Posts Tagged ‘Gim’

Reguffe

Reguffe

Instituto ouviu 1.199 eleitores em todo o DF nos dias 1º e 2 de outubro. Margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos

Do G1 DF – O deputado federal Reguffe (PDT) lidera a disputa pelo Senado com 41% das intenções de voto, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (2). Magela (PT) aparece com 19%. Em seguida, vem o senador Gim Argello (PTB), que tenta continuar no cargo, com 14%. Brancos e nulos somam 7%, e 15% não sabem ou não responderam. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Em comparação com o levantamento anterior do Datafolha, divulgado em 26 de setembro, Reguffe e Magela oscilaram 1 ponto para baixo cada um e Gim Argello oscilou quatro pontos para cima.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado:

- Reguffe (PDT): 41%

- Magela (PT): 19%

- Gim Argello (PTB): 14%

- Sandra Quezado (PSDB): 3%

- Robson (PSTU): 0%

- Aldemário (PSOL): 0%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Expedito Mendonça (PCO): -

- Branco/nulo: 7%

- Não sabe/não respondeu: 15%

Dados da pesquisa

Realizada nos dias 1º e 2 de outubro, a pesquisa entrevistou 1.199 eleitores em todo o Distrito Federal. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de quatro pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo número DF-00063/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob protocolo número BR-000933/2014.

REGUFFE-MAGELA E GIM

Brancos e nulos somam 10%; 13% não sabem ou não responderam. Instituto ouviu 1.806 eleitores em todo o DF entre 27 e 30 de setembro

Do G1 DF – Pesquisa Ibope divulgada nesta terça-feira (30) aponta o deputado federal Reguffe (PDT) na liderança da disputa no Distrito Federal pelo Senado, com 37% dos votos. Os candidatos Magella (PT) e o senador Gim Argello (PTB), que tenta reeleição, aparecem com 17%. Sandra Quezado (PSDB) aparece com 3%. Brancos e nulos somaram 10%, e 13% dos entrevistados não sabem ou não responderam.

Este é o quinto levantamento encomendado pela TV Globo desde o início da disputa eleitoral. Na pesquisa anterior, divulgada em 25 de setembro, Reguffe tinha 37%. Magela aparecia com 16%, e Gim, com 13% das intenções de voto.

Os candidatos Aldemário (PSOL) e Robson (PSTU) aparecem com os mesmos percentuais registrados na pesquisa anterior (1%). Expedito Mendonça (PCO) e Jamil Magari (PCB) não atingiram 1%.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da Federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado no DF:

- Reguffe (PDT): 37%

- Magela (PT): 17%

- Gim Argello (PTB): 17%

- Sandra Quezado (PSDB): 3%

- Aldemário (PSOL): 1%

- Robson (PSTU): 1%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Branco/nulo: 10%

- Não sabe/não respondeu: 13%

Dados da pesquisa

O Ibope ouviu 1.806 eleitores em todo o Distrito Federal entre os dias 27 e 30 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de dois pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número DF-00061/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00904/2014.

REGUFFE

Brancos e nulos somam 10%; 19% não sabem ou não responderam. Instituto ouviu 1.610 eleitores em todo o DF nos dias 21 e 23 de setembro.

Do G1 DF – Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (24) aponta o deputado federal Reguffe (PDT) na liderança da disputa no Distrito Federal pelo Senado, com 37% dos votos. Magella (PT) aparece em segundo, com 16%, e o senador Gim Argello (PTB), que tenta reeleição, com 13%. Sandra Quezado (PSDB) aparece com 3%. Brancos e nulos somaram 10%, e 19% dos entrevistados não sabem ou não responderam.

Este é o quarto levantamento encomendado pela TV Globo desde o início da disputa eleitoral. Na pesquisa anterior, divulgada em 19 de setembro, Reguffe tinha 35%. Magela aparecia com 18%, e Gim, com 14% das intenções de voto.

Os candidatos Aldemário (PSOL) e Robson (PSTU) aparecem com os mesmos percentuais registrados na pesquisa anterior (1%). Expedito Mendonça (PCO), que tinha 1% no fim de agosto, não atingiu percentual significativo no levantamento atual. Jamil Magari, que tinha 1%, aparece com 0% na pesquisa divulgada nesta quarta.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da Federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado no DF:

- Reguffe (PDT): 37%

- Magela (PT): 16%

- Gim Argello (PTB): 13%

- Sandra Quezado (PSDB): 3%

- Aldemário (PSOL): 1%

- Robson (PSTU): 1%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Branco/nulo: 10%

