Arquivo

Posts com Tag ‘GDF’

TJ permite reestruturação administrativa do GDF

17 de dezembro, 2014

 ADI contra revis㯠do PDOT aguarda julgamento

O Conselho Especial do TJDFT deferiu nesta terça-feira, 16/12, liminar, suspendendo a eficácia da Lei 5.423, de 24 de novembro de 2014. Com a liminar, o governador do Distrito Federal fica autorizado a reestruturar a Administração Pública. A ação direta de inconstitucionalidade foi ajuizada pelo MPDFT. A decisão tem efeitos ex nunc e foi unânime.

Com a decisão do Conselho, o governador do DF fica autorizado a remanejar ou alterar órgãos e entidades, alterar vinculação e atribuição de cargos e empregos em comissão integrantes da estrutura administrativa do Distrito Federal, inclusive autarquias, fundações, empresas públicas e sociedades de economia mista. E também a alterar níveis, criando ou extinguindo unidades administrativas, cargos de natureza especial e cargos ou empregos em comissão desde que não resultem em aumento de despesas. Com a liminar, o governador DF fica autorizado a realizar reestruturação no âmbito da Administração Pública do Distrito Federal.

O MPDFT argumentou em seu pedido que a lei padece de vício de inconstitucionalidade formal, pois decorre de projeto de iniciativa parlamentar, mas trata de matéria da competência privativa do governador. O MP requereu a concessão da liminar, a fim de evitar quaisquer empecilhos para a efetivação da reforma administrativa anunciada para o início de 2015, com o objetivo principal de promover a racionalização dos gastos públicos e a redução das despesas, que já se aproximam dos limites máximos fixados pela Lei de Responsabilidade Fiscal. “Quanto à conveniência política a lei pode inviabilizar a nova gestão quanto ao enxugamento da máquina pública”, disse no julgamento a Procuradora de Justiça.

A desembargadora relatora entendeu que a lei contraria a Lei Orgânica do DF que estabelece competência privativa do Governador do Distrito Federal dispor sobre:a organização e o funcionamento da administração do Distrito Federal; a iniciativa das leis que disponham sobre servidores públicos do Distrito Federal, seu regime jurídico, provimento de cargos, estabilidade e aposentadoria e também sobre a criação, estruturação, reestruturação, desmembramento, extinção, incorporação, fusão e atribuições das Secretarias de governo, órgãos e entidades da administração pública. A magistrada disse estar presente a fumaça do bom Direito e o perigo da demora, os requisitos para concessão da liminar. Por fim, disse que “o quadro do Distrito Federal, com relação às contas públicas, é de que o gasto com pessoal duplicou nos últimos quatro anos e acho prudente suspender a eficácia da lei, pois afetaria sobremaneira a governabilidade que se inicia em 2015”

Justiça, Política , ,

GDF paga salários da Saúde; terceirizados sobram

10 de dezembro, 2014

buriti

Entre ativos, servidores dizem não ter recebido pagamento também. GDF diz que aposentados vão receber até o fim desta quarta (10).

Do G1 DF – O governo do Distrito Federal (GDF) e o Sindicato dos Empregados da Saúde (SindSaúde) confirmaram que o pagamento em atraso de servidores ativos da saúde foram depositados nas contas dos funcionários, na manhã desta quarta-feira (10). No entanto, segundo o GDF e o SindSaúde, os salários de cerca de 10 mil servidores aposentados e de funcionários de empresas terceirizadas da área ainda não foram transferidos.

Servidores públicos do DF fizeram uma manifestação de oito horas na área central de Brasília, na tarde desta terça (9), por causa dos salários em atraso desde a última sexta (5). Uma servidora ativa que afirma ser concursada da Secretaria de Saúde diz, no entanto, que ainda não recebeu o salário atrasado. A técnica de enfermagem Patrícia Cristina Cardoso afirmou ao G1 que o pagamento dela não caiu.

“Eu vou 11h no banco, na hora que abrir, pra ver se o problema foi o GDF ou o banco, todo mundo daqui no meu serviço recebeu, só o meu que não caiu”, afirmou.

Servidores da Secretaria de Saúde informam que vão se manifestar às 10h desta manhã na frente do prédio da pasta. São servidores da fisioterapia, enfermeiros, médicos e nutricionistas que alegam não terem recebido os salários.

APOSENTADOS

O diretor do Sindicato dos Auxiliares e Técnicos em Enfermagem do Distrito Federal (Sindate), Jorge Viana, afirmou que a maior parte dos trabalhadores confirmou o recebimento dos salários, com exceção dos aposentados.

“O que está deixando o sindicato desconfortável é porque o salário dos aposentados não foi depositado. Isso é uma covardia”, afirma. “Eles fizeram essa manobra para acalmar quem está trabalhando, que é o que mais importa para eles.”

Viana afirmou que a paralisação da categoria foi suspensa, mas que se os salários devidos não forem depositados em 24 horas,  vão convocar nova assembleia para definir se haverá nova greve.

A aposentada Conceição Valor Rey é pensionista por causa do ex-marido, que era médico da Secretaria de Saúde. Ela afirma que o banco em que recebe a pensão está cobrando juros em cima dos pagamentos de cheques pré-datados e de débito em conta que caem.

“São 45 reais de taxa por cada cobertura que cai na conta. A gente que vai arcar com isso também? Essa noite entrou um cheque, por exemplo, como não entrou o dinheiro, o BRB cobriu, mas tem 45 reais de juros mais impostos cobrados [...] Eu corri para cobrir o cheque, quem coloca conta em débito tá entrando nessa. Eu estou aqui subindo pelas paredes”, disse.

O secretário de Administração Pública, Wilmar Lacerda, afirmou que os salários dos aposentados da área da Saúde devem ser depositados até esta quarta (10) à noite. Quanto aos juros que estão sendo cobrados, o governo informou que vai procurar o Banco de Brasília (BRB) para que não haja esses descontos.

A presidente do SindSaúde, Marli Rodrigues, disse nesta terça (9) que a greve pode continuar caso o governo não cumpra o pagamento dos aposentados e despesas em atraso, como horas extras e férias. “O fato de o GDF pagar nosso salário não encerra as negociações. Talvez a gente até volte ao trabalho, mas o movimento paredista pode voltar a qualquer momento”, declarou.

Para Marli, o não pagamento aos aposentados da categoria “não pode ser uma constante do governo”. “Não vamos aceitar de forma alguma esse tipo de prática porque está discriminando quem não tem condições de reagir”, disse.

TERCEIRIZADOS

O GDF também confirmou que funcionários terceirizados da saúde ainda não receberam os salários. Alguns funcionários começaram a se aglomerar na porta do Palácio do Buriti nesta manhã, por volta das 7h30, para reivindicar o recebimento.

Segundo o secretário Lacerda, as empresas deveriam ter repassado o que devem. Ele admitiu que algumas têm dívidas há três meses.

“As empresas contratadas são obrigadas a pagar o salário dos terceirrizados . Elas tem que ter dinheiro em caixa para pagar em até 3 meses os salários desss servidores terceirizados. É verdade que algumas empresas já alcançaram três meses de atraso [...] cada caso nós vamos negociar”, afirmou.

SANOLI

O secretário de Administração Pública, Wilmar Lacerda, também disse que o dinheiro em atraso ainda não foi repassado à Sanoli – empresa responsável pelo fornecimento de alimentação a funcionários e acompanhantes de pacientes da rede pública. A Sanoli paralisou os serviços na última sexta-feira (5) alegando não ter recebido o pagamento do mês de outubro. É a segunda vez que a entidade faz isso nos últimos dois meses. Segundo o governo, o pagamento será realizado até sexta-feira.

“Nós estamos fazendo remanejamentos para que a Secretaria de Saúde tenha os recursos necessários para fazer o pagamento da Sanoli dia 12 deste mês e que não falte alimento na mesa daqueles que necessitam da saúde no Distrito Federal”, afirmou Lacerda.

DIFICULDADES FINANCEIRAS

O governo do Distrito Federal alega que teve uma arrecadação menor do que a esperada e que isso se refletiu no pagamento de servidores e manutenção de serviços. O Executivo afirma que vai fechar as contas e entregar o governo sem dívidas ao próximo gestor, Rodrigo Rollemberg. No primeiro discurso após a eleição, ele havia dito que o rombo era de R$ 2,1 bilhões.

Na saúde, o governo decidiu remanejar R$ 84 milhões de convênios com o governo federal – incluindo o fomento a programas de combate e prevenção a doenças como dengue e Aids, que apresentaram indicadores ruins neste ano – para pagar dívidas com fornecedores e reabastecer a rede pública da capital do país com medicamentos e materiais hospitalares. Um levantamento feito por técnicos estima que o rombo da pasta seja de R$ 150 milhões.

Economia, Política ,

GDF concorre ao Prêmio Gobernart do BID

4 de dezembro, 2014

Projeto desenvolvido pela Sutic-Seplan que oferece serviços móveis aos cidadãos e transparência de dados está entre os cinco finalistas do prêmio

O portal Dados Abertos do Governo do Distrito Federal (GDF) está entre os cinco finalistas do Prêmio Gobernart: A arte do Bom Governo, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O portal integra o projeto de governo eletrônico do Distrito Federal e visa fomentar a transparência dos dados locais.

Dividido em quatro categorias, o Prêmio Gobernart: A arte do Bom Governo selecionou iniciativas de segundo nível administrativo (estados, províncias, departamentos ou seus equivalentes) e do terceiro nível administrativo (municípios ou governos locais), de países mutuários do BID, em parceria com representantes da sociedade civil e/ou do setor privado. O portal Dados Abertos do GDF está concorrendo na primeira categoria por que Brasília possui status de cidade e de estado.

A escolha dos ganhadores de cada categoria será realizada por meio de votação on-line, feita pela comunidade no site www.iadb.org/gobernarte, até 8 de dezembro. O anúncio dos ganhadores será divulgado em 15 de dezembro, e a cerimônia de premiação está prevista para o primeiro trimestre de 2015.

MOBILIDADE CIDADÃ

Criado pela Subsecretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação (Sutic), da Secretaria de Planejamento e Orçamento (Seplan), em parceria com a Secretaria de Transparência e Controle, o portal Dados Abertos do Distrito Federal faz parte do projeto Mobilidade Cidadã. Trata-se de uma plataforma eletrônica do Governo do DF que tem por objetivo oferecer serviços móveis aos cidadãos do DF e fomentar a transparência dos dados que são gerados pelo Poder Executivo local.

