais de campanha.

Política , , , , ,

Somos todos Brasília apresenta Programa de Governo

17 de julho, 2014

 

rodrigo reguffeA apresentação do Programa de Governo da coligação Somos todos Brasília será na 2ª feira (21). Rodrigo Rollemberg, Renato Santana e Reguffe são os candidatos da coligação, integrada por PSB, PDT, Rede Sustentabilidade, PSD e Solidariedade.

O Programa de Governo começou a ser elaborado há um ano e meio. Especialistas foram reunidos em 12 núcleos temáticos para fazer o diagnóstico da situação do Distrito Federal em áreas como saúde, educação, transporte, geração de emprego e desenvolvimento econômico, entre outras. Depois foram realizados cinco seminários regionais, chamados DF em Debate, para ouvir a população de todas as cidades. Mais de duas mil pessoas participaram desses encontros, apresentando propostas para o futuro governo.

Com as propostas reunidas, a equipe responsável pelo Programa de Governo fez um planejamento detalhado de todas as ações, definindo cronogramas, investimentos necessários e prioridades. O resultado é um Programa de Governo com visão de futuro e que tem como princípios a ética, a eficiência, a inovação, a sustentabilidade e a participação popular.

A apresentação do Programa de Governo será às 10h de 2ª feira (21), no auditório da LBV, na 915 Sul.

Política ,

Rollemberg e Reguffe iniciam campanha no Sol Nascente

4 de julho, 2014

 rodrigo reguffe

As campanhas de Rodrigo Rollemberg ao governo do Distrito Federal e de Eduardo Campos à Presidência da República vão começar em uma das regiões mais pobres do Distrito Federal: o Sol Nascente. Eles estarão acompanhados dos candidatos a vice-governador, Renato Santana, e a vice-presidente, Marina Silva, e do candidato ao Senado, Reguffe.

Rodrigo Rollemberg, Renato Santana e Reguffe são candidatos pela coligação Somos Todos Brasília, integrada pelo PSB, PDT, Rede, PSD e Solidariedade.

Os candidatos chegarão ao Sol Nascente, em Ceilândia, às 10h30, pela entrada do trecho 03, em frente ao posto policial, ao lado da QNR.

Política , , , , , ,

RADAR Reguffe: batendo de frente no PDT

29 de abril, 2014
Reguffe

Reguffe

Por Lauro Jardim – Não anda nada boa a relação entre Carlos Lupi e José Antonio Reguffe, o deputado federal mais votado proporcionalmente em todo o Brasil em 2010.

Lupi reclama com interlocutores que Reguffe não se decide nunca sobre o seu futuro – se quer ser candidato a deputado federal, senador ou governador. E se irrita com a premissa de Reguffe sempre se considerar mais honesto do que os outros quadros do partido.

Reguffe também não anda nada feliz. Primeiro porque o PDT em Brasília poderá apoiar Agnelo Queiroz do PT, atitude que Reguffe jura que não seguirá. Reguffe também já pensou em ser o senador da chapa de Rodrigo Rollemberg, mas isso é Lupi que não topa.

Política

ELEIÇÕES 2014 Reguffe vai apoiar Rollemberg

4 de abril, 2014
A meta da dupla, agora, é ampliar a aliança, agregando pré-candidatos como Toninho do PSol.

A meta da dupla, agora, é ampliar a aliança, agregando pré-candidatos como Toninho do PSol.

A decisão, fechada na tarde de ontem, ainda será oficialmente comunicada à cúpula do PDT. O pedetista desistiu da candidatura ao GDF, após meio ano de negociações, para acompanhar o senador do PSB na corrida ao Buriti.

Por Helena Mader – Seis meses depois de lançar a candidatura ao GDF, o deputado federal Reguffe (PDT) decidiu mudar de planos e anunciou, ontem, apoio ao senador Rodrigo Rollemberg (PSB). A união dos parlamentares para a disputa ao Palácio do Buriti era negociada desde o fim do ano passado, mas Reguffe hesitava em desistir. Com as definições recentes no cenário eleitoral — como o lançamento da chapa encabeçada por José Roberto Arruda (PR) —, o pedetista e Rollemberg chegaram, finalmente, a um acordo, depois de uma longa conversa ontem à tarde. Reguffe ainda não decidiu se será candidato a vice-governador ou ao Senado.