- Não sabe/não respondeu: 19%

Dados da pesquisa

O Ibope ouviu 1.610 eleitores em todo o Distrito Federalx entre os dias 21 e 23 de setembro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número DF-00057/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00767/2014.

frejat

Frejat, Flávia, Gim e Arruda reúnem praças e oficiais e anunciam apoio a uma das principais bandeiras dos militares

Bastou um convite gravado em vídeo pelo ex-governador José Roberto Arruda, pelo candidato ao Governo do Distrito Federal, Jofran Frejat, e pelo senador Gim Argello transmitido por wathsapp no domingo. Setenta e duas horas depois, na noite desta quarta-feira, 23, dois mil policiais militares se aglomeraram na Hípica Hall para ouvir de Frejat o anúncio de que, além da atualização do plano de carreira, a próxima gestão irá abraçar a proposta de criação da carreira única na Polícia Militar e nos Bombeiros do DF.

“Vocês formam uma categoria de força, que concentra talvez a maior expressão de apoio a nossa campanha. Não são desunidos. Lutaremos até o fim por melhorias, pelo direito de classe, por um trabalho com estrutura, motivação e dignidade e por uma segurança representativa e consistente em todas as comunidades do Distrito Federal”, bradou Frejat, ao lado de sua candidata a vice-governadora, Flávia Arruda.

A carreira única tornou-se uma das bandeiras dos militares. Ela consiste na possibilidade de o militar entrar na corporação como soldado e ascender até o posto máximo, de coronel. Atualmente, quem entra como soldado dificilmente passa de 1º tenente ao fim de 30 anos de serviço. Os oficiais são formados à parte, ingressam como tenentes e chegam a coronel.

Desde 2008, o ingresso na Polícia Militar do DF requer o diploma de terceiro grau. Hoje, mais de 95% do contingente tem curso superior. Com alto nível de instrução, os praças — como são chamados os militares de patente mais baixa, de soldado a subtenente — reivindicam o direito de seguirem ao topo da carreira.

“Nós elaboramos e assinamos juntos o plano de governo. Nós andamos juntos em cada comunidade, conversamos juntos com cada categoria e tudo que está assinado, liquidado está. Sou um homem de compromisso e de amizade longa, vocês não terão nenhuma expectativa frustrada”, anunciou Frejat, em seu discurso.

“Nós fizemos questão que cada um de vocês da família militar estivessem aqui, cada candidato, cada liderança. Estamos aqui para garantir que todos, não somente um, mas todos os compromissos assumidos serão cumpridos por mim em meu governo. Agora é com vocês me elegerem e elegerem os candidatos da nossa chapa”, disse Frejat, sob aplausos dos militares.

Quanto à atualização do plano de carreira, o compromisso assumido no início da campanha eleitoral por Arruda e reiterado agora por Frejat prevê a reestruturação da lei nº 12.086/2009, aprovada em tempo recorde, com o esforço mútuo de José Roberto Arruda, então governador do DF, e Gim Argello, senador, candidato à reeleição.

Outro tema relevante discutido na reunião foram os postos policiais implantados no governo Arruda. Há resistência na tropa quanto a eles. Mas Frejat explicou que a ideia é contratar vigilantes armados para fincarem base nos postos, liberando os policiais para o policiamento ostensivo. “Postos como esses funcionam bem em várias partes do mundo. O mais importante é que a comunidade se sente segura com os postos”, argumentou o candidato.

Responsável pelo convite aos militares, Arruda fez um longo e emocionado discurso. Agradeceu à ”família militar” pelo apoio. “É impressionante o poder de comunicação de vocês. Esta reunião aqui hoje foi organizada em 72h e olha o resultado, já é um sucesso”, comemorou.

“Se a polícia militar e os bombeiros se mobilizarem, o Gim vai levar um susto, porque ele vai ganhar, vai se reeleger senador e o Frejat vai ser o nosso governador no DF.”

“A vida inteira eu mantive uma relação de respeito e carinho muito grande com vocês, militares. Quando eu fui governador procurei fazer o melhor que eu pude. Coloquei o nível superior como requisito para o ingresso na carreira, conveniei a Universidade Católica de Brasília para formar os praças que não tinham tal pré-requisito, construí as vilas militares, destravei promoções que estavam pendentes há 13, 18 anos”, disse Arruda.

“Quando estávamos a um passo de reestruturar os planos de carreira, trazendo paridade junto aos órgão de segurança, veio o golpe e me tiraram do poder.”

“Aquelas 13 promessas, o número 13 petista, foi como vento na areia. Este governo usou verba oficial para ir à televisão e jogar a população brasileira contra a polícia militar do DF. Os policiais nunca, em nenhum governo, foram tão desrespeitados como neste governo. Foi a primeira vez que se usou o tampão da ferradura ao invés do diálogo e do entendimento que eu mantive com vocês.”