O portal Dados Abertos (www.dadosabertos.df.gov.br) e o aplicativo Visite Brasília foram lançados em 21 de abril de 2014, no dia do aniversário da capital, e correspondem às primeiras etapas do projeto Mobilidade Cidadã. Dentro do projeto também estão previstos mais três aplicativos: o Agente Cidadão (ouvidoria, asfalto, iluminação pública e poda de árvores), o e-Fiscal (defesa civil, obras e estabelecimentos) e o e-Serviço (falta de luz e segunda via de conta de luz).

Desenvolvidos em plataforma framework CKAN, o maior framework livre para publicação de dados abertos, o portal Dados Abertos do GDF permite ao cidadão visualizar e desenvolver aplicativos para análise de dados, promovendo a melhoria de serviços e gerando maior participação da sociedade. Essa foi a primeira iniciativa do GDF disponibilizada para abertura de dados.

Renata Dumont, subsecretária de Tecnologia da Informação e Comunicação, da Secretaria de Planejamento (Sutic/Seplan), responsável pelo desenvolvimento do portal e dos aplicativos, avalia que “estar entre os finalistas é um reconhecimento do alinhamento das propostas de modernização da tecnologia do nosso estado com as tendências mundiais de melhores práticas nessa área”.

Em sua segunda edição, o prêmio do Banco Interamericano de Desenvolvimento irá identificar, premiar, documentar e difundir iniciativas que tenham sido geradas por parcerias entre governos subnacionais e empresas do setor privado ou a sociedade civil para promover novas formas de inclusão social pelo uso de meios digitais, como redes sociais, aplicativos para web, telefonia móvel e outras soluções tecnológicas.

Cidade ,

GDF gasta R$ 427 milhões com servidor afastado

20 de novembro, 2014

Palacio do buriti

48% dos servidores públicos entregaram um ou mais atestados no período. Estudo foi feito por subsecretária; Educação e Saúde têm maiores faltas.

Raquel Morais, do G1 DF – Quase metade dos servidores públicos do Distrito Federal entregam um ou mais atestados médicos por ano, de acordo com levantamento feito pelo próprio governo. O estudo, apresentado neste ano no Conselho Nacional de Secretários de Estado da Administração (Consad), descarta licenças-maternidade e possíveis atestados falsos. A estimativa é de que o Executivo gaste R$ 427 milhões a cada 12 meses para manter esses funcionários durante o período de afastamento. O índice, chamado de absenteísmo-doença, ficou em 48% e é superior ao nacional – 37%.

Os dados levam em conta documentos dos anos de 2011 e 2012 e foram coletados a partir dos CPFs dos funcionários, para evitar duplicidade. De acordo com a pesquisa, as secretarias onde proporcionalmente os servidores entregaram os maiores números de atestados médicos foram Educação, Saúde e Justiça. Na primeira, 58% dos trabalhadores apresentaram um ou mais documentos ao longo do ano. Na segunda, 48%, e, na terceira, 47%. A média de dias de afastamento é de 14,3, e os motivos mais frequentes são ansiedade e depressão.

O secretário de Educação, Marcelo Aguiar, reconheceu os altos índices e afirmou que a pasta tenta identificar as razões para isso. “Não tenho uma explicação pronta, só não acredito que seja uma categoria tão doente para ter esse índice de afastamento. É preciso investigar as causas, saber o motivo desse elevado número de doenças”, declarou.

Aguiar também disse que a corregedoria está investigando denúncias de “uso indevido de licenças”. A pasta recebe diariamente 250 atestados. A Secretaria de Educação tem aproximadamente 50 mil servidores e, segundo o gestor, quase 100% dos atestados foram entregues por professores.

tabela-3“O ambiente não é insalubre. Não posso dizer isso de uma escola, onde convivem centenas, milhares de alunos todos os dias. Se fosse, não só os professores mas também os outros estariam doentes”, afirmou. “Pedi para se fazer um levantamento das ocorrências e da localização delas. Vamos entregar até o final do ano, para a [equipe de] transição do governo, para que eles possam avaliar o que fazer a partir de janeiro.”

Já para o coordenador de imprensa do Sindicato dos Professores, Cláudio Antunes, fatores relacionados ao espaço escolar influenciam no alto índice de adoecimento da categoria. Entre eles, citou o número de alunos por turma – 30% acima de colégios europeus, o que dificulta ao professor saber os nomes de todos os alunos –, a falta de internet e recursos online em salas de aula e a ausência de espaços apropriados para alongamentos e descansos.

“A própria natureza da carreira pressupõe isso [que professores estão mais vulneráveis], porque há um desgaste emocional e físico muito grande. Professor tem problema na voz, tendinite. Também temos um quadro grande de adoecimento na área emocional, psicológica mesmo. O professor não entra na sala de aula só para dar o conteúdo. Ele tem que mediar os conflitos que vão além do muro da escola, ouve histórias das agressões que as crianças sofrem dentro de casa ou todas as questões dos adolescentes”, conta.

Servidores da Secretaria de Saúde, que aparecem em segundo lugar na lista, relataram questões semelhantes. Presidente do Sindicato dos Médicos, Gutemberg Fialho disse ao G1 que os colegas sofrem frequentemente com angústias e estresse relacionados à falta de materiais hospitalares e às situações dos pacientes.

“Você trabalha sozinho, você trabalha com uma sobrecarga de trabalho enorme, pressão, agressão. [...] Colega vai para lá e tem sobrecarga enorme, insegurança no local de trabalho, insegurança física, tanto que os médicos mais jovens estão entrando e em pouco tempo pedem demissão por causa disso. Nas unidades antigas, que foram reformadas, a sobrecarga de trabalho continua a mesma. Os pacientes continuam nos corredores. Houve maquiagem, mas as condições humanas são as mesmas. Não tem melhora nenhuma. Você tem um paciente grave, em condições de UTI, você diz qual política deve ser aplicada, mas não consegue. Isso te deixa muito mal”, declarou.

A presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde, Marli Rodrigues, afirmou ainda que faltam políticas para cuidar da saúde dos trabalhadores. A entidade representa 104 categorias e estuda, para o próximo ano, uma proposta que possa dar suporte aos profissionais.

“Quem cuida da saúde do povo é tratado pelo governo de forma geral como máquina, não ser humano. Trabalhamos em ambiente insalubre, temos chefias perseguidoras. Isso traz doenças psicológicas, e depois o funcionário começa a sofrer outras doenças por causa da pressão das péssimas condições de trabalho, de o trabalho ser exaustivo, da falta de recursos humanos”, disse.

“Em Taguatinga, por exemplo, tem auxiliares de enfermagem da cardiologia que, por se recusarem a fazer função de enfermeiro, foram colocados à disposição para serem trocadas de setor. Tem 17 anos lá e passaram por isso, desenvolveram hipertensão. Essas senhoras têm 50 e 51 anos. Elas se recusaram porque realmente não podem fazer isso”, completou Marli.

A secretária de Saúde, Marília Cunha, reconhece que existe sobrecarga de trabalho em algumas áreas, mas discorda que o ambiente de trabalho propicie o alto número de atestados médicos. Somente entre 1º de janeiro e 30 de setembro deste ano, a pasta recebeu 29.317 documentos. A secretaria tem 35 mil servidores.

“Eu não posso mais dizer hoje sobre ambiente de trabalho que seja um problema, porque todas as unidades foram reformadas, todos os hospitais foram reformados, [têm] equipamentos novos, tudo limpinho e arrumadinho. Eu não posso dizer que isso acontece por causa disso”, declarou.

Ela afirma que dois fatores influenciam nisso: o fato de a secretaria ter um grande número de funcionários mais velhos e os cuidados maiores que trabalhadores da área têm com saúde, o que os levaria a respeitar mais os limites do corpo e tirar atestados quando ficam doentes.

A presidente do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde rebateu a fala da secretária. “Posso afirmar que nem todo mundo que está doente entra de atestado. A maioria das pessoas trabalha mesmo doente, para não deixar o colega sozinho. Temos exemplos assim, de ir se arrastando.”

PREOCUPAÇÃO

Responsável pela condução do projeto, a subsecretária de Saúde, Segurança e Previdência dos Servidores do DF, Luciane Kozics Araújo, disse por telefone considerar que um levantamento com dados mais recentes possa mostrar uma situação até mesmo “pior”. “O que se destaca aqui é que temos metade da nossa força de trabalho ficando doente. E, como até então a gente não tinha um panorama disso, não havia como traçar políticas específicas.”

Atualmente, o DF tem oito núcleos voltados à saúde do trabalhador, que funcionam nos hospitais regionais de Ceilândia, Paranoá, Asa Norte, Sobradinho, Gama e Santa Maria,  Materno Infantil e Base. Eles oferecem, junto com o ambulatório do servidor, os serviços de acupuntura, fisioterapia, psiquiatria, dermatologia e otorrino, automassagem e meditação.

De acordo com a Secretaria de Saúde, também estão em formação espaços semelhantes nas unidades de Brazlândia, Guará, Núcleo Bandeirante, Planaltina e São Vicente de Paulo, além do Samu. As datas previstas para entrega desses núcleos não foram informadas.

Especialista em clínica médica, uma profissional do Hospital Regional da Asa Norte que preferiu não se identificar afirmou que os colegas realmente sentem falta de amparo. “A gente tem uma equipe que trabalha muito, a gente tem um trabalho excessivo. A gente se desdobra para que as coisas funcionem, mesmo que a gente não tenha as condições mínimas para isso. Eu já cansei de trabalhar doente. Teve uma época que fiquei 15 dias seguidos com febre e ia trabalhar porque não queria deixar os colegas na mão”, contou.

Também preferindo não se identificar, um pediatra que trabalha em Taguatinga afirmou ao G1 ter vivido uma situação parecida. “Meu último atestado foi há três anos, quando fiz cirurgia. Isso não significa que eu não fiquei doente, mas eu já fui trabalhar até afônico. Eu não conseguia falar nada, escrevia no papelzinho para pedir ao paciente para contar a história dele.”

Diretora da Associação Nacional de Medicina do Trabalho, Marcia Bandini afirmou que transtornos mentais relacionados ao trabalho representam a segunda causa de incapacitação dos trabalhadores, ficando atrás apenas de distúrbios musculoesqueléticos – dor nas costas, ombros, joelhos e pés.

“Entre trabalhadores que lidam diretamente com o público, os transtornos mentais tendem a ser mais frequentes. Professores, profissionais de saúde, policiais, dentre outros servidores públicos, apresentam esses transtornos com mais regularidade. Estresse da atividade, trabalho executado sem condições favoráveis, longas jornadas e outros fatores psicossociais são prováveis causas que precisam ser consideradas e devidamente avaliadas”, explica.