O lançamento de múltiplas chapas de esquerda, em caso de manutenção das candidaturas de Reguffe, de Rollemberg e também de Toninho do PSol, poderia beneficiar a direita, no pensamento deles. “Não dá para ter duas ou três candidaturas no mesmo campo. Seria uma irresponsabilidade com a cidade”, justifica o deputado federal pedetista. “Por isso, estou abrindo mão da candidatura para apoiar o Rodrigo”, explicou Reguffe ao Correio.

A aliança com Rollemberg na corrida ao Governo do Distrito Federal foi uma decisão pessoal de Reguffe, que ainda não fez um anúncio oficial à cúpula do PDT. O presidente nacional do partido, Carlos Lupi, tem pressionado dirigentes da legenda no DF para tentar forçar um apoio à reeleição de Agnelo Queiroz (PT). No plano nacional, o PDT sustentará a presidente Dilma Rousseff. Reguffe e o senador Cristovam Buarque se recusam a ficar ao lado de Agnelo, com quem romperam em 2011. Se houver uma intervenção do PDT no DF para impedir a aliança com o PSB, Reguffe deve se afastar da política e não será candidato a nada. A aliados, ele assegura que não voltará a fazer coligação com Agnelo Queiroz. Mas o deputado ainda aposta em um consenso do partido em torno da chapa encabeçada pelo senador do PSB.

Rodrigo Rollemberg comemorou a decisão de Reguffe. “É uma honra ter o apoio de Reguffe e também do Cristovam, que é a liderança maior do nosso campo e um exemplo para nós. A aliança é fruto de um longo processo, que começou no ano passado. Durante as conversas, ficaram claras a nossa afinidade programática e a necessidade de unir as forças de bem da cidade na construção de políticas públicas ousadas e inovadoras”, explica Rollemberg.

O próximo passo da dupla será aumentar o leque de alianças para ampliar o tempo de tevê. Rollemberg e Reguffe juntos têm apenas 1 minuto e 50 segundos. Agnelo, por exemplo, terá quase 10 minutos. Os dois garantem que a próxima aliança prioritária será com o PSol, de Toninho e Maria José Maninha. O partido, entretanto, pode oferecer resistência. Além disso, Rollemberg tem conversado com representantes de outras legendas, como Solidariedade e PPS.

No início de outubro, o PDT anunciou a pré-candidatura de Reguffe, durante uma reunião do partido que contou com a presença de novos filiados. Depois de oficializar a decisão, ele recebeu suporte de personalidades importantes, como a ex-senadora Marina Silva. Apesar de ter migrado para o PSB, partido de Rollemberg, Marina garantiu apoio à candidatura de Reguffe. A proximidade entre os dois aumentou durante a coleta de assinaturas para a fundação da Rede Sustentabilidade, partido da ex-senadora.

Durante a silenciosa queda de braço travada entre Reguffe e Rollemberg até a oficialização da aliança, o pedetista alegou que estava mais bem colocado nas pesquisas e, por isso, não queria abrir mão da cabeça de chapa. O senador do PSB, por sua vez, não cogitava desistir da candidatura porque o PSB já vinha preparando o programa de governo há mais de 15 meses. Além disso, como ainda tem mais quatro anos de mandato, Rollemberg não considerava a possibilidade de ser vice.

A decisão de Reguffe terá impactos também na aliança em torno da candidatura de Agnelo Queiroz. O governador adiou um posicionamento sobre o candidato ao Senado da chapa porque ainda sonhava com a presença de Reguffe em seu palanque. O PT tem dois pré-candidatos a concorrer ao posto: Geraldo Magela e Chico Leite. Além disso, outros integrantes da base aliada, que tem 17 partidos, reivindicam a chance. Os apoiadores de Agnelo alegam que a escolha de um postulante a senador do PT afastaria partidos da aliança. Na coligação, cresce a pressão pela escolha de um candidato ao Senado de perfil evangélico. (Correio Braziliense)

Política , ,

Reguffe visita o deputado Joe Valle

11 de outubro, 2013

 Reguffe

O deputado Joe Valle (PDT) recebeu, na tarde de ontem, no gabinete a visita do deputado federal, candidato ao governo do DF, Antônio Reguffe e do presidente do PDT-DF, Georges Michel. O senador Cristovam Buarque também participaria da visita, mas o trânsito impediu que ele chegasse a Câmara Legislativa. A visita dele ficou para uma nova data.