“Fui ao Supremo, mas não consegui o registro da minha candidatura, mas venho aqui hoje, diante desta Hípica lotada de oficiais, de praças, de militares e venho agradecer por saber que vocês que são e sempre foram Arruda, agora são Frejat. E Jofran Frejat vai poder dar a todos vocês que confiaram em mim, um perspectiva de futuro na corporação e não só isso, mas para a família de vocês”, bradou Arruda.

Frejat comicio arruda

Líderes da coligação União e Força reúnem seis mil em comício na Ceilândia e dão início à “Corrida para a Vitória”

Diante de seis mil pessoas na ensolarada manhã deste domingo, 21, o candidato ao Governo do Distrito Federal, Jofran Frejat, e seu maior cabo eleitoral, o ex-governador José Roberto Arruda, reuniram todas as lideranças políticas e candidatos da coligação União e Força na feira central da Ceilândia e deram partida no que chamaram de “corrida para a vitória”.

“Vamos chamar os amigos, os parentes, os vizinhos, estamos na reta final da eleição, vamos pedir os votos deles, para fazer com que o Distrito Federal volte a ser governado por quem tem compromisso com o povo, principalmente com os mais pobres”, exortou Arruda. “Vamos expulsar esses incompetentes que fazem o pior governo da história de Brasília”, bradou. A plateia foi ao delírio.

Candidato a mais um mandato no Senado, o senador Gim Argello foi na mesma toada. “Nós vamos deixar que se eleja para o Senado um político que não faz nada, que como deputado cumpre um mandato pífio, que não traz um benefício para o DF?” A resposta veio em coro: “não!”

Num discurso acalorado, Frejat foi direto ao ponto. “Estávamos num debate lá na UnB e o atual governador veio dizer que eu, como secretário, só tinha aplicado R$ 2 bilhões na Saúde, enquanto ele tinha aplicado R$ 5 bilhões. Bom, se só com R$ 2 bilhões eu construí 56 postos de saúde, o Hemocentro, o Hospital de Apoio, o Hran, o Hospital do Paranoá, a Faculdade de Medicina, o Hospital de Ceilândia.”

Frejat continuou: “Agora me diga um hospital que ele tenha feito com esses R$ 5 bilhões. Pelo contrário, o que a gente vê na TV é paciente sendo arrastado pelo corredor, criança sem pediatra pra atender, o povo pobre reclamando que não consegue atendimento, que não tem remédio, que não tem médico. Chega disso tudo, vamos dar um basta”.

Candidata a vice-governadora, Flávia Arruda, esposa de José Roberto Arruda, explicou que sua presença na chapa majoritária serve de símbolo, uma garantia de que todos os compromissos assumidos pelo ex-governador serão cumpridos, como vem repetindo Frejat. “Fiquem tranquilos porque os programas sociais vão voltar, as obras de infraestrutura para o Sol Nascente, o Por do Sol, o Porto Rico, todas serão feitas”, discursou.

Flávia também fez um chamado à ação. “Quando recebi o convite para ser vice-governadora, eu fiquei em dúvida porque eu sou mãe, eu tenho uma filha que acabou de completar dois meses. Mas minha presença nessa chapa é também uma forma de honrar aquelas mulheres, principalmente as mulheres mais humildes, que precisam sair para trabalhar todos os dias de manhã mesmo tendo filho para cuidar. Contem comigo, tenham em mim uma companheira.”

Reguffe

Reguffe

Brancos e nulos somam 15%; 14% não sabem ou não responderam. Instituto ouviu 1.204 eleitores em todo o DF nos dias 16 e 17 de setembro.

Do G1 DF – Pesquisa Ibope divulgada nesta sexta-feira (19) aponta o deputado federal Reguffe (PDT) na liderança da disputa no Distrito Federal pelo Senado, com 35% dos votos. Magella (PT) aparece em segundo, com 18%, e o senador Gim Argello (PTB), que tenta reeleição, com 14%. Brancos e nulos somaram 15%, e 14% dos entrevistados não sabem ou não responderam.

É o terceiro levantamento encomendado pela TV Globo desde o início da disputa eleitoral. Na pesquisa anterior, divulgada em 26 de agosto, Reguffe tinha 29%, seis pontos percentuais a menos do que o registrado no novo levantamento. Magela aparecia com 16%, e Gim, com 13% das intenções de voto.