A especialista disse que os dados indicados pela pesquisa são preocupantes e denotam “falhas na organização do trabalho e na promoção de um trabalho saudável”. Além disso, segundo ela, a situação repercute na sobrecarga dos colegas, em prejuízos no atendimento à população e em uma piora no ambiente de trabalho. “Tudo isso alimenta um ciclo vicioso de um trabalho que adoece.”

“O planejamento do trabalho, com alocação adequada de recursos, financeiros, humanos, equipamentos etc., tende a distribuir as atividades de maneira mais justa, reduzindo a pressão entre os servidores. Ter ferramentas adequadas para as tarefas, bom relacionamento entre pares e supervisão, deixar claras as regras sobre desempenho e expectativas, ter reconhecimento pelo trabalho bem feito, haver clareza na comunicação interna, trabalhar em jornadas adequadas, receber remuneração justa são características mais valiosas do que ter intervalos, apesar de esses serem importantes também”, declarou.

A subsecretária Luciane Araújo destacou as iniciativas do governo para combater essa situação. Em 2012, o GDF instituiu a Política Integrada de Atenção a Saúde do Servidor. Com isso, criou parâmetros e implantou programas de promoção na área de saúde do servidor.

“Reitero a necessidade de monitorarmos os indicadores organizacionais. Historicamente, não haviam dados, hoje temos a possibilidade de traçar políticas embasadas nos adoecimentos. É necessário olharmos para a forma de organização de trabalho, relações socioprofissionais e condições laborais. Assim, poderemos de fato atuar na promoção e prevenção ao invés da reparação dos danos.”

Em nota, a equipe de transição do governador eleito, Rodrigo Rollemberg, disse ao G1 que tomou conhecimento dos dados. “A saúde do trabalhador, essencial para o êxito do sistema de saúde, será uma prioridade no novo governo, mas as políticas e ações concretas a serem adotadas para redução desses índices ainda estão em estudo pelo grupo de trabalho do tema.”

Cidade, Economia

Distritais adiam votação de títulos da dívida do DF

20 de novembro, 2014

CLDF plenario

Governo quer captar R$ 2 bilhões com operação até o fim de 2014. Com obstrução, texto só poderá ser votado na próxima semana.

Mateus Rodrigues, do G1 DF – Deputados distritais que fazem oposição ao governador Agnelo Queiroz esvaziaram o plenário da Câmara Legislativa nesta quarta-feira (19) e adiaram a votação da criação do Fundo Especial da Dívida Ativa (Fedat), que permitiria a captação de até R$ 2 bilhões para o pagamento de servidores e fornecedores ainda em 2014. O Palácio do Buriti enviou o texto na terça (18) com pedido de urgência.

Com a obstrução, o texto só volta a ser discutido em plenário na próxima terça (25). Segundo a deputada Celina Leão (PMN), o tema será discutido em reunião de líderes no mesmo dia para que pontos obscuros do projeto sejam esclarecidos.

“Vamos apresentar emendas e tentar garantir o mínimo de bom senso na venda desse fundo. Não dá pra colocar o BRB em risco, não dá para invadir outros fundos de pensão de servidores públicos, de aposentadoria”, diz Celina.

A parlamentar diz que qualquer movimentação apressada de fim de ano pode ser interpretada como “desespero” pelos investidores, o que diminuiria o valor dos títulos no mercado. O G1 fez o primeiro contato com a área técnica do GDF na terça (18) para comentar o projeto de lei, mas não obteve resposta desde então.

O  projeto foi elaborado pelo Executivo e prevê a emissão de R$ 2 bilhões em títulos da “dívida ativa”, ou seja, de verbas que o GDF tem a receber. Para que o dinheiro possa ser usado nas contas de 2014, o governo terá menos de um mês para aprovar a lei, regulamentar o texto, licitar a instituição financeira responsável e colocar os papéis à venda.

A taxa de juros dos títulos não é citada no texto. Segundo interlocutores do Buriti, poderá ser definida pelo próprio governador na regulamentação da lei, que não passa pelo aval da Câmara, ou ficar a cargo da instituição financeira.

Se a taxa for fixada em 1% ao mês – média dos títulos de baixo risco –, a captação de R$ 2 bilhões representaria impacto anual de R$ 240 milhões nas contas públicas do DF.  O texto do Executivo também não indica de onde sairiam as verbas para pagar estes juros.

A proposta foi recebida com apreensão pela equipe de transição do governador eleito, Rodrigo Rollemberg. “Ficamos sabendo do texto ontem e estamos acompanhando a tramitação, a apresentação das emendas. A dívida ativa representa receita futura, dinheiro que o GDF tem a receber”, afirma a coordenadora-executiva da transição, Leany Lemos.

Entrave legal – O consultor legislativo da Câmara Federal Roberto Piscitelli diz estranhar a alternativa encontrada pelo GDF para captar dinheiro. Segundo ele, os juros resultantes da operação poderiam representar uma infração à Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), e as contas do governo ficariam sujeitas à contestação pelo Tribunal de Contas.

O artigo 42 da LRF proíbe que o governante contraia “obrigação de despesa” nos últimos oito meses de mandato, ou que “tenha parcelas a serem pagas no exercício seguinte sem que haja suficiente disponibilidade de caixa para este efeito”.

Segundo Piscitelli, o ato de “empurrar” o custo dos títulos para o próximo governador pode ser interpretado como infração semelhante à entrega das contas no vermelho.

“É uma operação não convencional. O que ele está fazendo tem impacto no orçamento, então é preciso incluir esses compromissos. Uma fonte de recursos precisa ser especificada para pagar estas dívidas”, afirma.

Déficit público - O risco de o GDF não conseguir quitar todas as contas da gestão atual até dezembro foi levantado por Rollemberg logo após a eleição. Na ocasião, ele disse que poderia herdar dívida de até R$ 2,1 bilhões de Agnelo Queiroz, segundo levantamento da equipe de campanha.

Segundo levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU), o passivo pode ser ainda maior, de cerca de R$ 3,1 bilhões. O GDF negou o possível déficit e garantiu que deixará dinheiro em caixa para o pagamento de todas as faturas de 2014.

Na semana passada, Agnelo se reuniu com o secretário do Tesouro Nacional, Arno Augustin, para pedir um repasse de R$ 625 milhões de verbas previdenciárias em atraso. O Ministério da Fazenda não comentou a suposta dívida. Além do repasse, Agnelo Queiroz disse que está cortando despesas e tomando “outras medidas” para normalizar as contas de governo.

Um decreto publicado no dia 28 de outubro e assinado pelo governador proíbe novos empenhos (acordos de pagamento) e compromissos de despesas até o fim do ano, para todos os órgãos da administração.

O texto levou a Secretaria de Cultura a anunciar o cancelamento das festas de fim de ano – notícia desmentida pelo Buriti no mesmo dia – e gerou insegurança sobre o pagamento de horas extras aos médicos, que abandonaram plantões em hospitais públicos no último fim de semana. A Saúde diz que os pagamentos estão garantidos.

Política , , , , ,

Ao apagar das luzes

10 de novembro, 2014

Após arrecadar menos do que previa, a gestão Agnelo suspendeu pagamentos a fornecedores e benefícios a servidores, comprometendo importantes serviços. Rollemberg já sabe que vai assumir o governo com o maior rombo nas contas públicas da história do DF

Palacio do buriti

Por Lilian Tahan – Como já virou praxe em época de transição de governo, quem assume a máquina estatal precisa lidar com uma dívida da gestão anterior. Nesse enredo, aquele que se despede costuma justificar a situação com o tradicional “se está ruim, já foi pior”. Desta vez, no entanto, a chamada “herança maldita” atinge seu nível mais alarmante em uma troca de comando no Distrito Federal. A estimativa de rombo nunca foi tão grande, bem como a insegurança de empresários e funcionários públicos com a crise financeira instalada. Um documento usado nas reuniões de transição, ao qual VEJA BRASÍLIA teve acesso, põe na ponta do lápis os números que subsidiaram o futuro governador Rodrigo Rollemberg (PSB) a falar em um déficit de até 2,3 bilhões de reais para 2015. Por mais distante que a quantia pareça estar do orçamento doméstico do brasiliense, o destino dessa bolada fará diferença na rotina de qualquer cidadão que se utiliza de serviços geridos pelo governo (veja o quadro no final da matéria). Os reflexos desse contexto ficam mais evidentes a cada dia. Eles começaram há alguns meses, quando a administração pública passou a atrasar faturas com fornecedores, e marcaram presença nas recentes medidas que determinaram a suspensão de novos contratos e a proibição de benefícios ao servidores.

A origem desse vácuo bilionário, desvelado ao apagar das luzes da gestão de Agnelo Queiroz (PT), está na frustração de receitas, e não propriamente em um gasto além do planejado. Nos últimos anos, durante a elaboração do orçamento do Distrito Federal, os gestores fizeram uma previsão superestimada dos recursos que entrariam nos cofres públicos. Essa verba é formada a partir de algumas fontes. As principais são o dinheiro recolhido dos impostos e uma quantia considerável repassada pela União, por meio do Fundo Constitucional. Para se ter uma ideia do volume de dinheiro que circula nas mãos do governante local, em 2013 o GDF amealhou 16,9 bilhões de reais em receitas próprias. Desse total, 11,4 bilhões vieram apenas de tributos. Para 2014, os gestores fizeram contas e estimaram que fechariam o ano com 22,6 bilhões de recursos dessa mesma natureza. O problema é que, até o último dia 20, o montante obtido somava 15,1 bilhões de reais. Como no fim do ano as despesas são mais rotineiras do que o recolhimento de tributos, as novas previsões, desta vez feitas por técnicos do Tribunal de Contas do DF (TCDF), indicam que o GDF encerrará esta temporada com uma frustração de receita para além dos 2 bilhões de reais. Isso costuma ocorrer quando o governo vincula suas metas financeiras a um crescimento econômico que não se confirma. E, nos últimos dois anos, tanto o país como os entes federados evoluíram menos do que anunciavam os gestores públicos. “Acompanhamos os números oficiais da capital semana a semana. A situação é tão dramática que começo a me preocupar com o pagamento do salário de servidores”, alerta o conselheiro do TCDF Renato Rainha. Ele foi o único integrante da corte a votar pela rejeição das contas do governo relativas a 2013. Por ampla maioria, o tribunal aprovou a gestão financeira desse exercício, mas com ressalvas. No documento de 2013, o relator Manoel de Andrade já falava em um déficit bilionário e dava o indicativo dos tempos de arrocho que agora se materializam. “Trata-se do pior resultado apresentado no âmbito do Distrito Federal desde a edição da Lei de Responsabilidade Fiscal.”