Joe Valle apresentou o planejamento estratégico do mandato e colocou sua equipe a disposição para contribuir na elaboração do programa de governo do candidato, a ser coordenado pelo senador Cristovam.

Durante o encontro, Reguffe ressaltou a necessidade de oferecer ao DF um projeto de governo que considere uma nova forma de fazer política, com a população como a principal protagonista desta construção. “O governo tem que ser diferente. As decisões devem ser em rede e a característica deve ser horizontal, disse Reguffe.

Em relação ao deputado Joe Valle, o presidente do PDT afirmou que Joe é o candidato que todos os partidos querem. Achamos que o partido ganhou muito com a vinda do distrital, afirmou Michel.

Política , ,

Cristovam anuncia candidatura de Reguffe ao GDF

8 de outubro, 2013

 REGUFFE

Brasília 247 – A aliança entre Marina Silva, da Rede, e Eduardo Campos, do PSB, começa a apresentar as primeiras dificuldades no âmbito regional. Um dos desdobramentos esperados era a aliança, no Distrito Federal, entre o deputado José Antônio Reguffe (PDT/DF), aliado de Marina que cogitava até migrar para a Rede, e o senador Rodrigo Rollemberg (PSB/DF).

Nessa composição, Rollemberg disputaria o governo e Reguffe seria o candidato ao Senado – ambos apoiados por Marina, que tem grande prestígio no Distrito Federal.

Ontem à noite, no entanto, veio a ducha de água fria, quando o PDT anunciou que Reguffe concorrerá ao GDF. O anúncio foi feito pelo senador Cristovam Buarque (PDT/DF), pelo Twitter. “O Distrito Federal volta a ter esperança. @Reguffe é o candidato do PDT a governador”, disse Cristovam.

Na reunião da plenária do partido, Reguffe disse aceitar a “missão”. Essa decisão divide o grupo que pretendia disputar contra o governador Agnelo Queiroz pela esquerda. À direita, a oposição virá de grupos ligados aos ex-governadores José Roberto Arruda e Joaquim Roriz.

Política , , ,

Reguffe lembra luta de Chico pelo fim do voto secreto

5 de setembro, 2013
Chico Leite e Reguffe

Chico Leite e Reguffe

A Câmara dos Deputados aprovou ontem, após a vergonhosa absolvição de um deputado presidiário, o fim do voto secreto. Só que o assunto agora vai para o Senado, onde já se tenta mudar algumas coisas. Mais independente disso, o deputado federal Reguffe (PDT), aproveitou o momento para parabenizar o deputado distrital Chico Leite, autor do projeto de emenda à Lei Orgânica do Distrito Federal que acabou com o voto secreto em 2006. “Ele empunhou a bandeira do fim do voto secreto na Câmara Legislativa e foi vitorioso”, garantiu Reguffe.

Na época, Chico Leite disse que a transparência sempre favorece a veracidade da representação. Ou seja, nós vamos conhecer a posição dos deputados e ao prestarem contas, eles serão julgados pela comunidade”,

Além de elogiar Chico Leite, Reguffe lembrou que a proposta chegou a ser rejeitada na Comissão de Constituição e Justiça e entrou em pauta oito vezes até ser aprovada. Reguffe disse que “é muito bom saber que o Distrito Federal saiu na frente no atendimento de uma reivindicação da população”. (Fonte: Estação da Notícia)

Política ,

OPINIÃO Os sem-Rede: Reguffe, Chico e Joe

31 de agosto, 2013

opiniao

Por Ricardo Callado -  A política é como a esfinge da fábula: devora todos os que lhe não decifram os enigmas. A frase é do escritor francês Antoine de Rivarol. Os movimentos na política brasiliense ganham mais intensidade com a proximidade de 5 de outubro. É o prazo para filiação partidária de quem for ser candidato em 2014.