Os candidatos Aldemário (PSOL), Robson (PSTU) e Sandra Quezado (PSDB) aparecem com os mesmos percentuais registrados na pesquisa anterior. Expedito Mendonça (PCO), que tinha 1% no fim de agosto, não atingiu percentual significativo no levantamento atual. Jamil Magari, que tinha 0%, aparece com 1% na pesquisa divulgada nesta sexta.

O percentual de eleitores que declaram voto em branco ou nulo passou de 9% para 15%. Os entrevistados que não sabem ou não responderam eram 28%, e agora, são 14%.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da Federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado no DF:

- Reguffe (PDT): 35%

- Magela (PT): 18%

- Gim Argello (PTB): 14%

- Sandra Quezado (PSDB): 2%

- Aldemário (PSOL): 1%

- Jamil Magari (PCB): 1%

- Robson (PSTU): 1%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Branco/nulo: 15%

- Não sabe/não respondeu: 14%

Dados da pesquisa

O Ibope ouviu 1.204 eleitores em todo o Distrito Federal nos dias 16 e 17 de setembro. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levarmos em conta a margem de erro de três pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o número DF-00043/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-00672/2014.

Frejat tre1

Arruda, Flávia, Gim e o novo candidato a governador do Distrito Federal protocolam substituição no TRE-DF

“Eles conseguiram me derrubar no tapetão, mas não destruíram o nosso projeto, vamos ganhar a eleição”,  disse o ex-governador José Roberto Arruda na tarde deste domingo, 14, logo depois de protocolar no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-DF) a substituição dele por Jofran Frejat, o novo candidato ao governo do Distrito Federal pela coligação União e Força.

“É hora de unir o nosso grupo político para tirarmos essa gestão incompetente e governar para os mais humildes de novo”, frisou Frejat, já oficializado na cabeça de chapa, ao lado da candidata a vice-governadora, Flávia Arruda, e do senador Gim Argello, candidato à reeleição. “Nós aceitamos a decisão judicial contra o nosso governador Arruda, mas não nos conformamos com ela. Vamos ganhar essa eleição”, repetiu.

Pela manhã, Frejat já cumpriu a agenda de candidato, com reuniões em Planaltina. Depois, participou de um almoço em Taguatinga e teve uma reunião com lideranças comunitárias no Lago Oeste. À tarde, toda a chapa majoritária e Arruda, que se transformou em cabo eleitoral e vai acompanhar Frejat, participaram de dois comícios e várias reuniões em Planaltina.

REGUFFE-MAGELA E GIM

Instituto Datafolha ouviu 765 eleitores em todo o DF nos dias 8 e 9 de setembro. Senado vai renovar um terço das 81 vagas, sendo uma para cada estado

Do G1 DF – O deputado federal Reguffe (PDT) lidera a disputa pelo Senado com 35% das intenções de voto, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (11). Magela (PT) aparece com 18% em situação de empate técnico com o senador Gim Argello (PTB), que tenta continuar no cargo, com 10%. Brancos e nulos somam 10%, e 22% não sabem ou não responderam. A margem de erro é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.

Em comparação com o levantamento anterior do Datafolha, divulgado em 4 de setembro, Reguffe oscilou 1 ponto para cima.  Magela oscilou 5 pontos para cima e Gim Argello manteve os mesmo 10% da pesquisa anterior.

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado:

- Reguffe (PDT): 35%

- Magela (PT): 18%

- Gim Argello (PTB): 10%

- Sandra Quezado (PSDB): 2%

- Robson (PSTU): 1%

- Aldemário (PSOL): 1%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Branco/nulo: 10%

- Não sabe/não respondeu: 22%

Dados da pesquisa

O Datafolha fez a pesquisa entre os dias 8 e 9 de setembro. O instituto ouviu 765 eleitores em todo o Distrito Federal. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de quatro pontos prevista.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com os números DF-00040/2014 e BR-00584/2014.

REGUFFE-MAGELA E GIM

Instituto ouviu 736 eleitores em todo o DF nos dias 2 e 3 de setembro. Senado vai renovar um terço das 81 vagas, sendo uma para cada estado.

Do G1 DF – O deputado federal Reguffe (PDT) lidera a disputa pelo Senado com 34% das intenções de voto, aponta pesquisa Datafolha divulgada nesta quinta-feira (4). Magela, do PT, aparece com 13% e o senador Gim Argello (PTB), que tenta continuar no cargo, com 10%. Brancos e nulos somam 14% e 25% não sabem ou não responderam.

Em comparação com o levantamento anterior do Datafolha, divulgado em 13 de agosto, Reguffe oscilou 5 pontos para cima.  Magela oscilou 9 pontos para baixo. Gim Argello apareceu com 3 pontos a menos

O Senado vai renovar um terço das 81 cadeiras na eleição deste ano, sendo uma vaga para cada unidade da federação.