A partir do momento em que as contas deixaram de fechar no papel, fornecedores, beneficiários de programas e até servidores públicos começaram a sentir no bolso o desajuste financeiro do governo. No dia 4, os diretores da Sanoli Indústria e Comércio de Alimentação Ltda. suspenderam pela segunda vez, em menos de dois meses, o fornecimento de refeições a médicos, enfermeiros e funcionários em geral de hospitais públicos da capital. A empresa reclama de faturas não pagas da ordem de 25,5 milhões de reais. Em quarenta anos nesse mercado, diretores da Sanoli constatam que nunca viveram uma incerteza como a atual. Firmas que atuam na limpeza e segurança dos hospitais (Ipanema, Dinâmica, Confederal), no gerenciamento de prontuários médicos (Intersystem), na entrega de medicamentos (Hospfar) e até no fornecimento de gases para a rede (White Martins e Linde Gases) também cobram do governo pagamentos atrasados.

 veja 2

Por mais que o governador Agnelo Queiroz tente conter os efeitos do desequilíbrio orçamentário no discurso oficial, as consequências da crise já aparecem em diversas áreas. Nos últimos dois meses, rodoviários das empresas Pioneira e Marechal suspenderam as atividades por dificuldade nos pagamentos. A própria Secretaria de Transportes admitiu à época que houve demora nos repasses às concessionárias. Em 23 de outubro, um grupo de produtores culturais protestou em frente ao Palácio do Buriti. Os representantes do setor dão conta de que a dívida do governo com artistas e fornecedores chega a 41 milhões de reais, 7 milhões só em cachê. Tal calote, na maior parte das vezes, atinge cantores locais, mas entre os prejudicados estão até grupos nacionais, como Jota Quest e Nação Zumbi. “É impressionante como isso acontece em toda virada de governo. Mas nunca vi algo com a proporção do prejuízo de agora”, relata o produtor Henrique Rocha. Outros 40 milhões de reais relativos a recursos do Fundo de Apoio à Cultura (FAC) também foram suspensos, embora os projetos tenham sido aprovados em editais. Na área de esportes, mais um flagrante da penúria orçamentária do DF. Doze atletas que integram o programa Compete Brasília não participarão do Campeonato Brasileiro de Ginástica Rítmica, em Manaus. Assim como nos últimos três anos, período em que marcaram presença no pódio, as meninas dependiam de subsídio governamental. Em 24 de outubro, porém, Agnelo baixou o decreto nº 35943, determinando que todos os órgãos estatais estão impedidos de realizar novos contratos em qualquer departamento do GDF. “Vamos tentar deixar tudo em ordem, mas é bom lembrar que neste governo trabalhamos sempre no limite dos gastos de pessoal, realizamos quarenta concursos, nomeamos 36 000 servidores e reestruturamos 38 carreiras, diz o secretário de Administração, Wilmar Lacerda. O agrado de ontem, contudo, pode se tornar o problema de amanhã.

Entre os que mais sofrerão as consequências do aperto nas finanças oficiais estão justamente os funcionários públicos. O mesmo decreto que impede o governo de empenhar qualquer quantia até o fim do ano também proíbe os gestores de pagar horas extras, antecipar e parcelar férias, conceder gratificação de serviço voluntário, emitir diárias e passagens e oferecer capacitação de pessoal.

 veja

Nesse aperto de cinto geral, até reclamar ficou difícil. No dia 31, o estudante de engenharia civil Bráulio Moraes foi até o Procon que funciona na administração do Guará prestar queixa de um problema com sua operadora de internet. Mas não conseguiu fazer o registro. “Disseram-me que o governo está cinco meses atrasado com a empresa de informática que presta serviço para eles. Por isso, o Procon estava sem internet”, lamenta Moraes. Para ele e muitos outros consumidores, restou pedir ajuda a Deus.

Economia, Política ,

Equipe de transição se reúne pela primeira vez

6 de novembro, 2014

 

Participaram do ato coordenadores de transição e de grupos temáticos. Grupo estuda atual gestão para facilitar transferência entre governos.

Do G1 DF – A equipe de transição nomeada pelo governador eleito do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), se reuniu pela primeira vez na noite desta quarta-feira (6). Participaram do encontro seis coordenadores da transição e oito de grupos temáticos. Até a posse dele, em 1º de janeiro, o grupo vai levantar informações relativas à atual gestão com o objetivo de facilitar a transferência entre governos.

A equipe de trabalho, cuja composição foi definida por Rollemberg na terça-feira (4), terá acesso a contas públicas, programas, ações e projetos realizados nos últimos quatro anos pelo governo de Agnelo Queiroz (PT).

Para comandar os trabalhos, Rollemberg convidou professores da UnB, servidores e ex-servidores dos governos local e federal. Os temas selecionados como prioridade para o governo de transição são saúde, educação, mobilidade, segurança, planejamento, orçamento e gestão, políticas sociais, infraestrutura e desenvolvimento sustentável., segundo o governador eleito.

Para receber pedidos de informações e requisitar dos órgãos e entidades públicas do DF os dados solicitados, o GDF formou o Comitê de Acompanhamento. A equipe será composta pelos titulares da Casa Civil, da consultoria jurídica do DF, da Secretaria de Transparência, da Casa Militar, da Secretaria de Planejamento e Orçamento, da Secretaria de Governo, da Secretaria de Administração Pública e da Secretaria de Comunicação Social.

Política ,

Processos ressarciram mais de R$ 9 milhões ao GDF

3 de novembro, 2014

17.10-Transparência

Reparação de recursos é decorrente da diminuição expressiva do estoque de procedimentos de tomadas de contas especial

A Secretaria de Transparência e Controle do Distrito Federal (STC/DF) reduziu, nos últimos quatro anos, em quase 80% o quantitativo do estoque dos processos de Tomada de Contas Especial (TCE), instaurados para reparar qualquer tipo de dano ao Erário Distrital. Em janeiro de 2011, existiam 1.286 TCEs e, em outubro deste ano, o número caiu para 298.

Segundo a subsecretária de Tomada de Contas Especial (SUTCE), Jackeline Viana da Costa, a agilidade na apuração dos procedimentos, nesse período, possibilitou ressarcimentos de mais de R$ 9 milhões aos cofres do GDF. Somente em 2014 houve reparação de quase R$ 3 milhões.

A subsecretária explica, ainda, que a iniciativa de priorizar a diminuição dos processos de TCEs em apuração foi definida no Plano de Ação apresentado, em 2011, ao Tribunal de Contas do DF (TCDF) e no Planejamento Estratégico da STC/DF, elaborado em 2012, ambos com o objetivo de aumentar a capacidade de instrução dos procedimentos. A execução do Plano de Ação ocorreu em três etapas, no período de janeiro de 2012 a junho de 2013. De agosto do ano passado até outubro deste ano, para dar continuidade às ações implementadas, está em execução o Cronograma de Encerramento, com previsão de conclusão em julho de 2015.

No último dia 21, foi publicada no Diário Oficial do DF a Decisão TCDF nº 5000/2014. O tribunal considerou que foram atendidas as ações empreendidas e as metas estabelecidas no Plano de Ação, como também executadas as suas recomendações e determinações para diminuir o estoque de processos e aperfeiçoar os procedimentos relativos às TCEs. Para o TCDF, o decréscimo das reservas de TCEs foi gradativo e consistente, houve maior racionalização na alteração de procedimentos e esforço das equipes da secretaria. Com isso, foi arquivada decisão anterior do TCDF, de 2012, com orientações à STC/DF.

PRIORIZAÇÃO- Para Jackeline Costa, os bons resultados na expressiva diminuição dos processos se deve à mudança na sistemática de priorização dos procedimentos. “Definimos como estratégia dar agilidade aos processos de natureza com maior relevância e materialidade, ou seja, que envolviam maior volume de recursos passíveis de serem recuperados pelo Erário”, explicou. A alteração na metodologia de apuração, de acordo com a subsecretária, resultou em maior celeridade e, consequentemente, em significativa redução dos estoques. Outro ponto destacado por Jackeline foi o trabalho da equipe da SUTCE. “Houve um grande esforço coletivo em prol do interesse público. Estou orgulhosa do resultado”, frisou.

A necessidade de maior rapidez nas análises das TCEs na esfera de atuação da STC/DF é antiga. Em 2008, representação do Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) questionou a eficiência administrativa, a eficácia dos processos e indicou medidas para otimizar o trabalho. Por isso, segundo a Subsecretária da SUTCE, em 2011 a medida foi elencada como prioridade pela STC/DF.

TCE – Tomada de Contas Especial é um processo que visa reparar danos pela prática de um ato ilegal, ilegítimo ou antieconômico; omissão de prestação de contas; ato não comprovado da aplicação regular de recursos; desfalques ou desvios. Qualquer pessoa, física ou jurídica, que estabeleceu algum tipo de convênio ou ajuste com o Poder Público, deve prestar contas e pode responder a um procedimento desse tipo.

A TCE é um processo de caráter excepcional e imprescritível, instaurado para apurar fatos, identificar responsáveis e quantificar danos. O objetivo é o ressarcimento integral. Além disso, visa também recomendar aos gestores providências para evitar a ocorrência de novo fato similar.

A Subsecretaria de Tomada de Contas Especial da Secretaria de Estado de Transparência e Controle do DF está responsável pela apuração de todas as tomadas de contas especiais no âmbito da Administração Direta, sem prejuízo de que no órgão sejam adotadas providências para tentar a negociação com o responsável pelo dano.

Economia

Rollemberg tira terça de folga antes da transição

28 de outubro, 2014

rollembergEle apontou combate à burocracia e captação de recursos como desafios. Novo gestor anunciou jornalista Hélio Doyle como coordenador do período.

Do G1 DF – O governador eleito no Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg (PSB), anunciou que vai tirar esta terça-feira (28) de folga para então retomar as atividades ligadas à transição. Entre os primeiros desafios apontados pelo novo gestor estão o combate à burocracia e o fortalecimento da captação de recursos – ele alega que o DF tem um déficit de R$ 2,1 bilhões. A informação é negada pelo atual governador, Agnelo Queiroz.

“Nós não teremos muito tempo até o dia 1º de janeiro e vamos descansar apenas um dia ao longo desta semana e depois tomar as providências”, disse Rollemberg em seu primeiro pronunciamento após o resultado das eleições.