Alguns movimentos nos últimos dias foram pontuais. A mudança do secretário de Educação foi uma delas. Sai o petista Denilson Bento e entra o pedetista Marcelo Aguiar. A troca deu margem a especulação.

A primeira leitura foi a de que o senador Cristovam Buarque – de quem Aguiar é muito ligado -, e o deputado federal José Antônio Reguffe, teriam fechado apoio a reeleição do governador Agnelo Queiroz (PT).

Cristóvam e Reguffe negaram de imediato o acordo. Também afirmaram que a chance de coligação com o PT do Distrito Federal é zero. Para os dois pode até ser zero. Eles tem razão: não existe acordo com o PDT-DF.

As negociações estão a nível nacional. Agnelo vem tratando do assunto direto com o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi. A nomeação de Aguiar foi o primeiro passo. O GDF deve entregar ainda a Secretaria de Trabalho para um apadrinhado de Lupi.

Se concretizada a operação, Cristovam vai ficar isolado. Agnelo quer, mesmo que a força, colocar Reguffe na chapa majoritária encabeçada pelo PT. Pode ser a vice ou ao Senado. Se a força usada for desproposital – e está sendo -, pode trazer mais problemas que soluções.

Reguffe faz um discurso de independente. Afirmou outras vezes não se alinhar ao Buriti. Principalmente por cargos. Prega o respeito ao eleitor. Não nega que sua vontade é ser candidato ao governo, mas sem transigir os princípios.

O que Reguffe classifica como “não transigir os princípios” é conseguir financiar uma campanha majoritária de forma limpa. Ele afirma que tem dúvidas se conseguiria isso e chegaria competitivo na disputa. Não conseguirá. Também condena o loteamento do governo para montar alianças.

Se Lupi empurrar a coligação PT-PDT goela abaixo, Reguffe pode ser uma baixa no partido. Ele fecha questão quanto a candidatura própria da legenda tanto a nível nacional, quanto ao Palácio do Buriti. Se sofrer intervenção, a Rede Sustentabilidade, da presidenciável Marina Silva, será o seu novo abrigo.

Reguffe e Marina tem boas relações. Em 2010, o parlamentar apoio a ex-ministra. Marina foi a mais votada no Distrito Federal, superando Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB). Reguffe nunca deixou de conversar com Marina.

Se a Rede foi realmente criada e o Lupi empurrar o PDT para o PT, Reguffe não vai pensar duas vezes. Será candidato ao governo, a vice ou ao Senado pela Rede. Outra saída, segundo ele, é abandonar a política e não ser candidato a nada.

Uma vez criada a Rede, outro dois políticos de esquerda devem seguir o mesmo caminho. Ambos tem em comum a falta de espaço na cúpula de seus partidos.

Mais votado para deputado distrital em 2010, Chico Leite sofre perseguição dentro do PT. Não esconde de ninguém que gostaria de ser candidato ao Senado. Já foi assim em 2010. Na Rede de Marina Silva poderia seguir seu projeto.

O também deputado distrital Joe Valle (PSB) sofre retaliações em sua legenda. Como não é afinado com a executiva regional, corre o risco de ser expulso. Antes disso, já afirmou que não fica mais no PSB. Ligado a agricultura orgânica, tem tudo a ver com a Rede.

Sem a Rede, Reguffe fica numa sinuca. Lidera pesquisas ao Senado e está entre os primeiros ao governo. Mas para ser candidato, terá que abraçar o PT. Ou abandona a política. Chico Leite será mais uma vez humilhado dentro do partido e seu destino é concorrer novamente à Câmara Legislativa. Joe Valle espera a expulsão do PSB ou sai da legenda correndo o risco de perder o mandato.

Na atual conjuntura, a Rede é ao mesmo tempo a esfinge e a fábula. E os enigmas estão nos entraves criados para evitar a sua criação. É a justiça subaltena e submissa ao interesses político-partidários de quem está no poder.

Política , ,

PDT decide não se coligar com o PT

23 de agosto, 2013

 cristovam-e-reguffe

O deputado federal José Antonio Reguffe (PDT) informou que ficou decidido em reunião com o senador Cristovam Buarque (PDT), que a legenda não vai se coligar com o PT nas eleições de 2014. O partido já havia saído da base aliada em 2011. “Não iremos fazer coligação com a chapa do governador Agnelo Queiroz. Isso nunca foi cogitado dentro do partido”, disse Reguffe.