Confira os números da pesquisa sobre a disputa pelo Senado:

- Reguffe (PDT): 34%

- Magela (PT): 13%

- Gim Argello (PTB): 10%

- Sandra Quezado (PSDB): 1%

- Robson (PSTU): 1%

- Aldemário (PSOL): 0%

- Expedito Mendonça (PCO): 0%

- Jamil Magari (PCB): 0%

- Branco/nulo: 14%

- Não sabe/não respondeu: 25%

Dados da pesquisa

O Datafolha fez a pesquisa entre os dias 2 e 3 de setembro. O instituto ouviu 722 eleitores em todo o Distrito Federal. O nível de confiança é de 95%. Isso significa que, se forem realizados 100 levantamentos, em 95 deles os resultados estariam dentro da margem de erro de quatro pontos prevista.

A pesquisa está registrada no Tribunal Superior Eleitoral com os números DF-00037/2014 e BR-00517/2014.

Roriz Arruda

Os candidatos a governador, José Roberto Arruda (PR), e a senador, Gim Argello (PTB), passaram parte da tarde desta quinta-feira, 31, na casa do ex-governador Joaquim Roriz (PRTB), no Park Way. Eles conversaram sobre o cenário político e as perspectivas da eleição de outubro. Roriz se disse satisfeito com o resultado da pesquisa Ibope divulgada pela TV Globo, segundo a qual Arruda lidera a corrida para o Buriti com 32% das intenções de voto — o segundo colocado, Agnelo Queiroz (PT), tem 17%.

O velho cacique também gravou em vídeo uma declaração de apoio a Gim e frisou que ao assumir sua vaga no Senado, Gim cumpriu um mandato muito acima da média, que o deixou orgulhoso. Na disputa deste ano, Weslian Roriz, esposa do ex-governador, é a primeira suplente ao Senado. Velho amigo da família Roriz, o candidato a vice-governador Jofran Frejat também participou do encontro.

 

Adobe Photoshop PDF

Contrariando a decisão do presidente regional do PTB, senador Gim Argello, o deputado distrital Cristiano Araújo rachou com o partido. Gim vai apoiar o ex-governador José Roberto Arruda (PR) para a disputa ao Palácio do Buriti. Cristiano tem um acordo fechado com a reeleição do governador Agnelo Queiroz (PT). O deputado não se intimida com possíveis represálias que possa sofrer e repete em bom som: “Meu acordo é com Agnelo”. Cristiano afirma que o governador cumprir os compromissos que assumiu com ele. E, por isso, não pretende trai-lo, já que desde o início do governo o seu partido faz parte da base aliada na Câmara Legislativa. Cristiano também esqueceu as retaliações que sofreu em 2013, do próprio Agnelo.

 ***

Eleição na CLDF

Cristiano Araújo se aliou ao deputado petista Cabo Patrício e tentou compor uma chapa independente para a Mesa Diretora da Câmara, contra o candidato do governador, Wasny de Roure, que acabou sendo eleito. A rebeldia lhe custou os cargos que tinha no governo.

 ***

Melhor caminho

O tempo passou e o caso foi superado. Cristiano hoje é um dos mais ferrenhos apoiadores de Agnelo Queiroz. Acredita que o melhor caminho é apoiar a reeleição do governador. O PTB terá um problema mais a frente quando oficializar seu destino na convenção de junho.

*** 

Defensoria pública

Evento na Câmara Legislativa comemorou o Dia do Defensor Público. Representantes da categoria comemoraram a aprovação, no Congresso Nacional, de emenda constitucional que garante maior autonomia e a presença obrigatória de defensores em todas as comarcas do País.

*** 

Ministério Público

Os defensores aproveitaram para reivindicar contratações de concursados e melhores condições de funcionamento das defensorias. Ao ressaltar a relevância dos defensores, Chico Leite comentou que a atuação deles deve ser equiparada em importância às funções do Ministério Público

 ***

Ordem de despejo

Os suplentes de deputado Acelino Popó Freitas, do PRB-BA, e Valdir Colatto, PSC-SC, devolveram o mandato aos titulares, mas continuam ocupando os apartamentos funcionais. Popó e Colatto deveriam ter entregado as chaves no início do mês, trinta dias após deixarem o Congresso.

 ***

Despejo II

Segundo o jornalista Lauro Jardim, como nada aconteceu, o relógio da multa começou a correr. Cada dia de atraso corresponde a R$ 120. A dupla foi notificada. Caso não devolvam os imóveis, a Câmara pedirá a Advocacia-geral da União para entrar com um processo de reintegração de posse.