No primeiro dia após o resultado do pleito, o governador eleito deu entrevistas, se reuniu com a executiva regional do partido e definiu o coordenador da transição, o jornalista Hélio Doyle. Professor aposentado da UnB, ele foi secretário de Governo na gestão de Cristovam Buarque e secretário de Articulação Institucional no segundo governo de Joaquim Roriz.

O Palácio do Buriti ainda não anunciou quem participará das atividades, mas a expectativa é que sejam os secretários de Governo, Casa Civil, Casa Militar, Administração, Transparência e Comunicação. No domingo, durante a votação, Agnelo Queiroz afirmou que daria “todo o apoio” na passagem de bastão.

Pelos próximos dois meses, a composição será responsável por coletar informações sobre a atual gestão e facilitar a transferência de um governo para o outro. A expectativa é que a criação do comitê seja anunciada no meio da semana no Diário Oficial do DF.

Rollemberg venceu o oponente, Jofran Frejat (PR), com 55,56% dos votos. Entre as propostas dele estão a adoção do turno integral em todas as escolas públicas, a redução do número de secretarias de governo, a implantação do bilhete único para transporte coletivo e a escolha de administradores regionais por meio de eleição. O governador eleito também defende uma gestão baseada na estipulação de metas e no acompanhamento de resultados.

Nesta segunda, ele disse que pretende iniciar reuniões com os deputados distritais, para fortalecer a base de apoio na Câmara Legislativa, ainda nesta semana. “A equipe de transição vai definir o procedimento, mas esse trabalho de articulação [com a Câmara] caberá ao governador. A partir desta semana, faremos contatos com os políticos para uma transição bem sucedida, que nos permita governar com eficiência já em primeiro de janeiro.”

O PSB não elegeu nenhum distrital nas eleições deste ano. Dos partidos da coligação, elegeram-se Sandra Faraj (SD), Joe Valle (PDT), Celina Leão (PDT) e Reginaldo Veras (PDT).

Primeiros passos

O novo governador anunciou que criará uma “central de projetos” e que vai buscar o equilíbrio das contas públicas do DF. Além disso, afirmou que colocará fim aos contratos temporários.

“Vamos criar uma central de projetos para aumentar a capacidade do DF de captar recursos federais e internacionais. E vamos atrás das dívidas que o DF tem a receber, tomando as providências necessárias para que se possa retomar os investimentos”, afirmou em entrevista após reunião com a Executiva regional do PSB.

Com mandato de senador até 2018, ele afirmou que vai continuar atuando no Legislativo até dezembro deste ano. Durante este período, ele pretende trabalhar em paralelo ao lado da equipe de transição.

Com a eleição de Rollemberg, Hélio José assume a vaga no Senado. Ele nasceu em Corumbá de Goiás (GO) e é servidor público federal. O homem concorreu para deputado distrital nas eleições deste ano, mas desistiu da candidatura no meio da campanha.

Contato com Dilma

Rollemberg diz que conversou por telefone nesta segunda com a presidente reeleita Dilma Rousseff. Segundo ele, os dois lados se colocaram à disposição para agir juntos pela população do DF.

“Tive a oportunidade de cumprimentar a presidente Dilma, foi uma ligação muito feliz. Ela manifestou entusiasmo em ajudar o DF e disse que eu poderia contar com ela como parceira. Agora que passaram as eleições, nós precisamos unir o DF e o Brasil para enfrentar os desafios que temos pela frente.”

Política , , ,

Rollemberg define hoje nomes para a transição

27 de outubro, 2014
Rodrigo Rollemberg

Rodrigo Rollemberg

A composição será responsável por coletar informações relativas à atual gestão e facilitar a transferência de um governo para o outro

Campeão nas urnas com 55,56% dos votos, o governador eleito no Distrito Federal Rodrigo Rollemberg (PSB) disse que começa nesta segunda (27) a definir os membros que irão integrar o comitê de transição do governo. Pelos próximos dois meses, a composição será responsável por coletar informações relativas à atual gestão e facilitar a transferência de um governo para o outro. A expectativa é que a criação do comitê seja anunciada no meio da semana no Diário Oficial do DF.

A equipe será nomeada por pessoas indicadas pelo governador eleito e terá salários pagos pelo GDF. Apesar de começar os trabalhos de interlocução entre governo e equipe sucessora imediatamente, o time não terá poder decisório. Qualquer decisão que seja tomada antes de dezembro terá de passar pelo aval do governador em exercício.

Rollemberg afirmou que vai se reunir com o partido e com colaboradores ainda nesta segunda. “Vou ouvir a Executiva do partido e os colaboradores mais próximos para iniciar a transição. Recebi um telefonema do governador colocando o governo à disposição para fazer a transição, aprofundando a democracia no nosso país e fazendo isso da forma mais tranquila e harmônica. O que está em jogo é o interesse da população do Distrito Federal.”

Na manhã de domingo, o governador Agnelo Queiroz afirmou que, independentemente de quem saísse vencedor nas urnas, daria todo o apoio durante o governo de transição.

Política ,

Decreto regulamenta Centro de Gestão Integrada do DF

27 de outubro, 2014

Com equipamentos de alta tecnologia, CGI garantirá maior eficiência de serviços públicos

O Decreto nº 35.939, publicado no Diário Oficial do Distrito Federal (DODF) de sexta-feira (24), regulamenta o Centro de Gestão Integrada do DF (CGI/DF). O CGI foi criado para garantir mais eficiência dos serviços públicos e respostas rápidas a quaisquer incidentes, a partir da cooperação e integração entre os órgãos do governo e do suporte de tecnologia.

O decreto publicado nesta sexta-feira organiza a estrutura do Centro, que será instalado em um prédio atrás do Detran-DF, onde já funciona o Centro Integrado de Comando e Controle Regional (CICCR), da SSP/DF. A reforma do local será iniciada em novembro, e as obras devem ser concluídas no início de 2015.

O ambiente contará com representantes de todas as áreas do governo para que as ações sejam monitoradas com mais propriedade e, quando necessário, os problemas sejam resolvidos rapidamente. “O local terá alta tecnologia implantada, com informações estratégicas que auxiliarão o funcionamento das regiões e a gestão de crises, seja qual for a área”, explicou o secretário-chefe da Casa Civil do DF, Swedenberger Barbosa.

Para facilitar a integração, garantir o cumprimento de metas do governo e servir de apoio para tomada de decisão, o CGI fará a integração de diversos sistemas de órgãos do GDF. Em caso de incidentes, o centro também estará preparado para respostas rápidas e eficientes – por exemplo, em um acidente de trânsito em que o veículo derrube um poste e o fornecimento de energia seja interrompido.

A implantação do CGI/DF está sendo acompanhada e coordenada pela Casa Civil do DF e pelas secretarias de Governo (Segov), de Segurança Pública (SSP), de Planejamento (Seplan) e de Publicidade Institucional e Comunicação Social do DF. O funcionamento do CGI, no entanto, terá atuação de representantes de diversos outros órgãos do GDF no espaço físico do Centro.

INEDITISMO – A contratação do CGI/DF foi realizada pela Secretaria de Governo e é um projeto de parceria público-privada (PPP). O projeto é inédito no Brasil, uma vez que outras estruturas no País não concentram tantas ações em um mesmo espaço, e, geralmente, são voltadas exclusivamente para a segurança pública ou para a mobilidade urbana.

Cidade, Economia

Rollemberg diz que assumirá DF com dívida de R$ 2,1 bi

27 de outubro, 2014

Senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) celebra o 70º aniversário da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)

‘Tenho convicção de que não sou o salvador da pátria’, afirmou governador. Assessoria do atual governo negou existência do déficit citado em discurso

Raquel Morais, do G1 DF – Em seu primeiro pronunciamento como governador eleito, Rodrigo Rollemberg (PSB) afirmou neste domingo (26) que assume o Distrito Federal com um rombo de R$ 2,1 bilhões e convicto de não ser “o salvador da pátria”.  Ele acompanhou a apuração no apartamento da mãe dele, na Asa Sul. Durante o discurso, Rollemberg ainda citou o ex-presidenciável Eduardo Campos, morto em um acidente aéreo durante a campanha.

“A situação do DF é realmente muito difícil. Existe um déficit já assumido pelo atual governo e publicado no Diário Oficial de R$ 2,1 bilhões. Nós vamos estudar agora com a transição, tendo acesso a todos os dados do DF, quais são as medidas que nos permitirão equilibrar financeiramente o DF. Sabemos que o DF tem uma dívida a receber em torno de R$ 20 bilhões, queremos fazer uma renegociação desta dívida para que possamos receber parte dela já no ano que vem”, declarou. “Tenho convicção de que não sou o salvador da pátria, mas que com o apoio da população vamos resgatar o sonho de JK.”

Por telefone, a assessoria do GDF negou a existência da dívida. “Durante o governo de transição, o governador eleito vai ter oportunidade de conhecer todos os dados, números, com relação a quanto o GDF arrecada e quanto gasta com pessoal, custeio e obras. Nesse momento ele vai perceber que não existe déficit”, disse o secretário André Duda.

Rollemberg venceu o oponente, Jofran Frejat (PR), com 55,56% dos votos (veja aqui o resultado final da apuração). Entre as propostas dele estão a adoção do turno integral em todas as escolas públicas, a redução do número de secretarias de governo, a implantação do bilhete único para transporte coletivo e a escolha de administradores regionais por meio de eleição. O governador eleito também defende uma gestão baseada na estipulação de metas e no acompanhamento de resultados (veja entrevista dele ao G1 quatro dias antes do segundo turno).

“Nossas primeiras medidas serão radicalizar na transparência. Nós vamos criar o conselho de transparência na primeira semana de governo, composto por entidades da sociedade civil, como o Contas Abertas. Nós vamos abrir a senha do orçamento para que a população acompanhe, para que em todos os locais de grande movimento nós tenhamos painéis com os contratos feitos pelo governo”, disse.

O novo governador também afirmou que vai atuar no “combate à burocracia e à corrupção” e não descartou apoio de nenhum partido, desde que aceitem o programa de governo dele. “Nós não vamos lotear o nosso governo”, declarou. “[Queria] Lembrar com muito carinho e muita saudade de algumas pessoas. [...] De Miguel Arraes, que foi um mestre para nós, e de Eduardo Campos, que morreu tragicamente nesta caminhada e que é um grande amigo.”