O deputado defendeu a posição de independência da sigla. “É claro que se o governo Agnelo vier a fazer coisas que contribuam com a melhoria de vida da população não iremos ficar contra. Somos responsáveis”, disse.

Cristovam e Reguffe foram os mais bem votados nas últimas eleições. Os dois são sempre lembrados para a disputa ao Palácio do Buriti em 2014. Reguffe também tem seu nome cotado para a disputa ao Senado.

As informações foram passadas por Reguffe. A reportagem não conseguiu conversar com o senador Cristovam.

Política , , ,

Deputado do DF escolhido entre os melhores da Câmara

14 de julho, 2013
José Antônio Reguffe

José Antônio Reguffe

O deputado José Antonio Reguffe (PDT/DF) foi escolhido pelos jornalistas que cobrem o Congresso como um dos três melhores deputados federais para o Prêmio Congresso em Foco. Os outros dois mais votados por suas atuações foram os deputados Chico Alencar (Psol/RJ) e Jean Willys (Psol/RJ).

O deputado do DF apresentou 31 projetos, 14 requerimentos de informação, 18 emendas e proferiu 186 discursos desde o início da legislatura. Entre os projetos, está o que retira os impostos dos remédios.

Reguffe também está no seleto grupo de sete deputados que têm 100% de presença no plenário, sem ter tido uma falta sequer desde o início da legislatura em 2011, sendo o único do DF nessa condição. Nas emendas ao orçamento, enquanto muitos deputados colocaram suas emendas em shows e eventos, o parlamentar do DF colocou para a compra de remédios para os hospitais públicos e para a construção de escolas em tempo integral.

O parlamentar também foi escolhido como o deputado mais citado no tema Defesa do Consumidor pela sua atuação na comissão sobre o tema. No primeiro dia do mandato, Reguffe abriu mão dos salários extras, reduziu sua verba de gabinete e o número de assessores de 25 para apenas 9, entre outras medidas, que geraram uma economia direta aos cofres públicos de mais de R$ 2,3 milhões.

Política ,

Reguffe denuncia planos de saúde e critica ANS

3 de maio, 2013

20120618175857_20120618_PC_005RA

Membro da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara, o deputado federal José Antonio Reguffe (PDT/DF) fez um discurso no plenário criticando duramente as empresas de plano de saúde e também a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). O deputado denunciou que as empresas de plano de saúde estão se recusando a vender planos individuais e obrigando os consumidores a terem que adquirir planos coletivos, onde as empresas têm o direito de rescindir unilateralmente.

“Isso é um absurdo. Se o consumidor contrai um câncer, a empresa rescindi e ele não consegue um outro plano e a ANS não faz rigorosamente nada para combater isso”, criticou Reguffe. O pedetista mostrou ainda anúncios de empresas que oferecem planos coletivos de apenas três membros, numa clara tentativa de lesar o consumidor.

Segundo o levantamento feito pela equipe do gabinete do deputado, as empresas Bradesco, Sulamerica e Unimed Seguros não vendiam mais planos individuais. Ele criticou ainda os conselheiros da agência, que depois que saem das suas funções vão trabalhar justamente nas empresas que antes fiscalizavam. “A ANS existe para defender o consumidor e não os interesses comerciais das empresas. Há uma total inversão de valores”, desabafou Reguffe.

Política , ,

Marina procura aliados para construir novo partido

10 de janeiro, 2013

 

Campeões de votos no DF, deputados Chico Leite e Reguffe

Por Ana Maria Campos, Correio Braziliense – Os planos da ex-senadora Marina Silva (AC) de montar um novo partido com poderio para chegar às próximas eleições em condições de competitividade representam um ingrediente que movimenta o cenário político do Distrito Federal. Candidata à Presidência da República mais votada na capital do país em 2010, a ex-ministra do Meio Ambiente é uma aliada cobiçada para quem sonha em concorrer ao Palácio do Buriti ou ao Senado, em 2014. Nesse caso, há reciprocidade. Na estratégia de criar uma legenda que tenha a sua cara, Marina também busca parceiros em todas as unidades da Federação. No DF, ela tem alguns interlocutores, como o deputado federal José Antônio Reguffe (PDT) e os distritais Chico Leite (PT) e Joe Valle (PSB), e quer lançar um nome para concorrer com o governador Agnelo Queiroz (PT), que deve tentar a reeleição.