(Coluna Coletivo Político publicada na edição de 26 de maio de 2014, no Jornal Coletivo)

Foto Ariel Costa

Foto Ariel Costa

Quiosqueiros, trailistas e donos de bancas de feiras, jornais e revistas poderão legar aos seus herdeiros o direito de utilização de área pública. A proposta, de autoria do senador Gim Argello (PTB-DF), será votada no dia 12 de março pela Comissão de Constituição e Justiça. Gim, que também é autor da lei que garante benefício semelhante aos taxistas, lotou as galerias do Plenário do Senado na quinta-feira (26) com representantes das categorias assistidas e fez um apelo ao presidente da Casa e aos líderes partidários para que o projeto seja aprovado.

Segundo o senador, pela lei atual, no caso de falecimento da pessoa que detém a autorização para a exploração do serviço, a família perde, muitas vezes, sua única fonte de sustento, visto que trata-se de um negócio familiar. “A família perde de uma só vez o ente querido e o comércio de onde tiravam o sustento”, argumentou Gim.

Vários senadores elogiaram o projeto e anunciaram o apoio de seus partidos na sua aprovação. “O Senador Gim Argello tem sido um gigante defendendo os mais humildes. O PMDB estará firme votando e aprovando esse projeto ao seu lado no dia 12 de março”, afirmou o vice-presidente do Senado, Romero Jucá (PMDB-RR).

Dilma e Gim Argello

Dilma e Gim Argello

Senador Gim Argello já havia fechado acordo para integrar a chapa de Arruda

Do portal Diário do Poder – O ministro Aloizio Mercadante (Casa Civil) transmitiu nesta terça-feira ao senador Gim Argello (DF), líder do PTB no Senado, a intenção da presidenta Dilma Rousseff de nomeá-lo ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), na vaga a ser aberta com a aposentadoria do ministro Valmir Campelo.

Valmir Campelo completará 70 anos de idade em setembro, quando terá de deixar o cargo, mas, segundo informou o governo, há uma expectativa de o atual ministro do TCU antecipar sua aposentadoria. Ele poderá retomar já em outubro próximo a política partidária, que abandonou desde que assumiu o cargo no TCU. Valmir Campelo pode inclusive ser candidato ao governo ou ao Senado pelo PTB, partido ao qual já foi filiado.

Caberá ao Senado indicar no substituto de Campelo, e esse fator também foi decisivo na opção da presidenta Dilma por Gim Argello, inclusive porque ele não terá dificuldades de ter seu nome aprovado na sabatina também no plenário.

A conversa do ministro Mercadante com Gim Argello coincide com sua decisão de fechar acordo para integrar a chapa que será liderada por José Roberto Arruda (PR), candidato a governador, tendo como vice a deputada distrital Liliane Roriz, filha do ex-governador Joaquim Roriz.

 ROB_4927

O deputado federal Luiz Pitiman (PSDB) participou, na manhã de hoje (29), da primeira missa tradicional dos taxistas de 2014. A celebração acontece na última quarta-feira de todo mês, na sede do Sindicato dos Taxistas (Sinpetaxi), próximo ao Aeroporto de Brasília Juscelino Kubitschek.

Na oportunidade a presidente do Sindicato dos Taxistas, Maria do Bonfim Pereira de Santana, a Mariazinha, elogiou e agradeceu pela ajuda e articulação feita por Pitiman junto aos parlamentares e ao presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) para a votação do projeto de lei, sancionado em outubro do ano passado, pela presidenta Dilma Rousseff, que previa a sucessão familiar nas concessões de exploração de serviço de taxi.

“Pitiman não é somente um parlamentar respeitado, podemos chamá-lo de amigo, companheiro de toda categoria, sua luta sempre foi incessante ao nosso favor”, destacou Mariazinha.

Também esteve presente na celebração, o senador Gim Argello (PTB), que ressaltou a articulação do deputado Pitiman na aprovação da MP 610.

“Pitiman é o deputado federal que luta brilhantemente pelos taxistas na Câmara, continuaremos esta dobradinha, Senado e Câmara Federal, em prol de toda categoria”, disse Gim Argello

O deputado agradeceu o apoio e enfatizou que a parceira e união são dois ingredientes que, somados, resultam no sucesso. “Essas parcerias, são extremamente importantes para conseguirmos as garantias e direitos que toda categoria merece, seguiremos juntos na caminhada”, declarou Pitiman.

 roriz

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) decidiu ser intempestivo (apresentado após o prazo legal) o recurso do Partido Comunista do Brasil (PCdoB), ajuizado em 2006 no TSE, que pedia a cassação do registro de candidatura do ex-senador Joaquim Roriz. Como renunciou ao cargo em 2007, a medida poderia atingir o suplente Gim Argello (PTB-DF).