Política ,

Agenda dos candidatos ao GDF

22 de outubro, 2014

agenda 1

Quarta-feira, 22 de outubro

Rodrigo Rollemberg

9h – Entrevista ao G1

9h40 – Visita ao ponto de apoio dos taxistas

Local: Próximo ao Aeroporto de Brasília

11h – Gravação de programas de TV

18h30 – Encontro com representantes do Sindicato dos Professores

Local: Comitê central, SCS Quadra 4

19h30 – Roda de conversa DF Sustentável, com Marina Silva

Local: 703/704 Sul, na Praça do Índio

Jofran Frejat

7h40 – Entrevista programa Cabeças da Notícia (Rádio Mania FM)

9h30 – Encontro com Comissão do DFTrans

Local: SAAN

9h45- Encontro com representantes da Educação

Local: SAAN

10h – Gravação da Propaganda Eleitoral

15h – Caminhadas pelo DF

Local a definir

16h – Panfletagem na Rodoviária do Plano Piloto

19h – Reunião com moradores do setor Lúcio Costa

21h – Grande Reunião com policiais militares e bombeiros

Local: Praça do Relógio

22h – Reunião com apoiadores da saúde

Local: Guará 2

Política , , ,

Agnelo: serviço público funcionará até fim do mandato

17 de outubro, 2014

Agnelo reuniao 3

Em reunião com secretariado foram definidas as obras a serem entregues ainda neste ano, entre as prioridades estão Upas e creches

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, determinou aos secretários e dirigentes de empresas públicas do DF que apresentem até 31 de outubro um balanço de cada área, nos quatro anos de mandato. Os documentos serão analisados pela Casa Civil e Secretaria de Planejamento.

A determinação foi dada durante reunião na manhã da sexta-feira (17), na Residência Oficial de Águas Claras. No encontro, o governador, o vice Tadeu Fillipelli e demais integrantes do Executivo local discutiram a agenda de trabalho até 31 de dezembro.

Segundo o governador, o principal objetivo é manter todos os serviços públicos em pleno  funcionamento. “Nosso compromisso é com a população do DF. As decisões políticas serão tomadas com o pensamento de entregar uma cidade melhor do que recebemos”, enfatizou Agnelo Queiroz.

Entre as principais inaugurações previstas estão 17 creches, moradias do Programa Morar Bem, além de duas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs), em Ceilândia e no Gama. Além disso, serão entregues projetos como o do aterro sanitário, do centro de triagem e de gestão integrada de segurança, que começou a ser implantado durante a Copa do Mundo.

O vice-governador destacou que  as obras que não puderem ser entregues não serão iniciadas. “A meta é economizar. Vamos dar ênfase na economia. Além disso, cerca de 1,2 mil cargos comissionados vagos serão extintos”, explicou Filippelli.

RELATÓRIOS – A partir do balanço entregue pelas secretarias, o GDF vai elaborar dois relatórios. Um deles reunirá informações e será impresso para consultas da população. O outro, de cunho técnico-operacional, será submetido ao Tribunal de Contas do DF e à equipe de transição do próximo governo.

De acordo com o secretário da Casa Civil, Swedenberger Barbosa, cada secretaria e empresa terá de montar uma comissão interna para realizar seus levantamentos e elaborar seus relatórios. Até 31 de outubro, todos esses documentos serão recolhidos e compilados. “Não há tempo a perder. Assim que cada secretário deixar essa reunião, já tem de começar a redigir seus respectivos documentos”, enfatizou.

A previsão é que as equipes de transição comecem seus trabalhos assim que for definido com quem ficará a gestão do DF a partir de 2015.

Política ,

Agendas dos candidatos ao GDF

17 de outubro, 2014

agenda 1

Sexta-feira, 17 de outubro

Rodrigo Rollemberg

10h – Encontro com as associações comerciais e entidades do trade turístico do DF e Entorno

Local: Associação Comercial (ACDF), SCS, Quadra 2, Bloco B, Palácio do Comércio, 1o andar

12h15 – Visita ao comitê do PSDB e encontro com a Associação dos Feirantes do DF

Local: SIA Trecho 3, Lote 1550

14h – Gravação de programas de TV

19h – Roda de conversa com os moradores de Santa Maria

Local: Praça da Santa, Avenida Alagados, Setor Central

Jofran Frejat

7h   Visita à Feira do Produtor de Ceilândia

9h   Café da manhã na Feira do Produtor de Ceilândia

12h   Almoço na CABE

Local: Setor Policial Sul

16h   Visita a garagem da Viação São José

Local: Brazlândia

17h   Caminhada em Brazlândia

18h30   Reunião com colônia japonesa

Local: Brazlândia

19h30   Reunião com lideranças comunitárias

Local: Brazlândia

20h30   Reunião com oficiais da PM

Local: Auditório do Imperial Bittar Hotel

21h30   Reunião com apoiadores

Local: Sobradinho 1 (QNS 21)

Política , ,

Agenda dos candidatos ao GDF

14 de outubro, 2014

 agenda 1

Terça-feira, 14 de outubro

Rodrigo Rollemberg

7h – Gravação de programas de TV

12h – Entrevista ao programa Balanço Geral, na TV Record

18h30 – Entrevista ao DFTV 2a edição, na TV Globo

Jofran Frejat

6h   Visita aos terminais rodoviários do DF

Local: São Sebastião

8h30   Reunião com lideranças empresariais

Local: SAAN (Trecho 2, Encon Energia)

10h às 15h   Gravação da propaganda eleitoral

Local: Vega Produções

16h30   Reunião com lideranças da Polícia Civil

Local: Brasília Imperial Hotel

17h30   Reunião com funcionários da Novacap

Local: Cruzeiro (Clube da Novacap)

19h   Reunião com lideranças comunitárias

Local: Lago Sul (QI 26)

21h   Sabatina com Movimento Social para Moradia

Local: Asa Norte (Auditório do Sesi, edifício Central Park)

Política , , ,

Debate na Band: Frejat parte para o ataque

10 de outubro, 2014

rollemberg frejat

Os candidatos ao governo do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg (PSB) e Jofran Frejat (PR) participaram na noite de ontem (9) do primeiro debate do segundo turno, promovido pela TV Band; confortável com as pesquisas de intenção de votos que o colocam em vantagem, o senador enfatizou aspectos programáticos, enquanto Frejat o comparou ao governador Agnelo Queiroz (PT) e questionou a idoneidade de Hélio “Gambiarra” como suplente do socialista no Senado

Brasília 247 - Os candidatos ao governo do Distrito Federal Rodrigo Rollemberg (PSB) e Jofran Frejat (PR) participaram na noite de ontem (9) do primeiro debate do segundo turno, promovido pela TV Band. Confortável com as pesquisas de intenção de votos que o colocam em vantagem, o senador enfatizou o zelo programático e o conjunto de propostas para o DF, enquanto Frejat partiu para o ataque.

Com certa agressividade, o ex-secretário de saúde questionou a idoneidade do suplente de Rollemberg no Senado, Hélio da Silva Lima, figura conhecida no submundo da política pelo apelido Hélio “Gambiarra”. Sindicalista e ex-dirigente do PT, hoje é filiado ao PSD. “Gambiarra” foi acusado em 2010, pelo próprio Rollemberg, de abusar sexualmente de uma sobrinha. Apesar disso, ficou na suplência.

Frejat também comparou Rollemberg ao governador Agnelo Queiroz (PT), que ficou em terceiro lugar nas eleições, e questionou o que, ao longo de 20 anos, seu adversário havia produzido de significativo para o DF. “Ajudei a trazer recursos para a UnB na Ceilândia, no Gama, em Planaltina, trouxe recursos para a duplicação da BR 020, lutei pela Lei da Ficha Limpa”, citou Rollemberg. Frejat rebateu. “Deputado colocar recursos em Brasília é o normal. Qualquer deputado tem o poder de colocar emendas em determinadas áreas. Eu tenho obras realizadas de fato. Recuperei a saúde quatro vezes”, rebateu Frejat.

Os candidatos debateram sobre saúde pública, discutiram a situação financeira da CEB e a questão da regularização fundiária no DF e aspectos da gestão do GDF. Sobre a CEB, ambos prometeram recuperar a empresa. Frejat creditou ao governador Agnelo Queiroz (PT), terceiro lugar nas eleições, a responsabilidade pelos problemas vividos na companhia de energia, mas Rollemberg não perdeu a oportunidade de capitalizar em cima da pauta. “A CEB começou a cair no governo Arruda, com um programa de demissão voluntário sem planejamento. Vamos recuperar nossas empresas. Na Novacap, teremos uma prateleira de projetos que nos permitirão buscar investimentos”, disse.

Em pesquisa divulgada ontem pelo Instituto Veritá, Rollemberg atinge 61,7% dos votos válidos no segundo turno contra 38,3% de Frejat.

Política , , ,

Rollemberg 61,7% x Frejat, 38,3

10 de outubro, 2014

rollember_e_frejat

Candidato sai na frente no segundo turno, segundo pesquisa do Instituto Veritá

Pesquisa do Instituto Veritá, divulgada nesta quinta-feira (9), mostra Rodrigo Rollemberg com maior chance de vencer o segundo turno das eleições para o governo do Distrito Federal. Segundo o levantamento, o candidato do PSB tem 61,7% das intenções de voto enquanto Jofran Frejat (PR) tem 38,3%. Os resultados são da pesquisa estimulada, quando os entrevistadores citam os nomes dos concorrentes. Nesta etapa, são considerados apenas os votos válidos.

Na pesquisa espontânea, sem referência aos nomes dos candidatos, a intenção de votos em Rodrigo Rollemberg (PSB) cai para 54,2% e Jofran Frejat (PR) aparece com 33,7%. Os eleitores que vão anular os votos ou votar em branco somam 5,8% e 6,3% não sabem e não responderam em quem vão votar. A pesquisa entrevistou 2.203 eleitores entre os dias 6 e 8 de outubro. O levantamento está registrado no TRE-DF sob número 00076/2014.

No primeiro turno das eleições, Rodrigo Rollemberg (PSB) ficou em primeiro lugar, com 45,23% dos votos válidos. Jofran Frejat (PR) em segundo, com 27,97% e o atual governador, Agnelo Queiroz (PT) amargou o terceiro lugar, com 20,07% dos votos, passando a ser o primeiro governador do DF a tentar a reeleição sem chegar ao segundo turno. (Informações R7/DF)

Política , , ,

Agenda dos candidatos ao GDF

10 de outubro, 2014

agenda 1

Sexta-feira, 10 de outubro

Rodrigo Rollemberg (40)

9h30 – Caminhada no Setor O, em Ceilândia

Ponto de encontro: EQNO 1/3, Via Leste

17h30 – Conversas na Rodoviária do Plano Piloto

Ponto de encontro: Plataforma E

Jofran Frejat (22)

8h às 14h30    Gravação de propaganda eleitoral

15h às 17h   Caminhadas pelo DF

Locais a definir

17h30 às 19h15   Panfletagem Rodoviária do Plano Piloto

19h30   Lançamento do Programa de Educação do Governo Frejat

Local: Grande Loja Maçônica, 909 Norte, próximo ao CEUB

20h30   Reunião com apoiadores

Local: Minas Tênis Clube

Política , ,

Quase 125 mil famílias foram habilitadas pelo Morar Bem

9 de outubro, 2014

morar

Lista com mais 3035 inscritos foi divulgada no Diário Oficial do Distrito Federal desta quinta-feira

Mais 3035 inscritos no Minha Casa, Minha Vida/ Morar Bem foram habilitados, nesta quinta-feira (9), e estão  de acordo com a política habitacional do DF. Com o novo número, já são 124.929 famílias mais próximas de realizar o sonho da moradia própria por meio do programa.