Com quem conversa, Marina tem dito que quer montar um partido com práticas diferenciadas, além de discurso voltado ao meio ambiente, sua principal identidade, e de ética. Nessa legenda, pretende concorrer novamente à Presidência da República e aposta que, com o recall da última eleição, chegará ao pleito com chances reais de vitória. Em 2010, teve 19,6 milhões de votos. Para disputar numa sigla forte, Marina monta o seu exército em cada unidade da Federação. Em São Paulo, sonha ter a seu lado Eduardo Suplicy (PT-SP), de quem é muito amiga. Marina tem expectativa de que o PT fará uma aliança com o PMDB nas próximas eleições e não dará a legenda para a candidatura à reeleição do senador paulista. No Rio de Janeiro, pretende lançar Heloísa Helena ao Senado.

Política , , ,

Reguffe inova nas emendas

9 de dezembro, 2012

 

Enquanto a maioria dos parlamentares coloca as suas emendas ao orçamento em shows e eventos, o deputado José Antonio Reguffe (PDT-DF) concentrou as suas emendas em educação, saúde e segurança, como faz desde que era deputado distrital.

Cada deputado federal teve direito a destinar R$ 15 milhões em emendas. Reguffe colocou R$ 5 milhões em cada uma das três áreas. Foram ao todo seis emendas e todas para o Distrito Federal: R$ 3 milhões para a compra de remédios para os hospitais públicos do DF, R$ 2 milhões para a construção de novos leitos hospitalares, R$ 5 milhões para a construção de escolas em tempo integral, R$ 4 milhões para a compra de viaturas para a polícia do DF (sendo R$ 3 milhões para a militar e R$ 1 milhão para a civil) e R$ 1 milhão para a compra de viaturas de salvamento e resgate para o Corpo de Bombeiros do DF.

“Esse dinheiro não é propriedade dos deputados, é da população e tem que estar onde ela mais necessita. Com isso, estou fazendo a minha parte e dando uma contribuição para melhorar os serviços públicos essenciais que a população precisa”, afirmou Reguffe, em discurso no plenário.

Política

Reguffe critica segurança no DF

15 de outubro, 2012

 

Deputado José Antonio Reguffe

O deputado José Antonio Reguffe (PDT/DF) fez um duro discurso, no plenário da Câmara dos Deputados, no qual criticou a segurança pública do DF. Disse que não é preciso que alguém famoso tenha que morrer para que seja tomada alguma providência.

“O governo precisa retirar a multidão de policiais que estão em funções administrativas e colocá-los nas ruas, pois é para isso que eles são pagos pelos contribuintes”, afirmou Reguffe.

O deputado do PDT cobrou também que o governo cumpra seu compromisso de campanha de colocar a cada ano mais mil policiais nas ruas. E disse que, ao contrário de outros deputados, que colocam suas emendas ao orçamento em shows e eventos, ele coloca em educação, saúde e segurança.

“Coloquei, por exemplo, para a compra de medicamentos para os hospitais públicos e na dotação para contratação de novos policiais. Eu estou fazendo a minha parte”, declarou Reguffe.

Política ,

Reguffe defende Paulo Tadeu

21 de março, 2012

 

O colunista Eduardo Brito (Jornal de Brasília) informa que “de onde menos se espera… pois é, o deputado José Antônio Reguffe saiu em defesa do secretário de Governo, Paulo Tadeu. Reguffe acha que Paulo Tadeu está sendo demonizado. Injustamente.

“Tem gente querendo carimbar nele a marca da incompetência, da ineficiência, mas isso é incorreto”, diz. Reguffe lembra que foi colega de Paulo Tadeu na Câmara Legislativa. Tiveram divergências, mas Reguffe passou a considerá-lo “um quadro político que não merece esse linchamento, com todo esse povo querendo tratá-lo como se todos os problemas decorressem dele”. Afinal, diz o deputado, “competente ele é”.

Política ,