O PCdoB acusava Roriz de ter cometido abuso de poder econômico ao usar o número de atendimento da Companhia de Abastecimento e Saneamento de Brasília (Caesb) para fazer campanha eleitoral. Nas eleições de 2006, Roriz, então candidato ao Senado, teria feito ampla divulgação e publicidade do número do serviço de atendimento ao público da Caesb, que era semelhante ao da sua candidatura (151).

O PCdoB sustentou, ainda, que o novo número de atendimento público da Caesb foi veiculado de forma intensa por meio de banners, jornais, spots em rádio e no endereço eletrônico da empresa na internet, além de cartazes fixos nos dez postos da Caesb no Distrito Federal, por onde transitam diariamente milhares de usuários.

O Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal (TRE-DF) negou o pedido de cassação de mandato do senador e rejeitou embargos de declaração interpostos em seguida, em julgamento de outubro de 2006.

Voto – De acordo com o voto da relatora, ministra Laurita Vaz, no caso, deve ser observado o prazo de 24 horas para a interposição de recurso que visa apurar infração às condutas vedadas estabelecidas na Lei das Eleições (Lei nº 9504/97). A ministra ressaltou que o prazo recursal a ser observado deve ser o de 24 horas, conforme disposto à época pelo parágrafo 8º do artigo 96 da Lei das Eleições.

A ministra Laurita Vaz lembrou que a Lei nº 12.034/09 acrescentou ao parágrafo 3º do artigo 73 da Lei das Eleições a alteração para três dias do prazo recursal em questão. “O recurso foi interposto quando ainda não vigia a mencionada modificação legislativa. Aquele dispositivo não alcança ato pretérito. De acordo com jurisprudência, a tempestividade deve observar a regra da Lei nº 9504/97”, sustentou.

Ainda segundo a relatora, a decisão que rejeitou os embargos de declaração no TRE-DF foi publicada no Diário de Justiça de 11 de dezembro de 2006. O recurso ordinário, no entanto, foi ajuizado no TSE apenas em 14 de dezembro de 2006, quando já ultrapassado o prazo de 24 horas previsto na Lei das Eleições.

Votaram com a relatora os ministros Castro Meira, Luciana Lóssio e Admar Gonzaga. Foram votos divergentes os ministros Marco Aurélio, Dias Toffoli e Cármen Lúcia, para quem uma vez adotado o rito do artigo 22 da Lei de Inelegibilidades (LC 64/90), “não haveria de se cogitar do prazo de apenas 24 horas”.

No dia 3 de junho, 33 veículos financiados por emenda individual do senador Gim serão entregues aos Conselhos Tutelares do Distrito Federal. Região Metropolitana receberá outros 22

No dia 3 de junho, 33 veículos financiados por emenda individual do senador Gim serão entregues aos Conselhos Tutelares do Distrito Federal. Região Metropolitana receberá outros 22

No dia 3 de junho deste ano, 55 veículos financiados por emenda individual do senador Gim (PTB-DF) serão entregues a cada um dos conselhos tutelares de Brasília e da Região Metropolitana do Distrito Federal. Além do automóvel, do tipo Palio Weekend 1.6, cada unidade receberá 5 computadores, 1 impressora, 1 refrigerador e 1 bebedor de água.

O pacote, apelidado de “Kit Gim” pelos conselheiros tutelares, foi 100% custeado por emenda individual do senador ao Orçamento da União, no valor de R$ 3,9 milhões.

“Apesar da relevância das ações que realizam, muitos Conselhos contam com pouca ou nenhuma infraestrutura de trabalho. No DF e no Entorno, isso agora é capítulo passado. Minha expectativa é de que parlamentares de outros estados se solidarizem para que a gente consiga mudar essa realidade em todo o País”, disse Gim.

Direitos trabalhistas – Além do kit que leva seu nome, o maior presente do senador Gim para os conselheiros tutelares foi a aprovação do projeto que garante, à nível nacional, uma série de direitos trabalhistas para a categoria, como aposentadoria, férias anuais remuneradas com adicional de 1/3, licença-maternidade, licença-paternidade e 13º salário.

Relator da proposta no Senado, Gim não mediu esforços para ver a nova lei aprovada pelo Congresso e sancionada pela presidenta Dilma Rousseff.

“O trabalho de um conselheiro é garantir que os direitos de nossas crianças e adolescentes sejam respeitados, e justo eles não tinham seus direitos mais básicos assegurados”, explica o senador.