Da nova lista, divulgada hoje no DODF, 828 famílias são da Relação de Inscrição Individual (RII) e 2.207 da Relação de Inscrição por Entidade (RIE), ou seja, com indicação de cooperativas.

Para a pessoa ser habilitada, é preciso obedecer aos critérios da lei 3.877/2006. Entre os requisitos estão: morar no DF pelo menos nos últimos cinco anos, nunca ter tido imóvel no DF, ter renda mensal de até R$ 8.688,00 e ser maior de 18 anos.

O próximo passo do Programa é encaminhar as famílias habilitadas, que comprovaram os dados fornecidos no momento da inscrição, ao banco – Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil -, para a assinatura do contrato de financiamento da moradia. Vale lembrar que a verificação de restrições financeiras referentes ao CPF é realizada pelo banco.

Cidade ,

Agenda dos candidatos ao GDF

8 de outubro, 2014

agenda 1

Quarta-feira, 8 de outubro

Rodrigo Rollemberg (40)

7h – Conversas na Rodoviária do Plano Piloto

Ponto de encontro: Plataforma C

14h – Reunião da Executiva Nacional do PSB

Local: Sede do PSB, 304 Norte, Bloco A

19h30 – Roda de conversa com moradores do Guará

Local: Praça da Moda, QE 40, Guará II

Jofran Frejat (22)

8h às 10h45  Gravação da propaganda eleitoral

11h   Entrevista TV Band

15h   Caminhadas pelo DF

Local a definir

19h   Reunião com servidores da Caesb

Local: Vicente Pires

20h30   Reunião com apoioadores e Guarda Jânio

Local: Ceilândia (QNN 17)

Política , , , ,

GDF empossa novos defensores públicos

6 de outubro, 2014
Foto: Pedro Ventura

Foto: Pedro Ventura

Aprovados em concurso público prestarão suporte jurídico e gratuito para pessoas que não têm condições de pagar por esses serviços

O governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, empossou, nesta segunda-feira (6), os seis primeiros colocados no concurso para a Defensoria Pública do DF. Os novos defensores juntam-se aos 185 já existentes e entram em atividade imediatamente.

“O ingresso desses defensores consolida a possibilidade que o cidadão tem de pleitear a defesa dos direitos que lhe foram subtraídos. Estamos nos deparando com a reconstrução da uma Defensoria Pública forte para o DF, que vai prestar de uma maneira ainda melhor a assistência jurídica e integral a quem precisa e não pode pagar”, enfatizou Agnelo Queiroz, na solenidade realizada no Palácio do Buriti.

Além do governador, estavam presentes na cerimônia os secretários de Administração Pública, Wilmar Lacerda; e de Comunicação, André Duda; o defensor-geral do DF, Ricardo Batista de Sousa; e a procuradora-geral do DF, Paola Ayres.

O defensor-geral se reuniu com os novos empossados para delegar as demandas de cada um e esclarecer seu papel junto à sociedade. “Quem ganha é a população carente, pois esse é nosso trabalho: dar voz a quem não teve outra alternativa para buscar seus direitos. Esperamos que outros sejam nomeados em breve para reforçar nossa equipe”, frisou Ricardo Batista de Sousa.

Trata-se da primeira posse da Defensoria Pública do DF. Anteriormente, os defensores faziam parte do Centro de Assistência Jurídica (Ceajur), que entrou nos novos moldes em fevereiro do ano passado, aderindo a um formato constitucional, como ocorre em outras unidades da Federação. No total, 146 foram aprovados no concurso público.

“É um momento ímpar para o DF. Uma Defensoria Pública e independente é fundamental para a execução de um bom trabalho junto à sociedade”, disse a defensora recém-empossada Caroline Ribeiro.  Também foram empossados Luis Eduardo Viana, Tiago Guimarães, Flávia Danigno, Antônia Aldenir e Marcilene Cristina.

A Defensoria Pública do DF está presente em 26 Núcleos de Assistência Jurídica (NAJs) espalhados por todo o Distrito Federal. Desses, nove são especializados, são eles: Núcleo de Iniciais, Defesa da Mulher, Defesa do Consumidor, Defesa do Idoso, Execução de Medidas Socioeducativas, Execução Penal, Infância e Juventude, Saúde e Segundo Grau e Tribunais Superiores. Além disso, a população conta com os projetos itinerantes que levam o defensor público até a comunidade.

COMPROMISSO - Sobre o resultado das eleições, o governador Agnelo Queiroz garantiu que vai seguir atuando com dedicação exclusiva ao Governo do Distrito Federal. “Meu mandato vai até dia 31 de dezembro e meu compromisso é o de entregar ao meu sucessor um DF melhor do que o que eu recebi”, destacou.

Política , ,

GDF arrecada R$ 1,8 mi com leilão

29 de setembro, 2014

O Governo do Distrito Federal (GDF) arrecadou R$ 1.814.500,00 com o leilão realizado na manhã da última sexta-feira (26). A expectativa de arrecadação, baseada nos lances mínimos, era de R$ 456 mil. Todos os 119 lotes negociados foram vendidos.

O leilão ofereceu 42 lotes compostos de bens inservíveis como cadeiras, armários e equipamentos antigos de informática e outros 77 lotes compostos por veículos, tratores, caminhões e implementos agrícolas.

Entre os arremates mais concorridos estava o lote 44, uma pá carregadora, com lance inicial de R$ 10 mil e arrematada por R$ 56mil. Já o lote 10, de bens diversos, com lance mínimo de R$ 900 foi vendida por R$ 50 mil. Outro lote bastante disputado foi o 76, um caminhão 1314 MB, com valor de lance de R$ 10mil e arrematado por R$ 49 mil.

A partir desta segunda-feira (29/09), os bens começam a ser retirados pelos arrematadores. O prazo para retirada se encerra no dia 24 de outubro e o comprador que não o fizer até esta data estará sujeito a multa.

Esse foi o primeiro leilão de 2014 promovido pela Secretaria de Planejamento e Orçamento (Seplan). A Subsecretaria de Logística (Sulog), responsável pelo recolhimento dos bens inservíveis, já está se preparando para retomar a atividade de recolhimento de outros bens do governo ainda em 2014.

Economia

DATAFOLHA Rollemberg dispara na liderança com 35%

26 de setembro, 2014

Senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) celebra o 70º aniversário da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT)

O governador Agnelo Queiroz (PT) aparece com 22% empatado com o candidato Jofran Frejat (PR), com 19%. Instituto ouviu 1.049 eleitores em todo o DF nos dias 25 e 26 de setembro

O Instituto Datafolha divulgou nesta sexta-feira (26) pesquisa de intenção de votos na corrida para o governo do Distrito Federal. O senador e candidato a governador Rodrigo Rollemberg (PSB), disparou na liderança com 35% e praticamente assegurou uma vaga no segundo turno. Em segundo lugar há um empate técnico entre o governador e candidato à reeleição Agnelo Queiroz (PT), com 22% e o ex-deputado Jofran Frejat, com 19%. Na sequencia aparecem Luiz Pitiman (PSDB), com 4%; Toninho do PSOL (PSOL), 3%; e, Perci Marrara (PCO), 0%. Declaram votar em branco ou anular o voto somam 8%. Não sabe/não respondeu são 9%.

Esta é a primeira pesquisa realizada pelo Datafolha desde que Frejat entrou na disputa no lugar do ex-governador José Roberto Arruda como candidato do PR. No levantamento anterior, realizado pelo instituto nos dias 8 e 9 de setembro, Arruda tinha 37%, seguido por Agnelo (19%) e Rollemberg (18%).  A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e em parceria com o jornal Folha de S. Paulo.

Segundo turno – O Datafolha fez uma simulação de três cenários no segundo turno. No primeiro, entre Rollemberg e Agnelo, o candidato do PSB venceria com 58%. O petista teria 25%. Branco, nulo ou nenhum somaram 9%. Outros 8% não souberam responder.

No segundo cenário, entre Frejat e Agnelo, o candidato do PR venceria com 46%. O atual governador teria 34%. Branco, nulo ou nenhum somaram 12%. Outros 8% não souberam responder.

No terceiro cenário, entre Rollemberg e Frejat, o senador venceria com 54%. O candidato do PR teria 26%. Branco, nulo ou nenhum somaram 11%. Outros 9% não souberam responder.

PRIMEIRO TURNO

- Rodrigo Rollemberg (PSB): 35%

- Agnelo Queiroz (PT): 22%

- Jofran Frejat (PR): 19%

- Luiz Pitiman (PSDB): 4%

- Toninho do PSOL (PSOL): 3%

- Perci Marrara (PCO): 0%

- Branco/nulo: 8%

- Não sabe/não respondeu: 9%

SEGUNDO TURNO

1º cenário

Rodrigo Rollemberg (PSB): 58%

Agnelo Queiroz (PT): 25%

Branco/nulo: 9%

Não sabe/não respondeu: 8%

2º cenário

Jofran Frejat: 46%

Agnelo Queiroz: 34%

Branco/nulo: 12%

Não sabe/não respondeu: 8%

3º cenário

Rodrigo Rollemberg: 54%

Jofran Frejat: 26%

Branco/nulo: 11%

Não sabe/não respondeu: 9%

Rejeição

O Datafolha também apontou a rejeição dos candidatos. A maior é do atual governador, Agnelo, com 48%. Em seguida, aparecem Frejat (26%), Pitiman e Toninho (19%), Perci (17%) e Rollemberg (11%).

Realizada nos dias 25 e 26 de setembro, a pesquisa entrevistou 1.049 eleitores em todo o Distrito Federal. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%, o que quer dizer que, se levada em conta a margem de erro de quatro pontos para mais ou para menos, a probabilidade de o resultado retratar a realidade é de 95%.

A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo número DF-00058/2014 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob protocolo número BR-000782/2014.