A nova lei também aumenta o mandato dos conselheiros tutelares de três para quatro anos. As eleições passarão a ocorrer de maneira unificada em todos os municípios, sempre no primeiro domingo do mês de outubro do ano seguinte ao da eleição presidencial. A posse fica para o dia 10 de janeiro do ano subsequente.

156376_SU5CT1g=

Projeto apresentado pelo senador torna obrigatória a realização de leilão para cessão ou transferência de contratos de trabalho desportivo de jogadores de futebol

Projeto de lei recém apresentado pelo senador Gim (PTB-DF) tem como objetivo tornar mais transparente as negociações de cessão ou transferência de atletas profissionais, permitindo que este tipo de negociação seja feita por meio de leilão. A modalidade passaria a ser obrigatória para transações envolvendo contratos de trabalho desportivo de jogadores de futebol

“Há ainda grande falta de transparência nessas negociações, por exemplo, sobre como uma determinada entidade tem preferência em relação a outra que pretende pagar mais pelo atleta”, explica o senador.

De acordo com o projeto, o atleta deverá concordar formal e expressamente com as regras do leilão, cabendo a ele a definição, entre outras coisas, do lance mínimo que considera justo ou quais clubes estão impedidos de participar do leilão. “Jogadores que não queiram sair do País, por exemplo, poderão vetar a participação de equipes internacionais”, disse Gim.

A matéria aguarda designação de relator na Comissão de Constituição e Justiça. Também será analisada pelas comissões de Assuntos Sociais e Educação, Cultura e Esporte, onde será votada em decisão terminativa pelos senadores.

.

Pedro Gordilho, defensor de Joaquim Roriz no TSE, acredita que o processo que corre contra seu cliente – e que vai definir o futuro de Gim Argello no Senado – deve ser julgado hoje ou, no mais tardar, na terça-feira.

Na ação, o Ministério Público acusa Roriz de usar a Companhia de Saneamento do Distrito Federal (Caesb) para fazer propaganda de sua chapa ao Senado em 2006, que tinha Argello como vice.

Se o TSE aceitar a versão do MP, toda a chapa é impugnada. Como Argello está no lugar de Roriz, que renunciou à vaga no Senado para não ser cassado, a perda do mandato sobrará para ele. (Por Lauro Jardim)

 

Geraldo Nascimento, presidente do Sindimoveis, e Gim Argello, após a filiação do senador que quer defender a categoria a que pertence no Senado

Geraldo Nascimento, presidente do Sindimoveis, e Gim Argello, após a filiação do senador que quer defender a categoria a que pertence no Senado

O Sindicato dos Corretores de Imóveis de Brasília, Sindimoveis-DF, entidade que passou os últimos oito anos brigando na Justiça pela manutenção do seu registro oficial, contra um grupo dissidente que tentava criar outra entidade para representar a categoria, ainda comemora uma conquista importante no seu projeto de retomar prestigio e espaço no DF. O senador Gim Argello (PTB-DF), que os corretores consideram um ícone de sucesso como profissional no setor, onde fez uma carreira milionária, antes de ingressar na política, assinou nesta semana sua ficha de filiação ao Sindicato e decidiu encabeçar as bandeiras de luta da categoria no Congresso Nacional e dentro do governo. Fundada em 1964, o Sindimoveis é também um dos mais antigos de Brasília.

Com a vitória definitiva na justiça, o presidente do Sindimóveis DF, Geraldo Nascimento, acha que o senador viu que a entidade retorna como um dos sindicatos mais fortes da região, já disputado por várias centrais sindicais, como a CUT e a UGT, e reunindo pelo menos 22 mil profissionais espalhados por todo o DF, o que o destaca também como um dos mais representativos dentro da Federação Nacional dos Corretores de Imóveis, Fenaci, que também festejou a decisão do senador de encabeçar as lutas dos profissionais do setor por mais qualificação e capacitação profissional

“Não somos o maior em numero de associados, mas nosso mercado movimenta anualmente mais R$ 9 bilhões em novos negócios e mais de R$ 5 bilhões em transações com imóveis de terceiros, o que faz dele um dos segmentos mais importantes do setor de serviços na nossa economia, mas a categoria profissional desconhece esse seu próprio poder e não é devidamente valorizada pela classe política, pelo governo”, diz Nascimento.

A principal bandeira do Sindimoveis DF hoje, segundo ele, é regulamentar as relações de trabalho dos corretores com as grandes imobiliárias, construtoras e incorporadoras do DF, exigindo contratos de trabalho mais justos e apoio público para qualificação e capacitação profissional, no que conta agora com seu mais ilustre associado, o senador Gim.