Política , , ,

Candidatos ao GDF participam de debate da Record

26 de setembro, 2014

O encontro será transmitido para todo o DF a partir das 22h30. No sábado, a emissora promove debate com candidatos ao Senado pelo Distrito Federal

O debate organizado pela Record Brasília com os candidatos ao governo do DF, ocorrerá hoje, sexta-feira (26). Os principais candidatos ao Governo do Distrito Federal confirmaram presença e se enfrentarão em um cenário montado dentro do Memorial JK, no Eixo Monumental.

O apresentador do telejornal DF Record, Luiz Carlos Braga, vai intermediar o debate entre Agnelo Queiroz (PT), Rodrigo Rollemberg (PSB), Toninho do PSol, Luiz Pitiman (PSDB) e Jofran Frejat (PR), que será transmitido a partir das 22h30 e contará com uma plateia de autoridades, formadores de opinião e convidados dos partidos políticos.

Uma equipe de mais de trezentos profissionais da Record Brasília trabalham para organizar os últimos retoques do cenário criado exclusivamente para o debate. O projeto foi concebido em São Paulo e adequado ao espaço do Memorial JK.

De acordo com o diretor geral da TV Record Brasília, Carlos Alves, o momento é único. Ele destaca a importância do debate para o cenário político e para os eleitores do DF. “Nós não podíamos fazer qualquer debate. A Record quer deixar a marca nestas eleições preparando esse debate com todo cuidado, carinho”, destaca.

Estrutura – O debate terá cinco blocos. O primeiro, segundo e quarto blocos serão idênticos, com confronto direto entre os candidatos no formato de pergunta, resposta, réplica e tréplica. No terceiro bloco, jornalistas da TV Record Brasília e do Portal R7-DF farão perguntas aos candidatos e escolherão um outro concorrente para comentar a resposta. No quinto bloco, será o momento para as considerações finais.

O debate da Record será um dos últimos a serem realizados por emissoras de TV antes do primeiro turno das eleições deste ano.

Senado – Neste sábado (27), a Record Brasília vai promover o debate com candidatos ao Senado pelo Distrito Federal, também no Memorial JK, das 13h45 às 14h50.

Os dois encontros serão exibidos ao vivo pela TV Record Brasília, e também serão transmitidos pelo portal R7.

Política , , ,

Moradores de rua poderão fazer cursos pelo Pronatec

24 de setembro, 2014

 

Ao todo serão oferecidas 96 vagas para pessoas atendidas nas Casas Santo André

Pessoas em situação de rua no Distrito Federal terão a oportunidade de estudar em cursos de formação inicial e continuada pelo Pronatec, graças a uma parceria entre as secretarias de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda (Sedest) e de Direitos Humanos e o Ministério da Educação.

Os cursos, gratuitos e ofertados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), contarão com material didático gratuito e auxílio estudantil aos alunos. As aulas acontecerão nas Casas Santo André.

Serão oferecidas 96 vagas nos seguintes cursos: pedreiro de alvenaria (32 vagas), preparador de doces e conservas (32), artesão de biojoias (16 vagas) e produtor de derivados de leite (16 vagas). Para se inscrever em um deles é preciso ter CPF e Ensino Fundamental.

Todas as dúvidas e questionamentos acerca dessa ação poderão ser enviados para pronatec@sedest.df.gov.br

Cidade , ,

Exata divulga pesquisa para o GDF

23 de setembro, 2014

Coletivo Politico

Pesquisa do Instituto Exata, divulgada nesta segunda-feira (22) pelo portal R7, mostra o candidato do PSB ao governo do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg, em primeiro lugar, com 25,6% das intenções de votos. Em segundo lugar, o petista Agnelo Queiroz, candidato à reeleição, tem 22,7%. Jofran Frejat (PR), que substitui José Roberto Arruda (PR), desistente das eleições, aparece em terceiro lugar, com 17,3% das intenções de voto. Em quarto lugar, Luiz Pitiman (PSDB) tem 5,5% das intenções de votos. Em seguida, aparecem Toninho do Psol (Psol), com 2,7% e Perci Marrara (PCO), com 0,1%. Os indecisos somam 15,8% e nulos e brancos, 10,4%. A pesquisa foi registrada com o protocolo nº DF-00054/2014, no dia 16 de setembro de 2014.

 ***

Votos válidos

A pesquisa ainda simulou um cenário considerando apenas os votos válidos, sem somar brancos, nulos e indecisos. O pessebista Rodrigo Rollemberg tem 35% das intenções de votos enquanto o governador Agnelo Queiroz (PT) tem 31%.

 ***

Votos válidos II

Em seguida, Jofran Frejat (PR), com 23%; Luiz Pitiman (PSSB), 7% e Toninho (Psol), 4%.A pesquisa entrevistou 4 mil eleitores do Distrito Federal entre sexta-feira (19) e esta segunda-feira (22). A margem de erro é de dois pontos percentuais.

 ***

Espontânea

Na pesquisa espontânea do Instituto Exata, quando os entrevistadores perguntam a intenção de votos sem citar os nomes dos candidatos, o senador Rodrigo Rollemberg continua na liderança, com 18,5% das intenções de voto.

 ***

Espontânea II

O candidato do PT, Agnelo Queiroz, aparece em segundo lugar, com 15,6 % e Jofran Frejat (PR) em terceiro, com 14%. Em seguida vêm Luiz Pitiman (PSDB), com 3,6%; Toninho do Psol (Psol), com 1,6% e Perci Marrara (PCO), com 0,1%.

 ***

Indecisos

Segundo a pesquisa, os indecisos somam 37,8% enquanto 9 % dos eleitores brasilienses dizem que vão anular o voto ao votar em branco. O número de indecisos, em relação a outras pesquisas é muito alto e inviabiliza interpretações mais consistentes.

 ***

Outras pesquisas

Esta semana ainda teremos a divulgação de mais três pesquisas. As empresas que estão em campo colhendo as intenções de voto são o Ibope, o Datafolha e o Instituto Dados. A partir desta quarta-feira começarão a ser divulgados os números.

Política , ,

Brasília marcará presença na Abav 2014

23 de setembro, 2014

abav 2014

Empresários do segmento turístico do DF apostam na feira, em São Paulo, como forma de divulgação dos serviços da cidade

A capital federal participará pelo quarto ano seguido da Expo Internacional de Turismo (Abav), representada como destino de eventos e de lazer. A exposição é considerada a maior do segmento e ocorrerá em São Paulo, onde uma equipe designada pela Secretaria de Turismo e Projetos Especiais do Distrito Federal desembarca nesta terça-feira (23) para dar início à montagem do estande especial sobre a cidade.

Até 28 de setembro, 3,5 mil marcas expositoras com representantes de 65 países e um público profissional estimado em 40 mil pessoas atuantes em todos os segmentos da indústria estarão reunidos no Anhembi. A participação de todos os estados e do DF é garantida por meio de incentivo do Ministério do Turismo, cujo ministro, Vinícius Lages, terá um gabinete especial de onde acompanhará movimentação e fará os despachos oficiais.

Nesta edição, estarão presentes pela primeira vez destinos como África do Sul, Emirados Árabes Unidos, El Salvador, Eslovênia, Marrocos e Moçambique. Assim como os destinos e empresas nacionais, esses países participarão de um cronograma de atividades que inclui rodada de negócios, palestras e workshops sobre as cidades turísticas participantes.

O trade turístico de Brasília aproveitará o evento para divulgar os serviços da cidade. Representantes da hotelaria, do turismo rural e dos centros de eventos da capital federal se encontrarão com operadores e agentes de viagens nacionais e internacionais a fim de mostrar as opções que Brasília oferece enquanto destino turístico.

“É um momento em que eu consigo estar com o trade e com isso vender os produtos da minha empresa e divulgar Brasília”, afirma a representante da empresa R2R Turismo, Rose Ribeiro, que já participou de edições anteriores junto à Setur-DF. “Já consegui fechar pacotes de grupos internacionais e nacionais com meu programa voltado ao turismo arquitetônico. Com esses eventos consigo fazer com que o trade conheça o que é palpável de fato. Esses eventos são sempre positivos, porque você abre uma conversa com novos clientes.”

Além das reuniões com os empresários locais, aqueles que passarem pelo estande de Brasília poderão levar para casa o material promocional da cidade, que inclui cartilhas explicativas, jogos de passatempo e brindes como camisetas, squeezes e canetas.

Economia ,

Nota Oficial: GDF retira sites do ar

22 de setembro, 2014

eleições 2014

O Governo do Distrito Federal informa que por determinação da Justiça Eleitoral os sites do governo devem ser retirados do ar. O GDF cumprirá a decisão judicial, decorrente da Representação nº 1723-65.2014.6.07.0000, impetrada pela “Coligação Somos Todos Brasília” (PSB, SD, PDT e PSD).

O governo entende que nos sites são divulgadas informações de serviços prestados à população, não configurando publicidade que contrarie a legislação eleitoral.

Todas as páginas do domínio do Governo do Distrito Federal são ligadas diretamente à página da Agência Brasília por meio do banner superior, de modo que para retirá-las serão necessários ajustes técnicos.

A Subsecretaria de Tecnologia da Informação e Comunicação, da Secretaria de Planejamento (Sutic/Seplan), está trabalhando para retomar a publicação das informações de serviços essenciais à população o mais breve possível, atendendo à determinação judicial.

Política

Celina representa contra GDF para garantir concursados

22 de setembro, 2014
Deputada Celina Leão

Deputada Celina Leão

A deputada Celina Leão (PDT)  entra  com uma representação no Ministério Público do Distrito Federal, contra o Governo do Distrito Federal (GDF), que uma semana depois de realizar concurso público para a Secretaria de Saúde, homologou  uma resolução que autoriza a contratação de terceirizados, por meio de análise de currículo, em regime emergencial.

“O concurso público da Secretaria de Saúde, realizado no início de setembro, só aconteceu por uma representação nossa, condenando as terceirizações, e agora tenho que recorrer à Justiça novamente para que os aprovados sejam nomeados. Isso só comprova a falta de compromisso do governo com o cidadão do DF”, lamenta a deputada.

Para Celina Leão o governo age de má fé, quando ignora os profissionais concursados aptos a assumirem as vagas, para firmar um contrato emergencial. O processo 060.010.012/2014 – DOU, sessão 1 página 2 pretende contratar 32 médicos, 32 enfermeiros, 106 técnicos de enfermagem, 32 fisioterapeutas e seis técnicos administrativos sem concurso. “Isso é uma rasteira nos concursados e nós não podemos aceitar”, considera a parlamentar.

Política ,